sábado, 31 de outubro de 2015

É preciso levantar a cabeça! (Isto se quiserem ver-nos)

O Estoril fez o que pôde para que a noite de Halloween fosse recheada de sustos hoje em Alvalade. E conseguiu-o logo a abrir e faria o mesmo já com o tempo de jogo quase esgotado. Infelizmente são poucas as equipas na nossa Liga a apostar na valorização do espectáculo, revelando respeito pelo jogo e pelos adeptos.

O Sporting fez um jogo de sinal misto. Embora dominando todo o jogo, como lhe competia, faltou sempre qualquer coisa na hora de definir as jogadas, sobretudo na primeira parte. Na segunda parte a equipa conseguiu ser mais assertiva, criando oportunidades claras que, no entanto, haveria de desperdiçar. Refira-se que algumas das jogadas foram executadas a um nível técnico muito elevado, a indicar que os jogadores estão a assimilar bem as ideias preconizadas pelo treinador.

Destaques individuais para João Mário, talvez mesmo o melhor. Também Bryan Ruiz esteve muito bem, embora tenha registado na sua folha a perda de um golo feito. João Pereira esteve muito melhor que em jogos anteriores e seria o melhor de todos se conseguisse melhorar o último passe.

Continuamos na frente e isso é melhor que há a registar deste jogo. É um treino essencial para quem quer ser o primeiro no final do campeonato. Quem quiser olhar para nós continuará a precisar de levantar a cabeça.

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

O treinador e a estrutura

Aqui ao lado (leia-se para os lados da Luz) os efeitos do resultado esmagador do dérby ainda perduram. A discussão centra-se no trabalho da agora tão invocada "estrutura" e no treinador. Nestas matérias, quando os resultados não aparecem as consequências são sempre as mesmas: a última e a mais pesada das facturas tende a ser paga pelo treinador, entretendo-se a estrutura em estratégias de sobrevivência, leia-se sacudir a água do capote. 

Numa organização saudável os resultados deveriam ser da responsabilidade de todos, quaisquer que eles fossem, mas o mundo aproxima-se mais da perfeição para quem detém o poder. Porém, bem vistas as coisas, o trabalho da estrutura não passa, na maioria dos casos, de manobras de diversão, uma vez que é ela a primeira e a última responsável pela escolha do treinador. No caso concreto -  a com escolha de Rui Vitória - são manobras de grande dificuldade, pois o que agora está a acontecer só espanta os mais distraídos. 

É fácil de perceber que a substituição de Jorge Jesus, pelo tempo e pelo êxito obtidos, seria sempre difícil. No entanto, quando a opção recaiu no ex-treinador do Vitória de Guimarães, a opção foi pelo risco e pela ruptura, tantas são as diferenças entre ambos. Estas vão desde factores secundários, mas não negligenciáveis, como a personalidade - será que o discurso de Rui Vitória está a ser facilmente assimilado pelos adeptos benfiquistas? - mas que se centram sobretudo no modelo de jogo que o treinador trazia consigo. O que foi quase perfeito para um Vitória de Guimarães em recuperação financeira pode não ser para um clube com a responsabilidade do SLB e a viver um período de reafirmação. Algo que nós já tínhamos percebido quando fomos buscar Paulo Sérgio à mesma origem, com os resultados que sabemos. 

Não é por acaso que a anteriormente tão incensada "estrutura" desferiu quase de imediato um forte ataque ao seu ex-treinador e ao Sporting: percebeu que dificilmente deixaria de ser imputada a responsabilidade da saída de JJ e que esta significava duas derrotas em simultâneo: enquanto saía mas fraco da perda, o rival de sempre, nós, encurtávamos distâncias de forma drástica. Talvez o equivalente mesmo a queimar uma série de etapas que uma aposta sustentada de crescimento mas mais demorada poderia proporcionar.

Apesar da rivalidade que nos separa, não me custa reconhecer que o trabalho desenvolvido por LFV na recuperação do SLB é sem dúvida notável, atendendo sobretudo ao ponto de partida. Os meios postos à disposição do clube, nomeadamente na aquisição de jogadores,  foram determinantes para o sucesso obtido. Mas a saída de JJ e a respectiva substituição demonstra que uma importante parte dos factores que conduziram o clube ao êxito já não moram lá e se transferiram para o lado do Sporting: Jorge Jesus. De tal forma que se pode perguntar se com Rui Vitória alguma vez o mundo futebolístico conheceria hoje os nomes de Gaitan, David Luiz, Ramirez, Di Maria, Enzo Perez, Witsel, Matic, Markovic ou Coentrão, mais as somas astronómicas das respectivas transferências.

Como sabemos, o Sporting passa por um período de paulatina recuperação. Se há mérito indiscutível a assinalar na liderança de Bruno de Carvalho é a da escolha dos treinadores. Todos os escolhidos têm uma responsabilidade indiscutível na recuperação desportiva do clube, conseguindo obter pelo menos os "mínimos olímpicos" no que a resultados diz respeito. 

A recuperação desportiva está indubitavelmente relacionada com a recuperação financeira e com a taxa de aprovação de Bruno de Carvalho entre os associados. Porque o que um clube como o Sporting tem que oferecer aos seus sócios e adeptos são as emoções – a relação com o clube é 99,9% emocional - que só as vitórias proporcionam. 

A chegada de Jorge Jesus pode representar uma rápida mudança de era no futebol do Sporting. mesmo considerando de forma responsável que vivemos uma era de vacas magras e incerteza, que não permite investimentos avultados como os que teve no clube anterior. Este momento tem porém pelo menos uma virtude: obriga o treinador a olhar para "o que a casa dá", isto é, a formação. É isso que tem acontecido, com jogadores como Gélson, Matheus, Mané e Esgaio a acumularem minutos. O mesmo se pode dizer com os progressos que se registam no jogo de Adrien, Slimani, e sobretudo de João Mário. 

Isto não invalida que recaem sobre a administração pesadas responsabilidades. Tais como a de aportar mais e melhores meios - financeiros e de carácter organizacional - que permitam sustentar o crescimento e de forma a prever e acautelar atempadamente as saídas de jogadores-chave que a inevitável cobiça alheia tenderá a provocar.  E que, de igual modo, permitam sustentar a indisfarçável ambição do nosso actual treinador, rentabilizando-a como um factor de crescimento.

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Dérby de manhã? Porque não?

O próximo derby está já a caminho, por capricho do sorteio da Taça de Portugal. Agora discutem-se as datas. O Sporting já fez saber à FPF que preferia a data de 22 de Novembro, talvez porque Téo e Ruiz têm compromissos com as suas selecções marcados para dia 18, de madrugada. Com sorte, poderão estar de regresso a Lisboa na quinta-feira, dia 19, embora a possibilidade de tal acontecer apenas na sexta-feira seja bem real. 

Acontece que a FPF parece estar muito ciosa do cumprimento das 72 horas de intervalo entre jogos e daí ter feito saber que, a haver jogo, este teria ter inicio pelo menos até às... 12:30 de domingo, para que assim se perfaça aquele período de descanso. Isto porque o clube da Luz tem marcado em Astana o jogo da Liga dos Campeões na terça-feira seguinte. 

Vamos ver que decisão toma a FPF, ela que nem sempre tem sido escrupulosa no respeito das 72 horas noutros casos, como bem sabemos. Acresce a isto o facto de ao SLB interessar mais que o jogo se dispute no sábado, para que a longa viagem até Astana se efectue o mais cedo possível. 

Da parte que me toca parece-me que esta seria uma boa oportunidade para testar a receptividade dos adeptos a novos horários, à semelhança do que já se faz por essa Europa fora, em especial nas grandes ligas, como a espanhola e inglesa, por exemplo.

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Explicar uma das mais saborosas vitórias de sempre: Rigor e eficácia

Eficácia
Vista a estatística do jogo há um dado que sobressai sobre os demais como explicação para a vitória ontem alcançada: a eficácia. Das quatro oportunidades que teve na primeira parte, quando o resultado foi construído, o Sporting concretizou três. Com este valor percentual (80%) em todos os jogos atrevo-me a arriscar que, neste momento, a nossa liderança seria ainda mais dilatada.

Sorte
É aqui que entra o factor sorte: a eficácia está ligada à qualidade dos jogadores mas também ao factor sorte. Os mesmos jogadores que ontem acertaram sempre e à primeira foram os mesmos que em jogos anteriores não o conseguiram fazer. Mas a sorte não explica tudo.

Qualidade das oportunidades
Dá muito trabalho ter sorte, diz o chavão, e neste caso aplica-se com toda a propriedade. As oportunidades ontem criadas, e que resultaram em golo, sobretudo a primeira e a última, são finalizadas em 1x1 e em frente à baliza, onde a possibilidade de concretizar é muito maior. A explicação segue abaixo.


