terça-feira, 31 de maio de 2011

Quanto vale Moreno? E André Martins?

Ao que se diz hoje a transferência de Moreno para o Sporting parece ter emperrado - as informações são contraditórias - no momento em que se começou a discutir o ordenado do jogador. Fala-se em diferenças de verbas entre os 200 mil e os 100 mil, com o jogador a pretender 600 mil euros anuais. Ora se tivermos em atenção que Pastore, uma das estrelas deste defeso, aufere precisamente aquele valor no Palermo quer-me parecer que o Sporting precisa de avaliar bem a relação custo/beneficio desta contratação. Isto mesmo tendo em atenção da desvantagem que os clubes portugueses têm na hora de ir ao mercado, face aos seus concorrentes internacionais.

Vi com insuficiente atenção o jogo da selecção sub-21 onde André Martins e Wilson Eduardo foram estrelas de primeira água. Infelizmente o comentário televisivo ficou pela nota de destaque ao avançado e esqueceram-se de quem foi o autor dos passes, ao primeiro toque, que deram olhos que permitiram à bola descobrir W. Eduardo entre os "armários" alemães. Vejam que vale a pena. 

Não sei se estes 2 jogadores farão parte do próximo plantel e não me parece que nenhum deles possa entrar de caras na equipa. Mal conheço André Martins e do que vi do ano passado de Eduardo não lhe faria mal rodar mais um ano onde se possa afirmar, jogando mais. Mas vi o suficiente para me permitir concluir que há ali qualidade para acalentar a esperança de podermos contar com eles nos próximos anos.

Porque grandes há muitos...

Na sequência do falecimento de Manuel Brito, cujo funeral se realiza hoje, no momento em que este post é colocado, publicamos um artigo de alguém que teve oportunidade de o conhecer em vida. Sendo uma noticia triste é também a oportunidade para reflectirmos sobre o Mundo Sporting, o legado dos seus símbolos e a forma como os devemos lembrar. Porque só morre quem é esquecido. Obrigado JhTomas

O LADO B DO DESPORTO ou a GRANDEZA de um grande...


...realçando, de antemão, a enorme honra que é corresponder à solicitação de escrevinhar algo para este espaço que [para alguns, surpreendentemente], combina futebol [e não só] com qualidade, elevação e inteligência.

A partida, prematura, de mais um ENORME CAMPEÃO do nosso SPORTING, Manuel Brito, figura que eu desde miúdo praticante da modalidade, até mais tarde jovem treinador opositor, aprendi a respeitar, admirar e apontar como exemplo, leva-me a repescar alguns valores [uns perdidos, outros convertidos], que normalmente são secundarizados, mas que, queiram ou não, são a aura que transmite a GRANDEZA a um grande! Sim, porque nem todos os grandes possuem essa GRANDEZA...

Percebendo que, há 20 ou 30 anos, todo o enquadramento social e as dinâmicas da sociedade se regiam por impulsos muito diferentes dos actuais [nem melhores, nem piores... apenas diferentes], percebendo que da história há que retirar as suas lições e preservar a sua memória e não impor a sua repetição, torna-se, no entanto, possível e recomendável dela extrair os bons exemplos e fazê-los repercutir no tempo presente. Dito isto, recordo que atletas como o Manuel Brito, não eram ["apenas"] jogadores de andebol, eram jogadores do SPORTING!! Quando estávamos perante eles, não víamos apenas o atleta ou o homem, víamos o clube.

Eu sei, que hoje a realidade é bem diversa, quiçá para melhor [não é essa a discussão de momento], será completamente redutor e ineficaz escrever que tudo se deveria fazer para recuperar essa mística [a famosa mística]. Ela, hoje, não faz sentido, se pensarmos numa perspectiva lata. Mas o que fará certamente todo o sentido é realçar, distinguir, enaltecer e discriminar positivamente todos os casos onde ela exista; onde se verifique mais do que o a competência técnica, o profissionalismo e a disciplina obrigatórias para qualquer ATLETA. Sempre que se comprove, um comportamento superior, uma identificação dos valores do clube, uma comunicação cuidada e de pensamento colectivo, uma promoção positiva da marca SPORTING, sempre que um atleta "grite" golo com o coração [mais do que com uma coreografia estilizada]...

Existe uma corrente que defende uma sociedade que se construa não só na condenação de quem errado faz mas também [e acima de tudo], na valoração e reconhecimento de quem exemplarmente executa! Eu comungo dessa visão em muitos casos.

Tudo isto me leva a pensar, o que poderá [e deverá] fazer o SPORTING para enaltecer e promover estes valores, para distinguir os que constroem a GRANDEZA deste clube, para além das habituais homenagens "Post Mortem"...

Penso que algo semelhante a um Wall of Fame, ou um conceito tipo "Passeio das Estrelas" seria interessante, como factor distintivo do mérito alcançado. Não um Monumento estático e escondido ao "atleta entretanto desaparecido", mas sim algo interventivo com o espaço comum e de directa interacção com os Sportinguistas. Quiçá algum elemento decorativo ou de construção do novo pavilhão? Ou as cadeiras de uma bancada? Os azulejos de uma zona nobre? Ou as árvores de uma zona de jardim? Aliás, seria interessante fazermos em conjunto uma lista de soluções para uma ideia como esta. [Por ex gostei da atribuição do nome Vitor Damas a uma baliza de Alvalade, embora falte a promoção constante até a designação vingar]

Nessa "Montra de Leões" de elevada excepção, de difícil e rigorosíssimo acesso [ex: um nome para ser aprovado teria que passar pelo crivo de uma maioria qualificada de 2/3 no Conselho Leonino] deveriam caber atletas, dirigentes, funcionários, sócios e figuras que de forma inequívoca tivessem correspondido aos valores supra identificados, de forma constante, durante um período temporal considerável [de acordo com a função].

Nunca esquecendo a complementar aplicação nas novas plataformas de comunicação, dando, assim, a conhecer ao mundo a riqueza humana de um grande clube, detentor de uma GRANDEZA incomparável!! 
 
Porque grandes há muitos...
 
jhtomaz (nosso leitor "tz")

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Duas oportunidades que devemos aproveitar

Muito se falou durante a campanha eleitoral da necessidade da criação de uma equipa B ou de um clube satélite. Essa ideia tem agora duas boas oportunidades com a subida do Atlético ou com a manutenção do Sporting da Covilhã. Um porque é quase vizinho e outro porque é uma das nossas filiais e que ainda por cima nada lucrou com a sua súbita "andradização". Têm a palavra os dirigentes do Sporting. O Cantinho do Morais também hoje se referiu ao assunto. Havia também abordado o assunto aqui e aqui.


Tirar o futuro das mãos do destino
São jogadores como Baldé que justificam a criação de um verdadeiro projecto de formação no Sporting que complemente o que se vai fazendo em Alcochete e que, ao nível do futebol, é o que ainda nos vai mantendo em contacto com o desígnio de sermos pelo menos tão bons como os melhores. Atirar o futuro ao destino, que é ao fim e ao cabo o que vimos fazendo, está longe de ser solução. Neste momento e neste contexto fazemos pior que o FCP há muito tempo e provavelmente que o SLB, que entregou a um treinador conhecedor como Rui Vitória a afirmação de 2 dos seus valores mais promissores. Esse projecto complementar, que deveria ser acarinhado por todos como o verdadeiro investimento, poderia passar pela formação de uma equipa B, que aqui já defendi, mas que tem na Bancada Nova (que entretanto “regressou”) as melhores justificações

Mas a solução da equipa B, talvez a ideal, não é única. A criação de um protocolo de longo prazo, devidamente planeado, com um clube da periferia de Lisboa,  por razões de proximidade, já dotado de boas infra-estruturas, seria uma solução a considerar no sentido de fornecer o estágio que tanto falta faz aos jogadores saídos da formação. Um estágio que lhes dê continuidade à formação continuando a jogar.  Um protocolo não nos moldes em que já foi anteriormente efectuado com o Lourinhanense, ou recentemente com o Real Massamá. Por norma estes acordos começam por falhar ao não ser bem acolhidos nos adeptos locais, por parecer que o clube grande apenas quer do mais pequeno uma barriga de aluguer e, uma vez consumado o parto, pouco ou nada reverte a favor do “parturiente”.

Sabemos bem que grande parte dos pequenos clubes da periferia de Lisboa sobrevive de forma dramática, submergidos em problemas financeiros. Que, apesar de registarmos uma situação semelhante, por comparação com os nossos, são muitas vezes verdadeiros “peanuts”. Para tornar apelativo um protocolo nos termos sugeridos o Sporting deveria e poderia oferecer contrapartidas, como por exemplo o atractivo económico de uma percentagem simbólica do passe dos atletas que passassem pelo clube parceiro. Veja-se que 0,5% do passe de Veloso teria rendido ao Olivais e Moscavide 40.000 euros. Quase uma insignificância para nós e uma verdadeira fortuna para o clube, que, à beira do seu centenário, enfrenta agora a extinção por problemas financeiros.

Um protocolo assim teria obviamente que passar pela escolha criteriosa das equipas técnicas e poderia ser também um braço da formação feita na Academia Sporting, onde, muitas vezes, jogadores de qualidade, vêem a sua afirmação interrompida pelas contingências habituais na vida de um jovem futebolística, que vão das lesões às “dores de crescimento” dos adolescentes. Poderia servir igualmente de instituto de formação de jogadores com qualidades para se tornarem treinadores, prolongando assim uma ligação proveitosa para ambos, clube e jogadores. Abel, jogador a quem é apontada capacidade de liderança no balneário e licenciado em educação física, poderia encontrar aqui uma solução conveniente para ambas as partes e que a prorrogação do seu vínculo como futebolista já não permite divisar.

Fazer primeiro, fazer diferente, fazer melhor
Fazer diferente, fazer melhor e fazer primeiro que a concorrência seria com certeza a melhor forma de anular as vantagens dos rivais. A aposta na formação tanto tem servido de bandeira quando as coisas correm bem e como de desculpa quando correm mal, mas tarda em ser assumida não com a resignação de que nada mais ou melhor pode ser feito, mas como uma medida estratégica, capaz de voltar a por o Sporting nos eixos. Hoje o nosso clube é tão conhecido por produzir bons jogadores, por descobrir e burilar talentos como por os desperdiçar. (...)

No meu entender o que se tem anunciado como uma aposta na formação tem sido o triunfo e afirmação dos jovens de Alcochete sobre jogadores com outro estatuto, contratados para serem titulares. A verdadeira aposta na formação nunca foi feita a sério no Sporting e nunca será feita sem que se dê continuidade à qualidade do trabalho desenvolvido em Alcochete no momento em que os jogadores se tornam seniores. Ao contrário do FCPorto, que nem faz da formação a sua maior aposta, o Sporting não acompanha de perto o crescimento dos seus jogadores, nem do ponto de vista técnico nem sequer do ponto de vista afectivo. Os que não conseguem o acesso à equipa principal, a grande maioria, além de deixados à sua sorte, não lhes vêm abertas grandes possibilidades de "estagiar" em equipas com projectos ambiciosos, estáveis ou pelo menos bem dirigidas do ponto de vista técnico.

Será que os Sportinguistas não se interrogam porque são os nossos jogadores dos melhores até aos júniores e depois são relegados para suplentes, ao contrário dos seus congéneres portistas, p.ex.? Nesta fase crucial do seu crescimento, e perante a inactividade, é aqui que perdemos o contacto com muitos dos jogadores que ouvimos depois falar. Mesmo não se tratando de grandes talentos, são bons jogadores que nos poderiam ser úteis em campo e na tesouraria, por serem tão bons ou melhores do que os que nos custam muito a pagar.

Orçamento, Domingos e objectivos

(imagem retirada daqui)


Depois de anos a fio a ouvir sempre a mesma ladaínha acerca do orçamento, com muitos Sportinguistas a abraçarem-na e a utilizarem-na como justificação para quase tudo, esquecendo-se - assim como a Direcção - que formamos jogadores pelos quais os nossos rivais pagam milhões lá fora, e desde o ano passado cá dentro, eis que, um pouco por toda a parte, os elogios à contratação do Domingos se sucedem e se baseiam num ponto: o de conseguir extrair o melhor de cada jogador e com os meios à disposição, superar as expectativas. No fundo, aquilo que sempre se pretendeu e que o tal discurso servia para escamotear.

Depois de duas épocas miseráveis, que nunca poderão nem deverão ser esquecidas, é necessário que a próxima seja o início de um virar de página. Seremos claramente "outsiders" na próxima época no que ao título diz respeito, o que não significa que abdiquemos dessa luta. Poderá até ser uma posição confortável para uma época que se pretende completamente distinta das duas últimas.

Ninguém exigirá a Domingos a conquista do título já para a próxima época mas sim que apresente trabalho, um onze base e futebol. Chegámos a um tal ponto em que a mera presença destes três factores, servirão para catalogar a próxima época como positiva. Adiante.

Tenho visto muitos Sportinguistas entusiasmados com a vinda de Domingos e ainda bem. Confesso que a mim não me entusiasmou por aí além mas o que é importante, é que para muitos, a sua contratação é o suficiente para voltarem a ir ao estádio, pagar quotas e gameboxes, etc.

Estamos adormecidos, envoltos numa letargia que dura já há demasiado tempo, e precisamos de voltar a mostrar a nossa força, principalmente no nosso estádio. Para que os Duarte Gomes desta vida, pensem duas vezes antes de tomarem certas atitudes.

No meu caso, considero que foi dado um passo em frente, no que à questão do treinador diz respeito. Deixámo-nos de experiências, de ver se "será este o próximo Mourinho?" e optámos por um treinador que tem vindo a construir uma carreira sólida e em ascensão, com resultados tremendamente meritórios, principalmente no Sp. Braga.

Começam a chegar os reforços - que espero que o sejam mesmo - e se uns podem ser vistos numa perspectiva de médio-longo prazo como Carrillo, outros serão para o imediato, como Rodríguez. Tenho pena que não seja dada uma oportunidade ao Adrien na pré-época mas espero que uma época na qual possa jogar regularmente, num campeonato competitivo e perto de Portugal, lhe permita demonstrar que tem capacidade para jogar no SCP.

Quero voltar a seguir entusiasmado o futebol, sentir a ansiedade e o nervoso miudinho próprio de um derby ou clássico, na expectativa que o fim de semana chegue - e por fim de semana entenda-se de 6ª a 2ª (obrigado Oliveirinhas...) - para poder assistir a mais um jogo do SCP, ao invés de fazê-lo quase como uma obrigação, sabendo que me enervarei muito mais do que desfrutarei do jogo.