Rigor
O rigor com que os jogadores interpretaram a disposição táctica preconizada por JJ ajuda a explicar a eficácia, a sorte e a qualidade das oportunidades. Isto é, elas não aconteceram do nada mas surgem como o resultado de uma articulação colectiva objectiva. Não deixa de surpreender, olhando apenas para o resultado, que o valor percentual das perdas de bola se assemelham nas duas equipas. Paradoxalmente, foi na primeira zona de construção que o Sporting até perdeu mais vezes a bola, tendo até estado pior na primeira parte (15%, contra apenas 5% do SLB). São estes valores que ajudam a explicar em parte a sensação de jogo partido do inicio do jogo e com pouca sequência das jogadas que prevaleceu durante quase todo ele.
Houve no entanto dois factores que diferenciaram as consequências das perdas de bola em zonas de construção:  a superioridade numérica e a melhor organização colectiva (disposição dos jogadores no terreno) por parte do Sporting, que permitiram não apenas melhor reacção à perda, facilitando uma melhor resposta, como, por consequência, ter melhores condições para oferecer ao jogador com a posse de bola melhores soluções para lançar o ataque. É isso que explica porque em três penadas o Sporting faz três golos e o adversário nunca conseguiu criar perigo, encontrando quase sempre do outro lado uma equipa organizada.

Dar sentido a esta vitória
Estes três pontos perderão muito do seu significado e importância se nos próximos jogos entregarmos parte ou totalidade. O grande desafio do Sporting neste momento é dar sentido a esta vitória prolongando a liderança até ao virar do ano. Os jogos que faltam - Estoril (c) Arouca (f), Belenenses (c), Maritimo (f), Moreirense (c), U. Madeira (f) - não são fáceis, mas são perfeitamente possíveis de alcançar. "Basta" para isso que o Sporting faça como ontem, com rigor, eficácia, e a indispensável sorte, torne fácil o que parecia muito difícil de alcançar. 

Rigor II
Quando vi o Sporting subir ao relvado equipado a rigor sorri. Pode não ser nada importante, comparado com a importância dos jogadores, dos treinadores, da táctica, mas eu, como creio que a generalidade nós, estamos presos às nossas referências visuais. Os calções pretos e as meias listadas fazem parte das minhas e também creio de uma elevada percentagem de adeptos. Não custa nada e sabe bem.

Já a qualidade do relvado tem uma importância determinante e o Sporting continua a ter este problema por resolver. Ao contrário do que querem fazer crer é mesmo um problema de competência. Não creio que o estádio da Luz seja mais arejado (factor tantas vezes apontado como razão para a falta de qualidade do relvado), até porque as bancadas "afundam" o relvado ainda mais que em Alvalade. A exposição solar, o clima e a orientação são também os mesmos.

Se o relvado deles é excelente, como ontem se viu, porque razão o nosso não é pelo menos bom e continua sofrível como se viu na quinta-feira? O inverno está aí e são os autocarros de tracção total dos nossos adversários que mais vantagens terão se o problema não for corrigido. Quando pode valer isso em pontos no final da Liga?


Nota: a imagem dos dados estatisticos foi retirada do MaisFutebol.

domingo, 25 de outubro de 2015

SLB 0 Sporting 3: Papo cheio e limpinho,limpinho!

Vitória limpinha,sem apelo nem agravo sobre o rival de sempre. A maior em muitas décadas. Vitória obtida com muita sorte,que tantas vezes falta, pela forma como se chega ao golo, num momento indefinido do jogo. E fruto de enorme eficácia, que também tem faltado por vezes.

Depois foi a enorme concentração, empenho e uma superioridade táctica expressa sobretudo na segunda parte, em que qualquer veleidade a equipa da casa foi completamente morta à nascença. Muito bem os adeptos Sportinguistas mais uma vez, ao fazer-se ouvir sobre a maioria da casa. Parabéns também a estes pela reacção impressionante a um dos piores resultados de sempre em casa.



sábado, 24 de outubro de 2015

"Vítor Pereira só telefona aos árbitros antes dos jogos do Benfica, não o faz com mais nenhum clube"

Excerto da entrevista de Marco Ferreira ao ÁS via DN

Agora só falta investigar.  

"Não vou dizer que o Benfica pede ao Vítor Pereira que fale com os árbitros para favorecer o clube. Não digo isso. O que digo é que ele faz isso porque sabe que o Benfica é o único clube que o apoia. Por isso, não quer que nenhum árbitro que não goste do Benfica apite os seus jogos. O Benfica nunca falou comigo e nunca pediu para os favorecer. Mas Vítor Pereira sim"

"Numa semana em que eu tinha um jogo do Benfica, ele telefonava a dizer que tinha que ter cuidado, que o jogo tinha que correr bem. E só o fazia antes de jogos do Benfica. Nunca me telefonou antes de um jogo do FC Porto, por exemplo. Não só a mim, mas a muitos companheiros..."

"Eu e muitos colegas recebíamos chamadas na mesma semana em que estávamos nomeados para arbitrar o Benfica. Vítor Pereira tem muitos inimigos e opositores, entre eles as pessoas do próprio Conselho de Arbitragem e muitos clubes da I Liga. Não o querem lá. Então, o único clube dos grandes que apoia Vítor Pereira é o Benfica"

"Nomeou-me para um Rio Ave-Benfica. Nessa semana ligou-me duas vezes, quarta e quinta-feira. Na quinta-feira disse-me que tinha que fazer um bom jogo, se não não me nomeava para o Benfica-FC Porto, que era em abril. Disse que eu tinha que ter cuidado, pois 'eram os que se queixavam' e 'era o jogo do título para o Benfica'

"Antes do Sp. Braga-Benfica foi mais ou menos a mesma conversa. Disse-me que o jogo tinha que correr bem e que eu não devia ligar 'caso viesse ruído do banco"

"Vítor Pereira só telefona aos árbitros antes dos jogos do Benfica, não o faz com mais nenhum clube", e garante que já denunciou a situação "à Federação e ao Comité Disciplinar da Liga Portuguesa", denúncia feita "na semana passada"

"Eles (os árbitros) têm medo que Vítor Pereira acabe com as suas carreiras como acabou com a minha. Sou um exemplo para eles daquilo que se pode passar. Eu era árbitro internacional e nunca na história de Portugal um árbitro internacional tinha descido à segunda categoria"

"Fui árbitro de I Liga durante nove anos e nunca o Benfica, nem sequer nenhum outro clube, algo vez me ofereceu algo para o beneficiar. Eu penso que esta é uma iniciativa do próprio Vítor Pereira com o interesse de agradar ao único clube que o apoia"

"Ele nomeou-me (final da Taça)
porque era um jogo de uma máxima rivalidade, escaldante; se eu fizesse algo de mal, já tinha um motivo para despromover-me. O problema é que fiz tudo bem e ficou sem argumentos. Fui o primeiro e único árbitro internacional da história da Madeira. Para mim fica esse orgulho.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

No inferno da Liga Europa valeu o evangelho segundo Matheus

Hoje em Alvalade defrontavam-se duas equipas que haviam descido do areópago do futebol mundial - A Liga dos Campeões - até à cave das competições europeias de clubes. Para o visitante de nome estranho poder permanecer em competição pode ser encarado como um prémio, para um clube como Sporting assemelha-se a uma descida ao inferno. É isso  a que se assemelha esta fase de grupos da competição, com equipas de terceira e jogos em hora de trabalho ou de ponta. Foi por isso que vi apenas a segunda parte do jogo em directo e a primeira depois de devidamente rebobinada a box, para depois concluir que tinha perdido os momentos mais perdulários, passe a repetição. 

À medida que a partida ia decorrendo mais evidente era a diferença entre as equipas, o que empurrou o jogo para o registo entre o cumprimento do dever e a possibilidade de um massacre futebolístico. Ficamo-nos pelo primeiro, mantendo assim em aberto a possibilidade de qualificação para a fase seguinte da competição, depois da escorregadela comprometedora inicial. Registe-se também como bom indicador o compromisso dos jogadores, atendendo o anonimato do adversário e o facto de nos apresentarmos com uma equipa recheada  de jogadores jovens e que têm jogado menos. 

Destaque óbvio e obrigatório para Matheus que, em passadas seguras e com eficácia, vai "exigindo" um lugar na equipa principal.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Jardel na capa do jornal Sporting: "quem se esquece da história está condenado a vê-la repetir"

O que tem o passado de Cadete, Futre e Jardel em comum na história do Sporting? Além do facto de terem sido jogadores do clube, a forma premeditada e acintosa como decidiram interromper a ligação ao clube que sempre os havia tratado como ídolos. Num curto espaço de tempo os três são exonerados de toda a responsabilidade dos seus actos, aparecendo de passado branqueado, com honras de primeira página, no jornal do clube. Jardel, depois de 2013, é de novo premiado.

Do nosso passado recente não havia mais ninguém disponível para testemunhar histórias do derby? 