Esse será para mim, o primeiro objectivo que Domingos terá que alcançar. O título virá a seguir.

domingo, 29 de maio de 2011

O Senhor Manuel


Foto: Record - Jogo de Homenagem a Manuel Brito

Nasci no seio de uma família metade-sportinguista e metade-belenenses. Alem de um primo ter sido campeão nacional nas camadas jovens pelo popular Encarnação e a minha mãe também ter praticado a modalidade, muitos dos passeios que os meus pais davam enquanto ainda namoravam eram ao pavilhão do Campo de Ourique ou ao Palácio dos Desportos para assistir aos derbies do andebol lisboeta. Talvez venha dai a razão de eu ter o “bichinho” do andebol – o tal que me levou a cometer a “proeza” de viajar ate a Kwidzyn - Polónia no ano passado.

Na minha juventude, muitas foram as historias que ouvi sobre Luis Hernani, Jose Manuel, Espadinha, Bessone Basto, Carlos Castanheira e Manuel Brito. Uma das mais curiosas remonta a uma partida em Campo de Ourique, onde um vizinho dos meus avos e fervoroso “pastel” reage a um golo de Manuel Brito com a expressão “Oh cabeça de gelo, podias ter morto o meu filho na guerra em África!”. Lá em casa, quando se falava em andebol, quase sempre a conversa ia parar a esta expressão.

Em 1998, assisti com atenção a Final-Four da Taça de Portugal em Andebol. Uma equipa talentosa batia ABC e FC Porto alcançando a vitória final com grande mérito depois de todo o esforço e garra apresentados em campo. Nessa altura, dizia-me o meu pai: “Os jogadores estiveram em campo com uma entrega enorme, tal como o Brito se apresentava em todos os jogos.”. Entusiasmado com esta conquista, decidi iniciar (finalmente) o meu percurso pelo andebol.

Treze anos por este desporto e toda a gente com quem falei sempre me transmitiu o mesmo
“Manuel Joaquim e’ uma jóia de pessoa.” E quando tive a oportunidade de o falar com ele uns anos mais tarde, comprovei efectivamente o que contavam.

Sem nunca o ter visto jogar, Manuel Brito sempre foi um exemplo e uma referência para a minha pessoa. Todos me falavam bem dele, o seu palmares falava por si e a forma como sempre serviu o Sporting quando este necessitou, tornaram-no num ídolo para um jovem andebolista.

Aquando de uma pequena homenagem que decidi fazer a Carlos Ferreira, falei com o “Senhor Manuel” e não consegui esconder as minhas emoções. Do outro lado da linha, o Senhor Manuel falou-me com o seu ‘a vontade característico e amigável “Malcato, somos todos leões, não tenhas vergonha de falar”. Eu, caçula, a falar com um mestre da minha “arte” vacilei e ele estendeu-me a mão. Inclusive, recordava-se vagamente do senhor que lhe dera o apelido de "cabeça de gelo".

Foi Manuel Brito das pessoas que mais me incentivou a iniciar a minha pesquisa pelo histórico do andebol leonino e varias foram as suas palavras de apoio quando falei na possibilidade de voltar a jogar andebol, desta feita nos campeonatos do INATEL. Quando estava na Polónia, recordo-me da mensagem que recebi “Força Malcato, grita ai’ por eles!”. Uma serie de momentos que jamais esquecerei…

Ontem, partiu aquele que terá’ sido o meu primeiro ídolo de adolescência e de paixão leonina. Foi um grande atleta, um verdadeiro campeão, um exemplo de dedicação e empenho e uma inspiração para os mais jovens.

Incontornavelmente, uma das maiores figuras do andebol nacional e uma referência do Sporting Clube de Portugal.

Ate’ sempre Senhor Manuel!

sábado, 28 de maio de 2011

Sporting de luto, morreu um campeão

Foto Tesouro Verde
No Site do Sporting:

Faleceu esta manhã, dia 28 de Maio de 2011, Manuel Joaquim Brito, ex-atleta e treinador do andebol «leonino». Manuel Brito iniciou-se no Sporting no ano de 1965/66, onde permaneceu durante 30 anos (20 na condições de jogador e 10 como treinador).

Era um atleta de nível elevado, tinha uma técnica acima da média e ocupou vários posições no campo. Apenas lhe faltou ter sido guarda-redes. Fez parte da grande equipa de andebol do Sporting que conquistou um penta campeonato e que ficou conhecida como "Os Sete Magníficos".

Considerado como um dos melhores jogadores de sempre do andebol português, Manuel Brito representou a selecção nacional das quinas por 57 vezes, participando, entre outras competições, em dois Campeonatos do Mundo e nos Jogos Luso-Brasileiros, conquistados pelo Sporting.

No seu curriculo contabilizavam-se dois títulos de Campeão Regional e três de Campeão Nacional de Andebol de onze; foi também três vezes Campeão Regional, 13 Campeão Nacional, vencedor de 8 Taças de Portugal em andebol de sete e conquistou ainda uma Supertaça.

Como treinador Manuel Brito orientou durante vários anos os escalões de formação de andebol do Clube de Alvalade, tendo sido Campeão Nacional de Juvenis (1984/85), Campeão Nacional de Juniores (1996/97) e vencedor da Taça Nacional de Juniores (1997/98). Manuel Brito assumiu ainda por três vezes o comando técnico da equipa principal «leonina». Nos últimos anos deixou o clube de Alvalade para treinar o Boa-Hora, Caselas, TAP e Benfica.

Da sua vida fazem parte algumas distinções. Manuel Brito recebeu vários galardões, entre eles, o Prémio Stromp, em 1977, a Medalha de Mérito do Sporting, a Menção de Honra do Comité Olímpico de Portugal e o Prémio Rugidos de Leão.

Manuel Brito completava 63 anos no dia 4 de Dezembro. Nasceu em São Vicente (Cabo Verde) em 1948. O seu corpo vai estar na próxima segunda-feira na Igreja Nossa Senhora do Cabo, em Linda-a-Velha (próxima do Pingo Doce) e o funeral está previsto realizar-se no dia seguinte, pelas 10h00.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Rodriguez 4 anos no Sporting (actualizado)

A Rádio Renascença dá como certo Rodriguez por 4 anos e Moreno por 3 anos. A apresentação do central deverá ocorrer ainda hoje, segundo a mesma fonte.

Aqui fica a apreciação a Rodriguez, retirada daqui, onde o artigo pode ser lido na íntegra:

"Rodriguez é um excelente central. As suas características, nomeadamente a forma concentrada como actua, o cuidado que empresta às coberturas defensivas, a sua capacidade de jogar com num bloco intermédio ou alto, fazem de Rodriguez um dos melhores centrais a jogar em Portugal. À sua frente, apenas Luisão e DC3, para já parece-me mais sólido que Otamendi (que erra com muita frequência) e só o tempo dirá se é melhor que AP4 (sendo certo que é mais rápido e me parece mais capaz de jogar com uma linha defensiva subida).


O maior problema de Rodriguez, razão que seguramente terá impedido a sua transferência para outros clubes mais cedo (à imagem do que acontecera com outros centrais de clubes de 2ª linha em Portugal, como Geromel), é a sua propensão para lesões musculares. Rodriguez torna-se um central caro pelo tempo que passa na enfermaria, com frequência 50% da temporada, o que obriga o seu clube a dispor de uma alternativa de semelhante capacidade. A isso acresce o facto do trabalho das duplas de centrais ser profundamente relacional, havendo duplas que se complementam melhor do que outras, sendo as suas lesões um obstáculo à criação dos automatismos necessários.