Ou quem gere hoje a comunicação no Sporting perdeu a memória ou não conhece a história recente do clube? Jordão? Manuel Fernandes? Pedro Barbosa?

É bem possível que assim seja e por isso aproveito para lembrar que a saída de Jardel foi uma golpada bem sucedida para derrubar o Sporting, montada pelos então dirigentes do S.L.B. de conluio com o empresário José Veiga. O Sporting tinha acabado de fazer a dobradinha (campeonato e taça) onde os quarenta e dois golos de Jardel no campeonato tinham sido determinantes e com ele arriscava-se a fazer o bi-campeonato. 

No inicio da época seguinte Jardel começou por não aparecer à concentração habitual de inicio de época, tentou todos os expedientes para rescindir e praticamente não jogou. Acabou por rescindir em 2003, já sem conseguir cumprir o mínimo que é exigido a um atleta profissional, sucumbindo ao consumo de drogas e nunca mais se conseguir recompor. As consequências da sua atitude foram-lhe fatais, pagando um preço pessoal elevado. Não menos o foram para o Sporting.

Folgo em saber que o pior dos seus problemas pessoais já terão passado. Mas não posso deixar de reprovar que se tenha metido a memória no bolso e se dê a primeira página do jornal do clube a alguém que, no passado ainda recente, nos prejudicou deliberada e e intencionalmente, como o próprio já admitiu. Ele que devia estar grato ao sacrifício feito pelo clube para lhe pagar um ordenado então sumptuoso e tudo ter feito (e conseguido) para lhe recuperar a carreira, como aliás então a prórpria esposa o reconheceu nesta entrevista:

"Não é qualquer clube que faz o que o Sporting fez pelo Jardel. Uma coisa é contratar um jogador que está bem e a marcar golos, outra é fazê-lo a um atleta que vinha de uma operação, estava parado há dois meses e psicologicamente em baixo. É preciso confiar muito no seu potencial. Por parte dos adeptos sentimos todo o carinho possível e isso fez o Jardel renascer e os responsáveis da SAD deram-lhe um apoio especial. Acredito que foi a pior fase da carreira dele e sei que o Jardel pensa da mesma forma que eu. Estamos muito gratos ao clube. Se me perguntar onde gostaria que o Jardel acabasse a carreira dele, eu respondia sem hesitar que é no Sporting. Mesmo que um dia saia, gostava que voltasse para terminar em Alvalade."

terça-feira, 20 de outubro de 2015

As histórias que nos andam a contar sobre o Sporting

São cada vez mais frequentes as comparações entre o percurso que está ser feito actualmente por Bruno de Carvalho e o que foi feito por primeiro por Pinto da Costa e depois por Luis Filipe Vieira. Comparações que aparentemente pretendem ser elogiosas para com Bruno de Carvalho mas que, no fundo, se transformam num sério embaraço: 

Pode haver algo pior para um presidente do Sporting do que ser comparado a Pinto da Costa e Luís Filipe Vieira? 

Não personificam ambos, entre muitas outras coisas, o modelo de "ganhar a qualquer custo" que tanto rejeitamos? 

Ao contrário do que nos querem fazer crer à força de tanto nos matraquearem, a postura de Bruno de Carvalho e o seu modelo de comunicação não são a única alternativa ao silêncio, à lassidão e distanciamento adoptada por muitos dos que nos dirigiram no passado. 

Ou que emular o comportamento dos seus congéneres rivais é o único meio de nos recolocar no caminho das tão desejadas vitórias.

Esta é apenas a forma mais simples de nos tornarmos parecidos com muito do que sempre rejeitamos nos nossos rivais e de nos afastarmos da identidade que o clube erigiu com orgulho desde a sua fundação. Identidade essa que sempre nos distinguiu e que foi responsável pela escolha de um clube por muitos de nós.

Mas há algo ainda pior e que é invocado de forma recorrente, já não apenas em artigos de opinião, mas também no discurso de Sportinguistas: que antes de Bruno de Carvalho o Sporting era um clube de "gente simpática" ou de "viscondes", reduzindo uma das maiores e mais vencedoras instituições desportivas a um clube de perdedores e acomodados.

Não posso deixar de me opor e lamentar que tal se torne moda sem se perceber o quão insultuosas são estas afirmações para o Sporting Clube de Portugal, e muito em particular para os seus sócios. Eu não me revejo nesta imagem e tenho a sorte de os Sportinguistas que conheço também não se inscreverem nela.

É também uma forma muito conveniente de reescrever a história, alijando responsabilidades que são de muitos em apenas uns quantos. Todos quantos formaram as maiorias muito significativas que sufragaram sucessivamente em eleições e em AG's as políticas desportivas e financeiras que nos trouxeram até aqui. 

Para o bem e para o mal, foram tão deles (nossas) as escolhas do passado como hoje é deles (nossas) a escolha de Bruno de Carvalho para presidente. Por isso quando se fala de gente simpática, viscondes, acomodados e perdedores estamos a falar de todos nós.

O que o clube foi e será resultará sempre das escolhas dos seus sócios, quer estas sejam feitas por acção, omissão ou cumplicidade com quem por nós está mandatado para dirigir. Se ao menos se aprendesse alguma coisa com o passado...

Nota: para ilustrar algumas das observações aqui feitas no presente post seleccionei dois artigos de opinião que circularam nos dois maiores jornais desportivos que me parecem constituir "bons" exemplos das "histórias que se nos andam a contar sobre o Sporting".

domingo, 18 de outubro de 2015

Taça de Portugal - via franca para as "crianças"

Uma abordagem muito séria ao jogo por parte da equipa do Sporting depressa deixou claras as diferenças abismais que separam as duas equipas. Muito por via disso a eliminatória que nos fez cruzar com a União Desportiva Vilafranquense não podia ter corrido melhor . Além da passagem tranquila à eliminatória seguinte, o encontro foi muito importante para a recuperação de jogadores preponderantes para a nossa equipa, como são Paulo Oliveira, Ewerton, e William. 

Quem também aproveitou muito bem a oportunidade concedida pelo  treinador foi a "miudagem". Paulista demonstrou ter um potencial embora, como é óbvio, tenha ainda um longo caminho a percorrer para poder ser considerado uma certeza. Matheus Pereira aproveitou muito bem as facilidades concedidas pelo adversário para mostrar que a eficácia em frente à baliza também nos pode ser muito útil, a somar à inegável qualidade técnica. Gélson entrou para agitar o jogo e foi muito bem sucedido. Mané já o havia feito desde o inicio do jogo. Não surpreenderá ninguém que alguns venham a ser novamente titulares na próxima quinta-feira, frente ao Skenderbeu.

sábado, 17 de outubro de 2015

Regressar em festa à festa do Futebol Nacional

Para atenuar os efeitos do síndroma de abstinência entretanto instalado, o futebol nacional regressa este fim-de-semana. Será, como convém nestas circunstâncias, ser servido em dose aligeirada, para que os adeptos não se ressintam, mas em volume suficiente para preparará-los para o grande embate que é o dérby, que ocorrerá no fim-de-semana seguinte.

Não será apenas pelo respeito que é devido a todos os oponentes em qualquer competição desportiva, mas também por uma certa tradição, que a ocorrência de resultados inesperados praticamente em todos os anos da competição, que o Sporting deve encarar o embate com o Vilafranquense com seriedade. O dérby só chegará depois desse jogo, é bom que isso esteja na cabeça dos jogadores. Com este aviso à navegação não se pretende agoirar um mau resultado mas tão somente lembrar como tudo é eventual no futebol até o árbitro apitar para o fim do jogo.

Para exemplificar o que acabo de dizer acima, e aproveitando para fazer uma pequena revisitação à nossa história, lembro um dos piores desaires. Não foi vivido por mim, mas os diversos Sportinguistas que tiveram essa infeliz oportunidade e que fizeram o favor de a testemunhar, fizeram-no com tal veemência que acabou por me marcar. Falo da derrota ante o Tirsense, ocorrida no dia 17 de Abril de 1949.

É difícil não imaginar que quando a equipa deixou Lisboa em direcção "à província" ninguém terá pensado um minuto que fosse em quem era o Tirsense. A equipa de Stº Tirso militava então na longínqua 3ª divisão nacional e nós carregávamos impantes a até aí inédita proeza de nos termos sagrado tri-campeões nacionais, onde pontificavam então os Cinco Violinos (Jesus Correia, Vasques, Albano, Peyroteo e Travassos). 

Éramos então considerados uma das melhores equipas da Europa e aprestávamo-nos para jogar a final da primeira edição da Taça Latina, com o Barcelona. Era provavelmente aí que estaria a cabeça dos jogadores e quiçá dos responsáveis. E foi por aí que ficámos nessa edição, onde havíamos chegado como titulares do troféu pela terceira vez consecutiva. Provavelmente foi por aí que começamos a perder também a final da Taça Latina, que a equipa da cidade catalã haveria de vencer por 2-1.