Mas excluindo as suas lesões, Rodriguez é um central de top: sendo relativamente veloz, faz da rapidez de raciocínio a sua melhor (e mais eficaz) arma para desarmar adversários, porque é um jogador inteligente, é capaz de antecipar os movimentos dos seus adversários assim lhe permitindo manter a coerência posicional e jogar em zonas mais adiantadas, porque quando está fisicamente apto raramente é ultrapassado em situações de 1x1 defensivo (quer em força, quer em técnica ou velocidade – nunca me esquecerei da forma como, há alguns anos, Rodriguez foi imperial a controlar Ronaldo o ‘Fenómeno’ nunca cedendo às suas acelerações que eram mortais para qualquer defesa) e porque alia à sua inteligência uma enorme (pelo menos aparente) capacidade emocional, jogando com a tranquilidade e frieza que os momentos de jogo exigem.

Entradas e saídas: a porta já gira

Dayro Moreno parece ser a próxima aquisição para o ataque do Sporting. Idolatrado no Once-Caldas, e que os brasileiros apelidaram de "Neymar colombiano", é um jogador de 25 anos que no seu trajecto tem já 2 experiências com pouco sucesso no estrangeiro. Uma no Brasil, no At. Paranaense em 2007, e outra por 3 épocas no Steua de Bucareste, entre 2007 e 2010. Considerado um enfant-terrible, com gosto pela vida nocturna, parece ter acalmado após mudar do clube dos solteiros para os casados. Declarações entretanto tornadas públicas dão conta que o jogador procura agora a afirmação definitiva. Moreno é um descrito como um avançado móvel, que pode jogar quer ao centro, quer sobre as alas e que "deixa a pele em campo". 

Fabian Rinaudo teve uma actuação muito elogiada na sua chamada à selecção argentina. Do pouco que vi parece-me um cromo repetido na nossa colecção, o que implicará provavelmente saídas. Surpreende-me que a opção de Domingos não seja por um perfil mais próximo de Vandinho.

Rui Fonte foi adquirido em definitivo pelo Español de Barcelona, por 2 anos, dando assim sequência ao seu percurso nos "periquitos" de Mauricio Pochetino, que após o ter ido buscar à equipa B, lhe foi dando minutos de confiança na 1ª equipa. Percurso a seguir com atenção. Boa sorte Rui.

Pereirinha e Adrien parecem não dispor de espaço no Sporting de Domingos, não deixando de me intrigar que nem sequer mereçam observação por parte do treinador. Quanto a mim são 2 jovens valores que o Sporting deve manter com ligação ao clube e que na última época acabaram abandonados à sua sorte que, por sinal, não foi muita. Fala-se agora do empréstimo de ambos à Académica ou Marítimo. Pereirinha tem apenas mais um ano de contrato. Ambos são agenciados por Pina Zahavi...

Quem está de saída ou apenas de mudança de cadeira é Pedro Mil-Homens. A retirada da responsabilidade da Academia e a proposta da gestão do projecto internacional das academias assemelha-se a uma  "reforma dourada"que não creio que venha a aceitar. Com muitos anticorpos juntos dos adeptos pela sua origem benfiquista, a sua partida significa o fim de uma era. Do meu ponto de vista espero que esta mudança radique em critérios bem claros da procura da eficiência e não mera operação de cosmética.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Miguel Fabuloso!

Excerto de uma entrevista que Miguel Veloso ao site "Relvado":

"Não aceitaria jogar no Benfica ou no FC Porto! O meu clube é o Sporting e é lá que um dia gostaria de voltar a jogar. Não para já, porque não pretendo regressar a Portugal por agora, mas quero terminar a carreira no Sporting".

Diria mais: uma chapada de luva VERDE para muitos Sportinguistas que, diga-se, bem se esforçaram para a merecer!




Paulão por El Mudo? Mais vale ficar calado...

Como a questão da altura será provavelmente suscitada nos comentários lembro que o SCBraga foi o ano passado a defesa menos batida do campeonato, com 20 golos e com a dupla de referência Moisés e Rodriguez com 1,83m e 1,82 respectivamente.

As noticias contraditórias sobre o central peruano, que o dão desde como provável na Luz até ao "esfriamento" do interesse do Sporting poderão muito bem estar relacionadas com a disputa entre empresários? É que aparentemente Hélio Casareto terá negociado com o Sporting, empresário de Rodriguez e Carrillo,  e o SCBraga, via Jorge Mendes, tenta a sua chance. 

Do meu ponto de vista o Sporting perderá muito com a troca. Paulão é um central igual a muitos outros, pese o bom final de época registado. Rodriguez seria a solução para o lado esquerdo do centro da defesa, há muito tempo carenciado. E, ao contrário de outros que venham de outras bandas, Rodriguez tem tudo para pegar de estaca.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Três aquisições imprescindíveis para Domingos

Muito se fala das futuras contratações do Sporting e não faltam nem  diagnósticos das posições mais carenciadas nem propostas de craques.  Deixo aqui as aquisições que considero  imprescindíveis para o sucesso de Domingos e de todos nós. Um defesa, um médio e um atacante.

Ao enunciar como aquisições dou como claro que se tratam de valores que infelizmente nos têm faltado, alguns deles de há anos a esta parte. Mas, ao contrário de qualquer argentino, sueco ou brasileiro para os adquirir não precisamos de despender somas avultadas. Por outro lado, e infelizmente para nós, não estão à venda nem há dinheiro que os compre. Temos de ser nós, sportinguistas, como força colectiva, cada um executando o papel que lhe compete, que temos que saber erigir quase pedra por pedra cada uma destas aquisições.

Estabilidade
É a base do sucesso de qualquer projecto e, sendo uma aquisição imprescindível, tivemos já amostras bem recentes que continua a estar aqui o primeiro ponto de fragilidade do que queremos que seja o novo Sporting. No seu lugar está instalado há anos, em particular os últimos 2, o sobressalto e o estado de permanente alvoroço em que o clube vive.

A ausência de estabilidade tem sido essencialmente um problema de liderança, mas não só. Os maus resultados substituíram o ânimo optimista pelo derrotismo e isso sente-se também entre nós, seja nos blogues, seja nas conversas de rua e café, seja em Alvalade. É aqui que o problema é mais agudo, uma vez que o nervosismo escorre como uma substância viscosa até ao relvado, tolhendo os jogadores. Não será só pela incompetência técnico-táctica que obtivemos este ano dos piores resultados de sempre em Alvalade.

Quando me refiro à estabilidade não posso esquecer que nos últimos anos muito tem sido o corrupio de directores, treinadores e jogadores, obstando assim à criação de valor e saber. O Sporting parece por vezes um clube de “aprendizes de feiticeiros” em praticamente todas as áreas e isso sente-se e paga-se. Estabilidade emocional e de liderança seria uma aquisição indispensável, tão importante como ter uma defesa sólida.

Realismo
Tal como o meio-campo de uma equipa o realismo é o equilíbrio de um bom projecto. Face aos condicionalismos internos e os que nos rodeiam a próxima época devia ser encarada como uma época de transição. Vejamos porquê:

1- A conjuntura financeira, a que nos é exclusiva e a do resto do mundo, não nos é favorável. Nesse sentido mais do que uma revolução serão necessárias soluções de compromisso entre o possível e o desejável.

2- Da direcção à equipa técnica estamos a sair lentamente do ponto zero enquanto os nossos adversários mantêm os seus treinadores (pelo menos até ver…) e os corpos sociais. Aí o FCP parte para já à frente: tem dinheiro, tem identidade e uma auto-confiança reforçada.

3- Em nenhum momento o Sporting se pode esquecer que não controla nem tem poder nos meandros do futebol português e que isso é um sério handicap.

A primeira tarefa de Domingos será, do meu ponto de vista, devolver precisamente a identidade ao futebol do Sporting de forma a que os adeptos se revejam na equipa, coisa que não acontece há pelo menos 3 épocas.  O titulo não é uma miragem mas não creio que faça sentido fazer um “all-in” na época que se avizinha. Se ganhar o titulo é de importância crucial, reconstruir as bases para criar o hábito de ganhar também o é.

Ambição
Não há vitórias sem ataque e é aqui que deve entrar a ambição, que é perfeitamente compaginável com o realismo. Sem ele a ambição não passa, na maioria das vezes, de delírios inconsequentes. Não deixa de ser verdade que, talvez por coincidência, o Sporting, das 3 últimas vezes que foi campeão foi-o com treinadores acabados de chegar. Por isso não há razões para não crer e não querer ganhar.

Olhando para os seus principais adversários o Sporting terá as suas chances e terá que estar preparado para se valer delas. A primeira poderia começar logo com a saída de Villas Boas do FCP, obrigando PdC a procurar novo treinador. Por outro lado há que considerar que, mesmo mantendo AVB, será muito difícil ao FCP voltar a realizar a época perfeita. Nessas condições falta ver como reagem os adeptos e até o treinador à adversidade. E confesso que gosto, neste arrumar dos cestos, da euforia com que se fala na CL pelos lados do Dragão. Foi assim que começou o ano passado a via-sacra de Jesus, que este ano não tem margem para errar. Esse ambiente em torno do nosso rival dos lados do Colombo é, sem sombra de dúvidas, um aliado precioso.

Mas, mais do que a preocupação excessiva com o valor dos outros, temos que nos valer do que temos. Domingos não fará milagres, muito menos sozinho, mas já provou que as diferenças dos orçamentos podem ser atenuadas com organização e ambição. Num campeonato sem túneis até podia ser já hoje campeão.

Podia falar também em esperança mas aí somos campeões há anos sem conta. E em Paciência acabamos de nos reforçar.

O negócio Oriol Romeu (Barcelona) visto de perto

Romeu está já referenciado por grandes clubes europeus
Texto de Tiago Romeu, Sportinguista a viver na Catalunha, em colaboração com o "ANortedeAlvalade":

A confirmar-se o negócio do empréstimo de Oriol Romeu do FC Barcelona ao Sporting – e são várias a fontes em Portugal e na Catalunha a darem o negócio como mais que plausível – a minha primeira reacção não deixa de ser de desconcerto.

Salvaguardando as devidas distâncias,  uma das características que o projecto futebolístico do FC Barcelona e o do Sporting partilham é a de serem predominantemente clubes formadores mais do que compradores. Continuando a comparação, o resultado prático, em termos de política de empréstimos, é que o Sporting tende a emprestar jogadores em formação, normalmente no último escalão, enquanto o FC Barcelona contorna essa necessidade com a sua equipa B, um projecto que forma não só futebolistas como treinadores e que, beneficiando do ritmo competitivo da Segunda Liga espanhola, permite assegurar que jovens no último escalão da formação e nos primeiros anos de sénior compitam com regularidade num contexto competitivo semelhante ao de uma equipa da parte superior da tabela de uma liga média europeia, no mínimo.

Assim, se partimos do princípio que o Oriol Romeu não terá a titularidade assegurada, ainda que possa vir a ser titular ou a ganhá-la, é uma decisão estranha por parte do FC Barcelona, se prefere arriscar ter um jogador que preza e que tem futuro no clube (com quem renovou há menos de um ano face ao assédio de clubes como o Arsenal e que tem uma cláusula de rescisão de 30 milhões de euros) longe de casa num ambiente competitivo onde a regularidade que não teve na segunda parte da época não está assegurada. Acresce a isto o facto de um jogador, no FCB B, ter possibilidade de contar como recurso da primeira equipa e ser opção progressivamente (como de resto seria provável que tivesse passado se não se tivesse lesionado).

Do lado do Sporting, o que interessa, também parece uma opção desconcertante. Por vários motivos, o primeiro dos quais a natureza do negócio: se o FCB parece arriscar afastar de casa um jogador sem ter a certeza de que jogue e evolua, o Sporting incorre num duplo risco. Por um lado, se o jogador triunfar e conseguir de facto ter regularidade e uma boa prestação no ano de empréstimo, as possibilidades de que se possa manter no clube são escassas, para não dizer nulas (há uma pequena diferença entre ser o Rochemback em anos de Rexach e Van Gaal e ser o próximo Busquets e herdeiro simbólico do 4 de Milla e Guardiola em anos de… Guardiola). Por outro lado, se o jogador não triunfar, ainda que seja um negócio de baixo risco, o Sporting já terá enviado sinais negativos à formação (que um jogador de 20 anos internacional espanhol poderá ter mais oportunidades que um jogador de 20 anos internacional português e formado no clube) e afastado do plantel principal jogadores já formados e em quem investiu, confiou e moldou, como por exemplo Adrien Silva.

Deixando de lado os riscos, Oriol Romeu pode ser resumido como um médio centro defensivo, de recuperação de bolas e de contenção, que jogaria ou de pivot defensivo num 4-3-3 ou com outro médio centro num esquema de 4-2-3-1. É um jogador a meio caminho entre o antigo 4 do Barça (o que vestiu Milla primeiro e Guardiola depois e que funcionava, no esquema de Cruyff, como o enlace com os médios interiores e à frente do central) e o 6 do Barça de Rijkaard, o Sérgio Busquets ou o Yaya Touré. Ainda que mais próximo desta posição do que da primeira.

O Sporting tem aparentemente poucos jogadores que se possam dedicar unicamente a essas funções, neste momento:   Zapater, talvez Carriço ou Nuno André Coelho, e alguns jogadores que talvez pudessem desempenhar esse papel com bons resultados, como Pedro Mendes, André Santos ou Adrien Silva, se finalmente ficar no plantel. Nomeio apenas alguns exemplos, claro. Neste contexto, Oriol Romeu poderia trazer à equipa qualidades e características que neste momento não sobram mas ficariam por avaliar duas possibilidades:  se o mercado não poderia fornecer soluções com igual impacto presente mas com projecção de médio - longo prazo no clube; ou se o clube não encontraria entre os juniores de último ano e os seniores de primeiro e segundo ano uma solução que, mesmo com um potencial eventualmente menor, não merecesse, pelo retorno futuro, uma aposta já na presente temporada.

terça-feira, 24 de maio de 2011

"O Sporting é muito grande!"

"Estou aqui para ganhar. Deixem-me dizer que visitei o museu, e o Sporting é muito grande." Foi assim que Domingos começou a dirigir-se a todos os presentes no auditório Artur Agostinho, numa assistência mesclada de jornalistas e adeptos.