Mas deixemos cair a cortina do tempo sobre a história e centremo-nos na competição que este fim-de-semana começa e da qual somos novamente os vencedores em titulo. Porque afinal a Taça é também a festa do futebol nacional.

É impossível esquecer a alegria esfuziante que  aquele momento significou para todos nós, em particular os que tivemos o privilégio de viver a montanha russa de emoções que culminou com o levantar do troféu e dos dias que se seguiram. Não é demais também lembrar a importância daquele momento, por representar o regresso às conquistas importantes no futebol, reconquistando simultaneamente a vice-liderança na hierarquia dos vencedores da competição, que foi nossa por muitos anos e que havíamos deixado fugir paulatinamente.

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Sporting TV com fundo vermelho e branco

Ontem, na "entrevista" de Bruno de Carvalho à Sporting TV, perdi a conta às vezes que a palavra "Benfica (ou matérias com ela relacionada) foi pronunciada. A mim, como sócio, interessa-me muito pouco ou quase nada o que lhe está relacionado e seguramente que não foi para falar no Benfica que o canal foi tão desejado por todos nós. 

O presidente do Sporting não pode falar todos os dias, sobre o mesmo assunto, sem banalizar a mensagem e, de arrasto, a sua própria imagem. Fora a do cidadão Bruno de Carvalho e esse seria um problema dele. Sendo a do presidente do Sporting afecta a imagem do clube e isso já me importa. Não é preciso ter um doutoramento em comunicação para o perceber. 

O povo, na sua sabedoria, há muito que diz, a propósito:

Quem muito explica, complica.

Quem muito fala, a si dana.

Quem muito fala, dá bom-dia a jumento.

Quem muito fala, muito enfada.

Quem muito fala, muito erra.

Quem muito fala, muito mente.

Quem muito fala, não é o que mais faz.

Quem muito fala, não é quem mais faz.

Quem muito fala, pior ouve.

Quem muito fala, pouco acerta.

Quem muito fala, pouco faz.

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

O processo do SLB a Jesus e a verdadeira "dor de cotovelo"

A noticia de que o SLB decidiu processar Jorge Jesus já não é nova e o facto de pormenores do pretenso processo serem dados à estampa a poucos dias do derby também não é surpreendente para ninguém. Já tínhamos visto algo semelhante aquando da disputa da Supertaça, no inicio da época em curso. 

Se a estratégia seguida parece ser a procura da desestabilização de Jorge Jesus, tal só revela que em seis anos a partilhar o mesmo tempo e espaço com o treinador não foram suficientes para o conhecer. Ao invés de o desestabilizar só lhe estão a fornecer combustível para alimentar ainda mais a vontade de ganhar. 

É ainda mais estranho que o clube da Luz insista nesta abordagem, demonstrando não ter ainda percebido que, tal como no jogo da Supertaça, estão a tornar ainda mais difícil o jogo para a sua equipa. Incompreensível de todo ainda mais é a insistência na teoria da traição por parte do treinador, quando é do conhecimento geral que foi o facto de não quererem renovar com o treinador que fez este escolher outro caminho para continuar a exercer a sua profissão. 

Se dúvidas houvesse, nem é preciso estar muito atento para já ter ouvido alguns dos muitos argumentos do rosário de queixas que amiúde desfiam contra o treinador. Seja pela sua falta de aposta na formação, pela incompreensão "pela vocação europeia", pela falta de dimensão cultural, humana, etc. Isto após seis anos de permanência e de resultados que pedem meças ao melhor do historial do clube. 

Só pode ser mesmo dor de cotovelo, com as devidas hastes, perdão, aspas, que a foto deste ilustra. O que torna toda esta questão ainda mais difícil de entender com argumentos racionais. Ainda por cima sabendo-se, como se sabe, que Luís Filipe Vieira, com a preciosa ajuda de Jorge Mendes, estava já a fazer de Stº. António casamenteiro, procurando "noiva" para o treinador. 

Para o vulgar adepto de futebol como eu estes dias que têm antecedido o dérby, embora não tenham trazido nada de novo, só podem causar perplexidade e tristeza.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

É agora que entram as danças sevilhanas da Catalunha?

Os últimos dias têm sido tão fartos em folclore que só me ocorre uma das várias frases célebres atribuídas a Gabriel Alves e que serve de titulo ao post. Só espero é que a atenção não se desvie do essencial - ganhar, ou fazer tudo por isso - sob pena de sermos o alvo da toda a chacota. Algo está mal quando, do seu púlpito semanal vemos o Manuel Serrão a fazer figura de senhor e até o FCP  aparece como referencial de bom-senso.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Bruno de Carvalho: "Sou frontal, corrosivo e às vezes falo mal. Mas sou eficaz"





Nota: as minhas desculpas pela fraca edição que é devida à falta de tempo. É por isso que a presente entrevista, dada ao semanário Expresso, só hoje é publicada e a justificação também por falta de referência à actualidade do clube.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Leaks, mentiras e kits

O aparecimento do site Football Leaks parecia tratar-se de um terramoto no futebol português mas não passa afinal de uma arma de precisão com disparos declaradamente dirigidos para atingir e prejudicar o Sporting. Julgo que qualquer Sportinguista já percebeu a gravidade do momento e está preocupado com as consequências. Eu estou, pelo que já vi e pelo que receio ainda nos esteja reservado.

Há no entanto uma importante reflexão que ainda não vi ser feita em lado nenhum. Vejo muita gente a apontar a origem, respondendo à pergunta "quem foi?" e como devemos retaliar, mas a ignorar algo que nos deve preocupar muito mais: "como é que isto foi possível?". É essa a pergunta que mais cedo ou mais tarde vai ter que ser respondida aos sócios do Sporting porque lhes é inteiramente devida.

Não haverá propriamente nenhuma novidade em afirmar que o Sporting tem muitos inimigos, que fazem tudo o que está ao seu alcance para que o nosso percurso desportivo seja o mais árduo possível. Eu não tenho dúvidas nenhumas disso, há décadas que é assim e a estratégia seguida actualmente não nos aumentou o rol de amigos, antes pelo contrário. Daí que a possibilidade de haver individuos ou organizações a querer fazer-nos a cama é tão vasta como real.

A novidade aqui é que pela primeira vez o clube é devassado até ao âmago, indo muito além da excessiva transparência com que, no passado, determinados assuntos do foro interno do clube apareciam na praça pública de forma quase recorrente. Fica a dúvida se o clube se preparou devidamente para todas as possibilidades de retaliação que a sua estratégia fazia adivinhar.

Sabe-se já que o Sporting decidiu comunicar às autoridades competentes aquilo que parece configurar um ataque de espionagem por parte de terceiros. Ao fazê-lo e não negar a autenticidade dos documentos, o Sporting está a admitir tacitamente que aqueles são verdadeiros, o que acentua a gravidade do que está a suceder.

Aqui chegados concluo que a mera comunicação às autoridades é claramente insuficiente. Embora a as possibilidades da origem dos documentos não se esgotem na pista interna, é mais que óbvia a necessidade de um rigoroso apuramento interno de responsabilidades (que não deverá assemelhar-se de nenhuma forma a uma caça às bruxas) mas sobretudo da eficácia da sua organização. Não apenas para perceber o que sucedeu, mas também para prevenir que situações semelhantes ocorram no futuro. 
- Como está organizado o seu departamento administrativos e financeiros e que práticas são aí exercidas?
- Como está organizado o sistema informático do clube?Existe a possibilidade de estarmos na presença de um ataque externo?
- Existe a possibilidade de estarmos na presença de um "inside job"?
- A quem como e onde estão entregues a documentação, especialmente aquela cuja importância e sigilo são cruciais para a organização do seu negócio?
- O Sporting tem consultadorias e fornecedores externos a quem pedir responsabilidade nesta área e são todos de reputação e idoneidade à prova de bala?
Os danos reputacionais para a entidade Sporting, que não é apenas o clube do nosso coração mas detém também o seu principal activo, a SAD, cotada em bolsa, são dolorosos e poderão repercutir-se por muito tempo, afectando a sua actividade. Mais do que a minudência que alguns documentos encerram, terá sido essa a principal intenção que levou à publicação, não tenho dúvidas.  