É precisamente por aí que começo a minha apreciação sobre o que tive oportunidade de ver na apresentação de Domingos. Imagino que seja difícil conter a curiosidade e o entusiasmo dos adeptos mas uma conferência de imprensa devia ser vedada a elementos estranhos à comunicação social para que os profissionais possam desenvolver sem constrangimentos o seu trabalho. O Sporting também aqui pode e deve marcar a diferença em relação aos demais.Esta observação ainda faz mais sentido se tivermos em conta que havia um evento preparado no relvado destinado aos adeptos em particular.

O ambiente na sala acabaria por condicionar quer as perguntas quer as respostas pelo que pouco haverá a assinalar para lá das palavras de circunstância.Não posso porém deixar passar em claro a falta de cuidado evidente na escolha dos adereços. A Juve Leo, por mais respeito que nos mereça, não é mais do que uma das claques do Sporting, mesmo que seja a mais antiga e mais numerosa. O apoio que dão e os sacrificios que farão não podem ser julgados por uma bitola diferente dos demais.

Mesmo correndo o risco de ser mal interpretado não posso deixar de ficar estas notas dissonantes com o ambiente de festa que se viveu hoje em Alvalade.

No mais, e tal como previa no post precendente, Domingos foi bem recebido, de forma até mais afectuosa que o próprio imaginaria nos seus sonhos mais optimistas. O pior que lhe desejo é que seja feliz e conserve o sorriso da primeira vez em Alvalade.

EM FRENTE SPORTING!!!

Desta vez Domingos já fez toda a auto-estrada A1

Depois dos episódios traumáticos ocorridos com Mourinho e Villas Boas, precedidos da não menos célebre e traumática inversão de marcha de Domingos, o Sporting prepara-se logo para celebrar contrato com o seu novo treinador, Domingos Paciência.

O primeiro efeito positivo desta contratação é visível na auto-estima dos Sportinguistas que, muitos deles, ainda meio incrédulos, se regozijam com a contratação de um treinado em clara rota ascensional que prefere o Sporting. É também uma forma de retomar um ponto de uma história subitamente interrompida, querendo-me parecer que Domingos nos poderá ser agora muito mais útil como treinador do que poderia ter sido como jogador, então já com 31 anos.

Se eu conheço bem a forma de estar dos Sportinguistas Domingos receberá logo um banho de multidão e a demonstração da generosidade que nos caracteriza. Se assim acontecer será uma excelente forma de iniciar um nova etapa na vida do nosso clube que seguramente não será sempre marcada pela festa que mais logo se espera. Será nessa altura que todos voltaremos a ser precisos e provavelmente muito mais do que hoje.

Como certamente estará a dizer o nosso amigo Hugo, lá onde o sol se levanta primeiro, EM FRENTE SPORTING!

“Nem com o onze do Barcelona o Sporting era campeão”

A frase é de Paulo Sérgio e foi ontem proferida na entrevista que concedeu à Sport TV a que assisti com alguma relutância. Paulo Sérgio representa o passado que, mesmo que muito recente, espero que não se volte a repetir em Alvalade. Esse foi o tempo em que qualquer um podia ser treinador do Sporting.

É óbvio que o treinador não foi o único culpado do descalabro da época passada que veio na continuidade do que havia sucedido na anterior. Mas Paulo Sérgio acabou por confirmar porque razão o seu perfil, mais do que o curriculum que o precedia, o desaconselhava como treinador de um clube como o Sporting. Ao longo do tempo em que foi treinador, e em especial na pré-época, foi um pau mandado nas mãos de Bettencourt e Costinha, deixando-os delapidar o valor que remanescia duma equipa que havia ganho alguns troféus e tinha estado perto de ser campeã. Como várias vezes aqui questionei o Sporting não se reforçou verdadeiramente, foi apenas preenchendo os lugares vagos. 

Com tudo isso juntou-se-lhe a incapacidade do treinador em criar mecanismos colectivos suficientes para poder pelo menos responder aos serviços mínimos. A forma como mudou consecutivamente os "onze" revelam impreparação e ausência de estratégia certamente originadas na instabilidade emocional que ontem ficou bem documentada. Com o 11 do Barcelona dificilmente seríamos campeões se o treinador fosse Paulo Sérgio.

Depois da entrevista em que ficou bem patente que para ele o problema resolvia-se sempre com mais jogadores pergunto-me se Paulo Sérgio já terá conseguido perceber como é que o Braga, com um plantel inferior ao nosso, quase era campeão o ano passado e fez a época que fez este ano, eliminando Sevilha, Liverpool, Dínamo de Kiev e SLB, tendo a meio do ano feito o downgrade do seu plantel. O Domingos que lhe explique.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Depois de alguma Paciência aí está Domingos

O Sporting emitiu um comunicado dando conta da contratação de Domingos para o lugar de treinador da sua equipa principal equipa de futebol. Ficam pendentes novos esclarecimentos, nomeadamente a duração do contrato, que se estimava ser de 2 anos mas que agora é avançado como sendo de apenas 1. (Mais 1 de opção?).

Certamente não faltarão oportunidades para falar de Domingos Paciência mas, numa primeira abordagem, não posso deixar de me congratular com a decisão. Dos treinadores portugueses disponíveis é a que me parece a melhor opção para devolver aos Sportinguistas a vontade de, numa primeira fase, voltarem a acreditar e, em consequência, voltarem a Alvalade.

Que domingos não perca o sorriso nem a sensatez que lhe é peculiar e que a sua carreira continue a registar ascendência que que a tem caracterizado desde o seu inicio. Depende dele e de também de nós. Boa Sorte Domingos!

Nem tudo está bem quando acaba bem

Quanto durará este abraço?
É com alguma relutância que volto ao tema da demissão de Luis Duque. Porque tenho dúvidas se remexer neste assunto prejudica mais do que ajuda o Sporting e porque foram já feitas as mais variadas análises sobre o tema. Saliento em particular a que foi feita na Bancada Nova, pelo elencar das diversas causas que podem estar ligadas a esta crise e pelo seu conteúdo, com o qual concordo na generalidade. E é baseado nela que aproveito para acrescentar alguns pontos de vista pessoais.

Jornalistas
Não sou dos que acho que esta é uma crise artificial criada pelos jornalistas. Ao contrário do que tem acontecido em anteriores ocasiões, esta não é uma noticia “criada em laboratório”, neste caso na redacção de “Abola”. A reacção do Sporting espelhada nos dois comunicados deixa isso bem claro: O Sporting “desconhecia oficialmente” a intenção de Luís Duque se demitir mas não a negou. Luis Duque não é suficientemente claro no seu comunicado, diz que “não se demite das suas responsabilidades”, mas não negou a noticia. Obviamente que se aquela não tivesse um fundo de verdade a reacção seria de outro teor, seguramente mais musculada. Por outro lado, não teria havido lugar a 2 comunicados – um deles, pasme-se!, dizendo que a SAD não conhece a posição oficial de um administrador – e outro de carácter individual.

O problema de ir a jogo com um Duque como trunfo
LD é apontado como o homem que sabe de futebol, que conhece os meandros e sabedor disso e da importância estratégica que a sua presença  que teve na eleição de Godinho parece ter resolvido esticar a corda, assumindo uma posição de força, com o intuito óbvio de marcar território. Desconheço em absoluto se os problemas vindos a público são reais, todos ou alguns deles, ( Couceiro, Mil Homens e Jean Paul, Interferências na gestão do futuro Plantel, Carlos Barbosa e a politica de comunicação ) mas não posso estar mais em desacordo com a forma encontrada pelo actual administrador para o futebol para os resolver. Digo isto porque me parece óbvio que a noticia difundida pela Travessa da Queimada saiu de LD ou de alguém que lhe era próximo e porque entendo que ao invés de resolver o que quer seja só parece ter complicado. 
 