Mas algumas revelações lançam muitas dúvidas também sobre a proficiência da nossa organização.
- A proposta à Qatar Airways é amadora quer no conteúdo quer na forma. Como é possível fazê-la recorrendo ao envio de um email e não através de uma delegação ao mais alto nível?
- A mesma dúvida sobre a transparência/coerência/verdade da informação que é disponibilizada aos sócios. É verdade que a relação com o Recreativo de Caala está nos relatórios mas carece de outras explicações, até pelo percurso seguido relativamente aos fundos e empresários. Que me importa a mim que seja o Caala ou o Pin Zahavi a intermediar um jogador, desde o negócio e o jogador sejam bons para o clube?
- Idem para o processo a Marco Silva. Era preciso ir tão longe na desconstrução do carácter do treinador, para o despedir, para agora se saber o que se sabe?
Parece que a divulgação do caso dos kits de oferta com que o SLB brinda as equipas de arbitragem foi a resposta encontrada. Isto quer dizer a guerra que o clube da Luz empreendeu contra o Sporting por não ter tido o engenho de conservar o seu antigo treinador, que ainda por cima até desdenhou, sofreu uma escalada. Desejo apenas que o clube esteja preparado para o caminho que decidiu fazer, o que não é de todo claro sem que sejam dadas as respostas adequadas às perguntas efectuadas acima.

Quanto à matéria dos kits propriamente dita, não me surpreende. É um costume entendido como prática normal por partes dos clubes e só surpreenderá quem desconhece de todo o meio. A promiscuidade é no entanto evidente, se atendermos ao valor em causa. Mas daí ao salto até à corrupção parece-me excessivo. Mas ajuda a explicar porquê que, na dúvida, se decide em favor de uns contra os outros.

Isso mesmo me dizia há poucos dias um elemento ligado ao sector, com a maior cara de pau, assinale-se. E acrescentou: "vocês (Sporting) não dão nada de jeito, não contam para nada e ainda por cima são antipáticos, passam a vida a queixar-se". Independentemente da desfaçatez e falta de pudor, sem dúvida que precisamos de repensar a abordagem a esta matéria. Não tenho dúvidas que a matéria dos kits encerra a possibilidade de poder vir a representar uma factura a pagar num qualquer jogo. Aos árbitros e delegados atingidos por uma possível investigação (que os há...) vontade não faltará para o fazer...

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Prolongamento: quando o presidente vai ao circo



Ficamos a saber que o presidente que se ufana de trabalhar vinte e quatro horas por dia também tem tempo para ir ao circo. Sim, circo, porque não há outra palavra para definir um programa como o Prolongamento. O lamentável é não se ter ficado pela bancada, escolhendo descer à arena. Aí mergulhou na mesma lama onde paineleiros como os Guerras desta vida chafurdam. Como ficou claro, é impossível fazê-lo sem sair de lá tão embostelado como os que lá vivem.

É óbvio que o Sporting está sobre cerrado ataque - o Football Leaks é apenas um dos vários indícios, e que aqui falarei em breve - e era necessário fazer a defesa do clube, esclarecendo algumas matérias que estão a provocar sérios danos reputacionais ao clube.  É isto que torna indefensável a presença de Bruno de Carvallho num programa deste jaez, por se tratar de uma escolha voluntária,  quando as possibilidades de escolha dos locais e dos interlocutores eram vastas. Ele que aparentemente até ia bem preparado e documentado.

Como era expectável a gritaria e a boçalidade abafaram por completo a força dos argumentos, dando embaraço e pena tamanha falta de noção do ridículo de um espectáculo burlesco. Se a ideia de Bruno de Carvalho era demonstrar que conseguia ser tão mau como o Pedro Guerra, ao ponto de o embaraçar, então aí o programa pode ser considerado um sucesso pessoal.

São a forma e os meios que usamos que nos definem e distinguem. Ao contrário do exemplo dado por Bruno de Carvalho e do spin do momento, é possível fazer a defesa dos interesses do Sporting sem baixar o nome do clube ao nível a que ontem assistimos, expondo-o ao ridículo. Será muito difícil explicar, a alguém que veja o programa, que diferenças separam uma instituição centenária, com a nossa matriz identitária, de um grupo de arruaceiros que se juntam para uma suecada. 

Bruno de Carvalho pedia há dias na A.G., num apelo quase quixotesco,  que não o deixassem cair. Desta forma é ele que se atira para o chão, não precisa de inimigos, ele próprio se encarrega do seu próprio mal. Infelizmente à sua volta não parece haver ninguém capaz de lhe fazer o contraditório e o culto de personalidade que lhe é dedicado parece estar a tolher-lhe o raciocínio. O Sporting não é ele, é muito maior e mais importante, por muito que ele se esforce por confundir. Ontem pode ter ganho ao Pedro Guerra mas o Sporting perdeu quase em toda a linha.

domingo, 4 de outubro de 2015

Vitória e por maioria absoluta

A superioridade do Sporting hoje foi tal que se pode dizer que triunfou em toda a linha. O resultado é disso retrato fiel, o que nem sempre acontece num jogo de futebol. Esse aspecto talvez seja o melhor a destacar neste jogo de sentido único. Ao contrário do que tantas vezes acontece, o Sporting aproveitou desde muito cedo as fraquezas do adversário, não lhe permitindo qualquer veleidade, construindo um resultado sólido com segurança. Desta forma coloca-se na melhor posição possível para o próximo jogo que é não mais nem menos que o derby. Infelizmente terá que decorrer quase um mês para que este tenha lugar.

Do ponto de vista individual o destaque óbvio para o hat-trick de Slimani, a boa prestação de João Mário num lugar pouco habitual bem como a boa prestação consecutiva de Tobias Figueiredo à direita, aparentando alguma estabilização emocional imprescindível. 

sábado, 3 de outubro de 2015

Sporting mandou Carrillo embora?!

Quando, hoje de manhã,vi difundida a noticia que o Sporting tinha proposto,no quadro das negociações de um novo contrato, uma cláusula de oitenta milhões de euros pensei que o pior vinha aí. Nenhum jogador, ou qualquer outro trabalhador, com procura no mercado, aceitaria tal cláusula que representa ficar amarrado à vontade de outrem, quando a faltam apenas dois meses para poder escolher uma das muitas ofertas que deve ter em carteira. Se a noticia for verdadeira revela total inabilidade e desconhecimento da realidade por parte de quem propõe. Equivale a convidar o jogador a não assinar e a mandá-lo embora, só faltando oferecer-lhe serviço de consultadoria para escolher novo clube, casa, etc.

Como várias vezes aqui disse o Sporting, para ser bem sucedido na renovação do contrato com o jogador, teria que ter uma noção realista sobre a sua frágil posição neste processo: não tendo tido ou não tendo conseguido prevenir o problema atempadamente restava-lhe a possibilidade de remediar, procurando circunscrever as perdas. Para tal precisaria de negociar e não de impor, sem ter obviamente que aceitar tudo, mas reconhecendo com naturalidade a possibilidade de o jogador não estar interessado em permanecer.

Para tal o Sporting teria que reconhecer ao jogador a possibilidade de, no final do ano, poder escolher um novo clube, se assim o entendesse ou, caso pretendesse permanecer, assegurar-lhe que a remuneração era adequada às suas ambições e à importância na equipa. Não sei o que correu mal mas tenho sérias dúvidas que tal tenha sucedido. Suspender agora o jogador e instaurar-lhe um processo porque o jogador não aceitou as condições oferecidas é uma admissão de impotência para resolver o caso. 

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Sporting tem o cérebro, mas ainda falta o tronco e alguns membros

No final do último jogo do campeonato, no Bessa, Jorge Jesus apontou a falta de criatividade como uma das causas para o insucesso no resultado. Quem viu o jogo só pode ser levado a concordar com ele. Se é verdade que a equipa se empenhou em ganhar o jogo até ao apito final do árbitro, não o é menos reconhecer que faltaram as melhores ideias para contrariar o autocarro boavisteiro. A admissão de Jorge Jesus parece-me encerrar um excelente motivo de reflexão. Reconhecendo-lhe razão, como foi feito no parágrafo precedente, vale a pena tentar descodificar o que ela encerra.
 
A conclusão óbvia
Muitos perceberam na afirmação uma referência subliminar (ou nem por isso), à ausência de Carrillo. Não o posso afirmar, porque não estou na cabeça de Jesus, mas a conclusão é quase obrigatória. Percebeu-se, desde o inicio de época, quer nas palavras quer no papel que lhe foi atribuído, que Carrillo era um elemento preponderante na estratégia do treinador, pelo que a sua ausência teria que ter consequências na estratégia do treinador e na resposta da equipa. 

Conclusão geral retirada de um momento em particular
Para lá de tudo o que se possa dizer - e muito tem sido dito - sobre problema que opõe o clube ao seu empregado, do ponto de vista estritamente futebolístico Carrillo faria sempre falta. Não sendo uma comparação de valor entre os jogadores, a sua ausência está para o Sporting como estaria a de Gaitan para o SLB ou de Brahimi para o FCP. Os poucos jogos até agora efectuados sobre o comando de Jesus mostravam um jogador cada vez mais solto e confiante, desempenhando com acerto funções mais alargadas do que as que lhe haviam sido confiadas nos dois anos anteriores. O problema torna-se mais agudo porque não há no plantel quem o possa substituir no papel que Jesus lhe havia talhado.

Só por doses maciças de muito boa vontade, que até pode reverter em desfavor do jogador, se pode considerar que Gélson faz o lugar. O que os jogos mais recentes têm feito é desmentir esses assomos de voluntarismo de opinião. Isto não é negar o talento do miúdo, é considerar apenas que o jogador tem ainda muito que crescer, desde a compreensão do jogo até a atributos físicos "treináveis" como os diferentes tipos de força, a agilidade, a velocidade, etc. Isto não esquecendo que as características dos jogadores diferem entre si e que a idade ainda mais acentua. No fim de contas é o mesmo que considerar que Gélson irá agora começar a trilhar o mesmo caminho que fez Carrillo quando, com dezoito anos, chegou do Peru.

Para o lugar até agora desempenhado por Carrillo talvez João Mário ou Mané possam ter características mais indicadas para  função. Mas é preciso não esquecer que não estamos a falar de uma mera substituição de peças numa linha de montagem. É preciso refazer algumas das dinâmicas colectivas entretanto treinadas, sendo igualmente necessário dar tempo a que os jogadores absorvam os novos conceitos que as funções a desempenhar obrigam.

Uma conclusão preocupante I

O que é possível concluir desde já é que os problemas que a ausência de Carrillo tem colocado não estavam previstos e que estes se vêm juntar a outros que já pareciam existir. Isto é, se a ausência do peruano agrava os problemas relacionados com a criatividade e imprevisibilidade na criação do nosso jogo ofensivo, estes vêm-se juntar a outro que aos poucos se ia destapando a cada jogo efectuado: o da eficácia na hora de concretizar.

Os últimos dois jogos talvez tenham servido como dolorosa ilustração da afirmação efectuada no parágrafo anterior. Mas, olhando para generalidade dos jogos até agora realizados, o que se verifica são precisamente resultados tangenciais, entrecortados por dois empates. A excepção foi o jogo em Coimbra e a posição da Académica na tabela diz muito o quão relativa deva ser a consideração a ter em conta. O nosso jogo ofensivo e sobretudo a capacidade concretizadora está a representar um sério problema para a nossas ambições.

Uma conclusão preocupante II
A frase de Jesus soa a confissão de impotência em alterar o rumo dos acontecimentos no Bessa. Tive a oportunidade de ver Jesus de perto, em zonas habitualmente vedadas ao grande público, e os danos provocados pelas incidências da partida eram bem visíveis no semblante carregado do treinador e na forma "caída" como abandonou a conferência de imprensa a caminho dos balneários.

Não duvido da qualidade profissional de Jesus. Não gosto de falar de forma absoluta, mas dizer que é o melhor treinador a treinar em Portugal, podendo até mesmo ser o melhor de todos, não é propriamente escandaloso. Tem quanto a mim, entres os candidatos ao título, o modelo melhor preparado para lá chegar e seria muito mais fácil para ele, com o plantel do FCP ou SLB, sê-lo. Muito mais difícil será sê-lo no Sporting. 

Foi também muito por essa excelência que o Sporting contratou Jesus, julgo. Falta saber se ela é suficiente para desfazer a diferença de recursos. Acredito nessa possibilidade, mas não deixo de considerar que esperava algumas diferenças na sua actuação. Especialmente nas escolhas individuais e de posicionamento. Logo no inicio de época pareceu-me precipitadas as dispensas de Walyson e Iuri. Hoje, olhando para a produção real, (não do potencial obviamente) de Aquilani, a dúvida acentua-se.

Para não especular com os que já cá não moram diria ainda que o treinador não pode estar à espera de uma solução individual nascida de inspiração momentânea, ignorando a importância do colectivo. E aí, com os jogadores que tem à disposição parece-me que as soluções ainda não estão esgotadas. Por exemplo, não me querendo substituir ao treinador, não deixo de pensar que, no que Jorge Jesus treina e põe a jogar, Montero ofereceria outra continuidade ao jogo que Slimani não pode.

No entanto, nenhum dos três-pontas-de-lança oferece a Jesus o melhor que Vitória e Lopetegui possuem. Muito do nosso crescimento como candidatos terá que passar inevitavelmente pela construção de maior número de oportunidades que se adequem aos nossos números de eficácia. Se as ideias do “cérebro” são boas, há que convir que o corpo e os membros necessitam ainda de muito crescimento.

Uma pequena nota adicional: a importância do hábito

Discordo em absoluto das análises que concluem pela falta de empenho e garra da equipa para explicar os resultados. Isto é negar a natureza mais comum dos jogadores que é gostar e ganhar até a feijões e é negação que resulta dos próprios factos. Uma equipa sem garra não teria chegado a alguns resultados obtidos quase no final dos jogos. A garra e o querer são condições básicas, sem as quais não vale a pena sequer calçar as botas. Mas já incluiria nas causas do falhanço do ataque à liderança no Bessa o hábito de estar neste momentos a importância da preparação psicológica para estes momentos. Isso também se treina mas apenas em ambiente real e, como sabemos, grande parte dos nossos jogadores não têm sido testados ao nível a que estão a jogar agora.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Besiktas - Sporting: Tricky Teo

O Sporting fez um jogo globalmente positivo sem no entanto ter conseguido que o resultado tivesse igual significado. Um dos pontos mais positivos a realçar deve ser o facto de Jesus ter mudado mais de meia-equipa e esta ter respondido, especialmente na primeira parte. O lado negativo foi o desperdicio de várias oportunidades consecutivas que acabaram por resultar na perda de dois pontos. Falhas que se pagam caro a qualquer nível competitivo, mesmo que a disputa envolva adversários de nível colectivo e individual menor que o nosso. Ao nível das competições europeias, com equipas recheadas de bons executantes, como é o caso do Besiktas, que nos é inferior colectivamente, é fatal.

Falar em falhas é falar em Teo Gutierrez. Seguramente que não foi por se exibir ao nível que vem fazendo no Sporting que se tornou titular numa equipa como a do seu país natal, sentando nomes como Jackson. Mas, até para proteger o jogador, talvez fosse bom deixá-lo descansar uns tempos. O Sporting acumula assim dois jogos consecutivos a exibir problemas na criação de oportunidades e na eficácia, ficando assim explicadas as razões de dois empates consecutivos.

Muito interessante e prometedor foi ver William, que vai fazer muito mais do que fez hoje, com Aquilani e Ruiz. Com eles o nosso jogo pede muito mais pé que Slimani pode oferecer pelo me pareceria natural a inclusão de Montero para o nosso jogo subir uns degraus. Saliência para a estreia de Matheus, que pode fazer muito mais. O mesmo se aplica a Mané e a Gélson, a revelarem os problemas naturais da juventude nos grandes palcos. Aliás, não me parece que JJ tivesse sido muito feliz a fazer as substituições. 

É um pouco injusto para JJ afirmar que deixou em segundo plano as competições europeias, especialmente quando pôs a equipa a jogar para ganhar. Mas, depois da queda na Liga Europa ainda mais se justifica a orientação das prioridades para as competições internas. Não me preocupa por isso excessivamente o apuramento para a fase seguinte da competição, mas é evidente que o Sporting tem um estatuto a defender e como representante de Portugal na competição, a obrigação de contribuir com pontos para o ranking de clubes. Um ponto apenas para já em seis possíveis é pouco e por isso a obrigação de ganhar torna-se agora maior.

Shadowplay - jogo de sombras



Dando continuidade a esta faceta mais investigativa actualmente em vigor no futebol português e após aturadas e intensas pesquisas (no facebook, claro), o “ANorte”, que não é menos que o Rascord, está em condições de assegurar que descobriu info altamente classificada sobre o perigoso grupo apontado durante o discurso presidencial do passado domingo a que se convencionou denominar por, e passo a citar, “governo sombra”, nomeadamente o seu hino:

"Shadowplay", na sua versão mais moderna dos The Killers, nome bem mais cáustico e ameaçador para a segurança do actual CD leonino, do que o da banda que originalmente criou o tema, os Joy Division, que, relembre-se, deve a sua inspiração a uma divisão de prazer (com mulheres judias aprisionadas) criada para usufruto exclusivo das mais altas patentes oficiais das SS nazis. Tem tudo a ver, portanto. Não bastava serem feios e maus, tinham que ser uns javardolas, quer na ideologia politica quer no comportamento social que assumem. Estes tipos são beras com’ó caraças e devem ser alvo de acérrima e imparável perseguição, bem como de julgamento sumário seguido de execução, após captura… Até porque, garantimos, a angariação de novos elementos e meios está em curso e em fase de enorme aceleração. Há pois que acabar com este horrendo movimento à nascença, antes que o terror se dissemine pela grande nação leonina.