Veremos que mossas ficaram desta sua actuação e que anti-corpos foram criados no actual CD. Mas vai ser impossível de apagar de imediato a dúvida sobre a indispensável coesão nos órgãos sociais e isso será tributado em diversas facturas. Seja no mercado, seja no já de si difícil contexto interno. Tido como trunfo pessoal, GL deverá saber avaliar bem o real valor do administrador e a sua fiabilidade.

Danos Colaterais
O principal perdedor é o clube por ver, mais uma vez, colar-se a si a imagem de instabilidade directiva que tem estado na origem de épocas consecutivas de fracasso. Ontem, tendo passado grande parte do dia num compromisso social, assisti à final da Taça de Portugal. Ante o descalabro machadês e perante uma plateia dividida maioritariamente entre portistas e benfiquistas, alguém dizia que a final seria melhor se disputada entre os grandes. Ao que alguém respondeu: com o Sporting? Esses não contam para nada, estes estão lá há quinze dias e já não se entendem. Resolvi não contestar, porque não é meu hábito discutir com desconhecidos, mas acima de tudo porque não estou convencido do contrário. O Sporting precisa de voltar a contar e tem que começar a ganhar primeiro a batalha da credibilidade, desde logo junto dos seus adeptos, e depois para o exterior, para assim se poder achar apto para ganhar guerras.

Quem ganhou afinal?
Não me parece possível retirar GL da lista dos que mais poderão ter ganho. Da mesma forma que seria evidente a sua fragilização se Duque desertasse. Mas pode também ter sido um sério aviso para a necessidade da existência de um organograma bem claro que evite colisões nas áreas de actuação e consequentes choques de personalidade. Ao contrário do que mais tenho lido, só vejo como um problema sério o facto de a actual direcção ser constituída por elementos com grande peso no clube e até na sociedade se não houver coordenação entre si. Prefiro isso a uma gestão autocrática e personalizada num único individuo.

Conclusões
Confesso não saber se o Sporting ganhou alguma coisa com este triste episódio, o que poderá ter acontecido se dele resultou alguma clarificação. Creio até que este foi o prenúncio de que LD não finalizará o seu mandato e que se terá encontrado por ora uma solução de compromisso, de forma a que o clube não seja prejudicado nesta fase crucial. LD, além da forma muito exclusivista que preconiza para gestão do futebol, é um homem de muitas solicitações e ambições, que não se esgotam no Sporting. E quer a actividade autárquica, quer um lugar na futura AR, quer a promessa de um futuro cargo na FPF são muito mais interessantes e exigem muito menos do ponto vista pessoal do que qualquer cargo no futebol do Sporting, ao contrário do que muita gente vai dizendo sem pensar.

domingo, 22 de maio de 2011

A Gaiola das Loucas

Dizer que a notícia da iminente demissão de Luís Duque é um murro no estômago dos Sportinguistas é capaz de pecar por defeito. Como adepto do Sporting estava – estou – preparado para enfrentar todo o tipo de dificuldades que se coloquem no caminho do clube, sejam elas de ordem financeira, da sempre difícil conjuntura que os meandros do futebol português impõe, seja pelo pesado lastro que nos constrange os erros cometidos no passado recente e remoto. 

O que para mim é inconcebível é que, mais uma vez, a procissão ainda nem no adro esteja e o nosso andor ameaça nem poder sair a tempo do seu inicio. E, quando finalmente estiver “preparado” para o fazer, prenuncia apresentar-se mais uma vez mal escorado e de remendos à vista. O resultado final, neste contexto, será o de sempre.

Tudo o que se conhece sobre o "episódio Duque" por ora não passa de especulação. Isso nota-se nas noticias contraditórias que a comunicação social difunde desde ontem. E aí é tremendamente frustrante que, mais uma vez o Sporting seja capa de jornais pelas piores razões. Se, para quem dirige o Sporting o clube, os sócios e adeptos fossem tão importantes como tão facilmente apregoam, certamente que nos poupariam a mais este vexame e à angústia de continuar a recear pelo futuro do Sporting. Ao invés, as noticias e os rumores apontam para que Alvalade faça lembrar a Gaiola das Loucas, comédia onde as surpresas se sucedem em catadupa e onde nada o que parece é.

Nesse sentido o Sporting assemelha-se um pouco ao momento que assola o País: atolado numa crise profunda e com uma agenda difícil para implementar, numa conjuntura terrivelmente adversa, entretemo-nos com divergências e antagonismos pessoais. É que, tal como aos portugueses, interessa pouco aos Sportinguistas as ambições pessoais ou colectivas desta ou daquela facção. O que nós queremos ver é, de uma vez por todas, os interesses do clube acima de qualquer outro.

Por ora deixo de fora o que representa para os profissionais com contrato e a contratar uma crise, ainda mais nesta altura. Mas recomendo a leitura das palavras de Abel, que, retratando a época passada, ameaçam permanecer actuais e até eternizarem-se.

P.S.- São episódios como este que acabam por fomentar o re-aparecimento daqueles que têm necessidade de arranjar desculpas para a sua própria incompetência, como é o caso do senhor que aparece hoje na 1ª do jornal a bola a dizer que o Sporting foi um passo atrás na sua carreira. Para o Sporting foi “apenas” o regresso ao tempo do Carlos Manuel, Cantatore e outros de estaleca semelhante.

sábado, 21 de maio de 2011

A bomba: só nos saem Duques

Segundo a Bola Luis Duque abandona os cargos que ocupa na SAD e no clube. Numa altura em que se planifica a próxima época este é o pior sinal que se pode dar para o exterior e para dentro do clube. Nem direito ao estado de graça que os tradicionais  primeiros 100 dias de governo tivemos. É caso para dizer e com toda a propriedade que só nos saem Duques!!!

Fabián Rinaudo, Polga e Abel

Fabián Rinaudo 
O médio argentino é mais um dos nomes adicionados à já extensa lista de jogadores pretendidos pelo Sporting. Ontem na Argentina era já dado como certo no Sporting, por uma verba a rondar os 750 mil Euros, por 50% do passe que pertence ao Gimnásio de La Plata. A outra metade pertence a um consórcio de empresários da qual faz parte Marcelo Simonian, que acumula a representação de alguns jogadores nossos conhecidos: Romagnoli, Grimi, Otamendi, James, etc. Foi precisamente durante a negociação do passe deste último que o ano passado Rinaudo foi dado com um pé no FCP. E ainda o ano passado o argentino era dado como alvo de clubes como Chelsea, Everton,Valência, Galatasaray, Juventus, Nápoles e Catânia. Se juntarmos a tudo isto - clubes com mais argumentos financeiros e o preço do jogador - o facto de Rinaudo estar convocado por Baptista para o próximo jogo da azul-celeste sou obrigado a olhar com muita cautela para esta noticia.O nome do Sporting é sempre um bom chamariz...
Nota: com os agredecimentos a @RuiMCB e @joaoqalves


Polga
Acredito que vá surpreender muita gente a noticia de hoje no Record sobre a pretensa vontade de Domingos em manter Polga no plantel. Se nos queremos reforçar a ideia subjacente é manter os melhores e procurarmos soluções que a esses acrescentem valor e concorrência. Carriço e Polga, numa época horrível, foram os melhores e, a menos que existam propostas vantajosas, são os candidatos naturais a ficarem.