Uma dica para identificação destes perigosos dissidentes: diz que marcham desenfreadamente, com ar alucinado e de uma forma desengonçada, reproduzindo a dança inspiradora do seu querido líder, Ian Curtis, carismático vocalista dos Joy Division e um infame e devasso traidor que, vejam bem, andava com duas gajas em simultâneo! Tinha dois amores portanto, uma loira e outra morena… Esse facto levou a que o grupo fundador dos seis ainda considerasse a hipótese de adoptar como hino a famosa canção do cantautor luso Marco Paulo, com a vantagem da letra ser em português e não em estrangeiro, mas, dadas as características nada pimbas do actual CD, tiveram de abortar a ideia.

Sportinguistas, daqui segue o nosso mais encarecido apelo: caso vejam alguém deslocar-se nessa marcha desenfreada a caminho duma qualquer AG, escondam-se, protejam-se, mas não deixem de alertar imediatamente as nossas autoridades anti-motim ou, melhor, anti-terrorista (que isto é malta com quem estamos habituados a lidar e inclusivamente já temos historial de combate).


Obrigado e saudações leoninas. Segue vídeo para melhor ilustrar como se deve identificar os terríveis ‘sombristas’ (ver aos 0’27’’ e aos 2’29’’e aos 2’36’’, arre… e aos 3’14’’e aos 3’28’’ e, ufa, aos 3’53’’… como se pode notar este vídeo é deveras elucidativo):



Nota: escusam de nos questionar como e a quem conseguimos resgatar tão importante e relevante informação porque não revelamos as nossas fontes. Bem sabemos que está fora de moda, mas, por aqui, seguimos o código ético e deontológico que deve imperar sobre toda a actividade pasquineira, com especial cuidado no jornalismo de investigação. Pronto, ok… não insistam mais, contratamos um hacker (o gajo que faz o MR. ROBOT, conhecem?) e furamos as barreiras de protecção ao site “Football leaks”.

---
Virgílio escreve segundo o novo acordo ortográfico da língua portuguesa, ou então na antiga ortografia, é ao calhas… Acima de tudo e à semelhança do Bruno, gosta de rigor, coerência, exigência e transparência.E jamais dá um erro ortográfico (ou factual… ou de outro tipo qualquer, vá). Se identificarem qualquer erro no artigo acima exposto, caluda… se não chamo um 'sombrista' amigo para vos assombrar no FB. Ups…


Sporting Clube de Portugal

Sporting Clube de Portugal

Prémios

Sporting 160 - Podcast

Os mais lidos no último mês

Blog Roll

Leitores em linha


Seguidores

Número de visitas

Free HTML Counters

Ultimos comentários

Blog Archive

Temas

"a gaiola da luz" (1) 10A (1) 111 anos (1) 1ª volta Liga Zon/Sagres 10/11 (3) 2010-2011 (1) 2016 (1) 8 (4) AAS (7) ABC (3) Abrantes Mendes (3) Academia (16) Académica-SCP (1) adeptos (94) Adrien (19) AdT (1) adversários (82) AFLisboa (2) AG (19) Alan Ruiz (2) Alexander Ellis (1) alma leonina (59) ambição (10) andebol (34) André Geraldes (2) André Marques (2) André Martins (6) André Pinto (1) André Santos (5) anestesia (3) angulo (5) aniversário "A Norte" (3) Aniversário SCP (4) antevisão (41) APAF (12) aplausos ao ruben porquê? (2) Aquilani (1) aquisições (85) aquisições 2013/14 (16) aquisições 2014/15 (18) aquisições 2015/16 (17) aquisições 2016/17 (10) aquisições 2017/18 (5) arbitragem (93) Associação de Basquetebol (6) ataque (1) Atitude (9) Atletico Madrid (1) Atlético Madrid (1) atletismo (6) auditoria (4) autismo (1) AVB és um palhaço (1) aventureiro (1) Bacelar Gouveia (2) Balakov (1) balanço (5) Baldé (4) balneário (3) banca (2) Barcos (3) Bas Dost (3) Bastidores (70) Batota (18) Battaglia (1) Beira-Mar (2) Belenenses (4) Benfica (1) BES (1) bilhetes (2) binários (1) Boal (1) Boateng (1) Boeck (2) Bojinov (7) Bolsa (2) Borússia Dortmund (1) Boulahrouz (2) Brasil (1) Braz da Silva (8) Brondby (4) Bruma (18) Bruno Carvalho (100) Bruno César (3) Bruno de Carvalho (9) Bruno Martins (20) Bryan Ruiz (5) Bubakar (1) BwinCup (1) cadeiras verdes (1) Cadete (1) Caicedo (5) calendário (2) Câmara Municipal de Lisboa (3) Campbell (2) Campeões (2) campeonato nacional (21) campeonatos europeus atletismo (2) Cândido de Oliveira (1) Caneira (2) Cape Town Cup (3) Capel (4) carlos barbosa (4) Carlos Barbosa da Cruz (2) Carlos Carvalhal (5) Carlos Freitas (7) Carlos Padrão (1) Carlos Severino (4) Carriço (6) Carrillo (10) Carrilo (3) carvalhal (30) Caso Cardinal (1) Casos (6) CD Liga (3) Cedric (7) Cervi (3) CFDIndependente (1) Champions League 2014/15 (9) Champions League 2015/16 (5) Chapecoense (1) CHEGA (1) Ciani (1) Ciclismo (3) CL 14/15 (2) Claques (9) clássicos (8) Coates (4) Coentrão (1) Coerência (1) colónia (1) comissões (2) competência (2) comunicação (68) Comunicação Social (21) Consciência (1) Conselho Leonino (2) contratações (6) COP (1) Coreia do Norte (1) Corradi (1) corrupção no futebol português (2) Cosme Damião (1) Costa do Marfim (3) Costinha (45) Couceiro (13) crápulas (1) credores (1) crise 2012/13 (21) Crise 2014/15 (2) Cristiano Ronaldo (1) cronica (3) crónica (15) cultura (4) curva Sporting (1) Damas (3) Daniel Sampaio (3) debate (5) defesa dos interesses do SCP (7) Del Horno (1) delegações (1) depressão (1) Derby (42) Derby 2016/17 (1) derlei (1) Desespero (1) Despedida (2) despertar (3) dia do leão (1) Dias da Cunha (1) Dias Ferreira (6) Diogo Salomão (4) director desportivo (18) director geral (5) direitos televisivos (4) Dirigentes (28) disciplina (6) dispensas (22) dispensas 2015/16 (1) dispensas 2016/17 (2) dispensas 2017/18 (1) djaló (10) Domingos (29) Doumbia (1) Doyen (4) Duarte Gomes (2) Ecletismo (60) Eduardo Barroso (6) Eduardo Sá Ferreira (2) eleições (19) eleições2011 (56) eleições2013 (26) eleições2017 (9) Elias (5) eliminação (1) empresários (11) empréstimo obrigacionista (3) entrevistas (63) Épico (1) época 09/10 (51) época 10/11 (28) época 11/12 (8) época 12/13 (11) época 13/14 (4) época 14/15 (8) época 15/16 (5) época 16/17 (7) época 17/18 (1) EquipaB (17) equipamentos (12) Eric Dier (8) Esperança (4) estabilidade (1) Estádio José de Alvalade (4) Estado da Nação (1) estatutos (6) Estórias do futebol português (4) estratégia desportiva (104) Estrutura (1) Euro2012 (6) Euro2016 (1) Europeu2012 (1) eusébio (2) Evaldo (3) Ewerton (4) exigência (2) expectativas (1) expulsão de GL (1) factos (1) Fafe (1) Fair-play (1) farto de Paulo Bento (5) fcp (12) FCPorto (9) Fernando Fernandes (1) FIFA (2) Figuras (1) filiais (1) final (1) final four (1) finalização (1) Finanças (24) fiorentina (1) Football Leaks (2) Formação (89) FPF (14) Francis Obikwelu (1) Francisco Geraldes (2) Frio (1) fundação aragão pinto (3) Fundação Sporting (1) fundos (14) futebol (9) futebol feminino (1) futebol formação (1) futebol internacional (1) Futre (1) Futre és um palhaço (4) futsal (23) futsal 10/11 (1) futuro (8) gabriel almeida (1) Gala Honoris Sporting (3) galeria de imortais (28) Gamebox (2) Gauld (5) Gelson (1) Gent (1) geração academia (1) Gestão despotiva (2) gestores de topo (10) Gilberto Borges (2) GL (2) glória (5) glorias (4) Godinho Lopes (27) Gomes Pereira (1) Governo Sombra (1) Gralha (1) Gratidão (1) Grimi (4) Grupo (1) Guerra Civil (2) guimarães (1) Guy Roux (1) Hacking (1) Heerenveen (3) Hildebrand (1) História (18) Holdimo (1) homenagem (5) Hóquei em Patins (7) Hugo Malcato (113) Hugo Viana (1) Humor (1) i (1) Identidade (11) Idolos (3) II aniversário (1) Ilori (4) imagem (1) imprensa (12) Inácio (5) incompetência (7) Insua (2) internacionais (2) inverno (2) investidores (3) Iordanov (6) Irene Palma (1) Iuri Medeiros (1) Izmailov (26) Jaime Marta Soares (3) Jamor (3) Janeiro (1) Jardel (2) jaula (3) JEB (44) JEB demite-se (5) JEB és uma vergonha (5) JEB rua (1) JEBardadas (3) JEBardice (2) Jefferson (3) Jeffren (5) Jesualdo Ferreira (14) JJ (1) JL (3) Joana Ramos (1) João Benedito (1) João Mário (6) João Morais (5) João Pereira (6) João Pina (3) João Rocha (3) Joaquim Agostinho (2) joelneto (2) Jogo de Apresentação (1) Jorge Jesus (44) Jorge Mendes (3) José Alvalade (1) José Cardinal (2) José Couceiro (1) José Eduardo Bettencourt (33) José Travassos (1) JPDB (1) Jubas (1) judo (6) Juniores (7) JVL (105) kickboxing (1) Kwidzyn (1) Labyad (7) Lazio (1) LC (1) Leão de Alvalade (496) Leão Transmontano (62) Leonardo Jardim (11) Liderança (1) Liedson (28) Liga 14/15 (35) Liga de Clubes (12) liga dos campeões (12) Liga dos Campeões 2016/17 (11) Liga dos Campeões 2017/18 (7) Liga Europa (33) Liga Europa 11/12 (33) Liga Europa 12/13 (9) Liga Europa 13/14 (1) Liga Europa 14/15 (1) Liga Europa 15/16 (11) Liga Europa10/11 (16) Liga NOS 15/16 (30) Liga NOS 16/17 (22) Liga NOS 17/18 (3) Liga Sagres (30) Liga Zon/Sagres 10/11 (37) Liga Zon/Sagres 11/12 (38) Liga Zon/Sagres 12/13 (28) Liga Zon/Sagres 13/14 (24) Lille (1) LMGM (68) losango (1) Lourenço (1) low cost (1) Luis Aguiar (2) Luis Duque (9) Luís Martins (1) Madeira SAD (4) Malcolm Allison (1) Mandela (2) Mané (3) Maniche (4) Manifesto (3) Manolo Vidal (2) Manuel Fernandes (7) Marca (1) Marcelo Boeck (1) Marco Silva (27) Maritimo (2) Marítimo (3) Markovic (1) Matheus Oliveira (1) Matheus Pereira (3) Mati (1) matías fernandez (8) Matias Perez (1) Mauricio (3) Meli (1) Memória (10) mentiras (1) mercado (41) Meszaros (1) Miguel Lopes (1) miséria de dirigentes (2) mística (3) Modalidades (25) modelo (3) Moniz Pereira (7) Montero (7) Moutinho (3) Mundial2010 (9) Mundial2014 (3) Mundo Sporting (1) Nacional (1) Naide Gomes (2) Naldo (3) naming (2) Nani (3) Natal (4) Naval (3) Navegadores (3) negócios lesa-SCP (2) NextGen Series (3) Noite Europeia (1) nonsense (23) Nordsjaelland (1) NOS (1) Notas de Imprensa (1) notáveis (1) nucleos (1) Núcleos (9) Nuno André Coelho (2) Nuno Dias (3) Nuno Saraiva (4) Nuno Valente (1) o (1) O Roquetismo (8) Oceano (1) Octávio (1) Olhanense (1) Olivedesportos (1) Onyewu (7) onze ideal (1) opinião (6) oportunistas (1) orçamento (3) orçamento clube 15/16 (1) organização (1) orgulho leonino (17) Oriol Rosell (3) paineleiros (15) Paiva dos Santos (2) paixão (3) papagaios (8) pára-quedista (1) parceria (2) pascoa 2010 (1) pasquins (7) património (2) patrocínios (5) Paulinho (1) paulo bento (19) Paulo Faria (1) Paulo Oliveira (3) Paulo Sérgio (43) paulocristovão (1) Pavilhão (11) pedrada (1) Pedro Baltazar (8) Pedro Barbosa (5) Pedro Madeira Rodrigues (3) Pedro Mendes (4) Pedro Silva (2) Pereirinha (6) Peyroteo (2) Piccini (1) Pini Zahavi (2) Pinto Souto (1) plantel (31) plantel 17/18 (3) play-off (2) play-off Liga dos Campeões 17/18 (5) PMAG (3) Podence (1) Polga (5) Pongolle (5) Pontos de vista (15) por amor à camisola (3) post conjunto (5) Postiga (7) PPC (7) Pranjic (2) pré-época (2) pré-época 10/11 (7) pré-época 11/12 (43) pré-época 12/13 (16) pré-época 13/14 (16) pré-época 14/15 (22) pré-época 15/16 (20) pré-época 16/17 (12) pré-época 17/18 (9) prémio (1) prémios stromp (1) presidente (4) Projecto BdC (1) projecto Roquette (2) promessas (3) prospecção (2) Providência Cautelar. Impugnação (1) PS (1) Quo vadis Sporting? (1) Rabiu Ibrahim (2) râguebi (1) raiva (1) RD Slovan (1) reacção (1) redes sociais (1) Reestruturação financeira (17) reflexãoleonina (21) reforços (15) regras (4) regulamentos (1) Relatório e Contas (11) relva (10) relvado sintético (4) remunerações (1) Renato Neto (3) Renato Sanches (1) respeito (7) resultados (1) revisão estatutária (5) Ribas (2) Ribeiro Telles (4) Ricardo Peres (1) Ricciardi (2) ridiculo (1) ridículo (2) Rinaudo (8) Rio Ave (2) Rita Figueira (1) rivais (6) Rodriguez (2) Rojo (4) Ronaldo (12) rtp (1) Rúbio (4) Rui Patricio (18) Rui Patrício (4) Sá Pinto (31) SAD (25) Salema (1) Sarr (4) Schelotto (2) Schmeichel (2) scouting (1) SCP (64) Segurança (1) Selecção Nacional (38) seleccionador nacional (5) Semedo (1) SerSporting (1) Shikabala (2) Silly Season2017/18 (2) Símbolos Leoninos (3) Sinama Pongolle (1) Sistema (4) site do SCP (3) SJPF (1) Slavchev (1) slb (21) Slimani (11) Soares Franco (1) sócios (16) Sócrates (1) Solar do Norte (14) Sondagens (1) sorteio (3) Sousa Cintra (1) Sp. Braga (2) Sp. Horta (1) Spalvis (2) Sporting Clube de Paris (1) Sporting160 (1) Sportinguismo (2) sportinguistas notáveis (2) SportTv (1) Stijn Schaars (4) Stojkovic (3) Sunil Chhetri (1) Supertaça (3) sustentabilidade financeira (40) Taça CERS (1) Taça Challenge (5) taça da liga (11) Taça da Liga 10/11 (7) Taça da Liga 11/12 (3) Taça da Liga 13/14 (3) Taça da Liga 14/15 (2) Taça da Liga 15/16 (4) Taça da Liga 16/17 (1) Taça da Liga 17/18 (1) Taça das Taças (1) Taça de Honra (1) Taça de Liga 13/14 (3) Taça de Portugal (12) Taça de Portugal 10/11 (3) Taça de Portugal 10/11 Futsal (1) Taça de Portugal 11/12 (12) Taça de Portugal 13/14 (3) Taça de Portugal 14/15 (8) Taça de Portugal 15/16 (4) Taça de Portugal 16/17 (4) Taça de Portugal 17/18 (2) táctica (1) Tales (2) Tanaka (1) Ténis de Mesa (2) Teo Gutierrez (5) Tertúlia Leonina (3) Tiago (3) Tonel (2) Torneio Guadiana 13/14 (1) Torneio New York Challenge (4) Torsiglieri (4) Tottenham (1) trabalho (1) transferências (5) transmissões (1) treinador (90) treino (4) treinos em Alvalade (1) troféu 5 violinos (5) TV Sporting (5) Twente (2) Tziu (1) uefa futsal cup (4) Uvini (1) Valdés. (3) Valores (14) Veloso (5) vendas (8) vendas 2013/14 (2) vendas 2014/15 (1) vendas 2016/17 (5) vendas 2017/18 (1) Ventspils (2) Vercauteren (5) Vergonha (7) video-arbitro (5) Villas Boas (8) Viola (1) Virgílio (98) Virgílio1 (1) Vitor Golas (1) Vitor Pereira (6) Vitória (1) VMOC (7) Vox Pop (2) VSC (3) Vukcevic (10) WAG´s (1) William Carvalho (13) Wilson Eduardo (2) Wolfswinkel (12) Wrestling (1) Xandão (4) Xistra (3) Zapater (2) Zeegelaar (2) Zezinho (1)