Abel
Por falar em época horrível vale a pena dar atenção à entrevista de Abel ao site Relvado. Saliento alguns dos momentos imprescindíveis, mesmo que não sejam propriamente novidades:

"Ficar a 36 pontos do FC Porto foi vergonhoso e por isso é fácil pegar num pau e bater nos jogadores, uma vez que todos eles se desvalorizaram"

Lamenta que Paulo Sérgio lhe tenha "tirado o tapete" numa altura em que estava a jogar bem. "Saí da equipa no meu melhor momento, sem qualquer justificação. Custou-me muito... No entanto, tive de aceitar a decisão do mister".

"Foi a minha melhor época no Sporting, não em quantidade, mas em qualidade. Fiz três golos e quatro assistências e houve uma altura em que até se dizia que o Sporting só ganhava quando o Abel jogava"

"Eu com a idade que tenho [32 anos] ganhei a liberdade de dizer o que penso. O Sporting tem de ficar com os jogadores que querem continuar no Sporting. E o Liedson não queria ficar no Sporting. Às vezes defendem-se os jogadores quando não se deveria e outras vezes não se protegem os jogadores quando seria aconselhável. Ou seja, neste caso, o jogador em questão deveria ter sido exposto, para que as pessoas saibam a verdade"

"Liedson não estava motivado para continuar e por isso saiu quando tinha de sair".

"É uma temporada para ser lembrada, foi um desastre completo e não se podem cometer erros semelhantes. A verdade é que houve algumas pessoas que pensaram mais no eu do que no nós, isto sem querer desculpar o papel que os jogadores e a equipa técnica também tiveram nesta má época"

Críticas implícitas ao ex-presidente José Eduardo Bettencourt e ao antigo director desportivo Costinha? "Deixo essa questão no ar para as pessoas pensarem".

"Os jogadores também são responsáveis, sendo impensável que se sofram várias vezes três golos em casa [V. Guimarães, Naval e Paços de Ferreira]".

"As pessoas que entraram (nova direcção) trouxeram uma grande vontade de mudança e chamaram o público de volta. Numa altura em que a equipa de futebol até nem estava a ajudar, estiveram 35 mil pessoas no jogo com o Vitória de Setúbal, o que é sinal de um trabalho estrutural que tem de ser elogiado"

"Couceiro assumiu a equipa numa altura muito complicada e a verdade é que conseguiu alcançar o objectivo que restava, conservar o terceiro lugar. As coisas podiam ter "descambado", mas ele conseguiu aguentar o barco"

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Porque nunca mais é Domingo(s)

Algumas razões para o atraso na confirmação de Domingos como treinador do Sporting.

- O clube não pode comunicar num dia à CMVM que não efectuou a negociação com o treinador e passado poucos dias contradizer-se, mais ainda quando Domingos esteve ausente no estrangeiro quase toda a semana ou a preparar a final da Liga Europa. Quanto a mim esse deverá o principal entrave ao anúncio.

- Domingos ainda está contratualmente ligado ao SC Braga até ao final do mês de Junho. Assim o treinador está livre para assinar por qualquer clube qualquer contrato que comece após aquela data, mas não pode exercer funções. Desta feita  Sem a declaração pública de Salvador indicando que tem um novo treinador, que, tal como havíamos aqui aventado anteriormente, vai ser Leonardo Jardim, o Sporting provavelmente não dará a conhecer o seu novo treinador.

- O tempo acabará por impor o desfecho deste caso uma vez que o SCBraga acaba por ter mais urgência na clarificação do caso. O seu primeiro compromisso europeu a 28 de Julho, o que obrigará os arsenalistas a apresentarem-se ao trabalho com o novo treinador ainda em Junho, onde já não poderá estar Domingos.

- Segundo um dos jornais diários, António Salvador aguarda por um telefonema de Godinho Lopes e na volta pedir-lhe-à Nuno André Coelho, Pereirinha, Adrien e Carlos Saleiro.

- Obviamente que depois de todos os outros casos anteriores os Sportinguistas são, por hoje, os mais fiéis seguidores de S. Tomé: acreditarão apenas quando virem Domingos a entrar pela 10A. Até lá qualquer especulação lança o alvoroço e deixa em pânico as hostes leoninas. Mas venha ou não Domingos, e como me dizia hoje um amigo, a grande oportunidade já foi perdida o ano passado.

O negócio do século passa pelo Sporting

"O Xeque Mansour vai subir a parada por Cristiano Ronaldo até aos 180 milhões de euros. Proprietário do Manchester City oferece 17 milhões de euros por temporada ao internacional português, que aufere 10 milhões/ano no Real Madrid.

Ao Santiago Bernabéu chegaram já propostas de 100 e 150 milhões de euros por CR9. Foram ambas recusadas por Florentino Pérez. Nos próximos dias, noticia o diário
AS, uma outra chegará à mesa do presidente do Real, desta feita de 180 milhões, praticamente o dobro [96 milhões de euros] que o clube merengue pagou ao Manchester United, em 2009, para contratar Cristiano Ronaldo."

Ou seja, o Sporting recebeu em 2009 2,5 milhões pela transferência do jogador de Manchester para Madrid e se esta transferência se concretizar o clube encaixava mais 7,2 milhões.

E se Postiga se juntasse a Mourinho na Casa Branca?

Hélder Postiga é dado como um dos nomes na lista do Real Madrid por um dos sites não oficiais mais importantes ligados ao clube Madrileno, o Defensacentral, onde se pode ler que "El Madrid podría estar observando a Helder Postiga. El cuadro madridista se fija en el delantero como posible refuerzo para el ataque ".  

Recorde-se que o avançado viveu os melhores tempos da sua carreira ao lado de Mourinho, onde foi desempenhou um papel decisivo na conquista da Taça Uefa, em 2003, tendo saído no final da época para o Tottenham, por 10 milhões de euros.

Nota: com os agradecimentos ao Nuno Duarte Cruz.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

O Circo Cardinal foi finalmente encerrado

O Sporting Clube de Portugal rescindiu unilateralmente o contrato que o unia ao jogador de Futsal Fernando Alberto dos Santos Cardinal devido aos seus comportamentos recentes e reiterados, que colocam em causa o bom-nome, imagem e reputação do Clube.

O Sporting Clube de Portugal não aceita que sejam desrespeitados os seus valores centenários, e saberá pugnar pela defesa dos mesmos.

Sem prejuízo, serão accionados os mecanismos legais adequados para obter o ressarcimento dos danos que sofreu.

A Direcção
Lisboa, 19 de Maio de 2011

Domingos, Madaíl e Salvador: à atenção da direcção do Sporting

"Felizmente conseguimos levar uma taça para Portugal, o que não aconteceu em 2 edições anteriores, quer no Euro 2004, quer em 2006 na Taça UEFA que mesmo jogando em casa oferecemos a Taça. Agora aqui jogamos em casa, praticamente, mas levamos a Taça. Levávamos sempre."

Estas foram as vergonhosas declarações de Gilberto Madaíl, hoje à SporTv, após a final de Dublin, que transcrevi "ipsis verbis", mas que infelizmente hoje a comunicação social não  faz com o mesmo rigor.

Entretanto alguém dos seus assessores lembre o presidente da FPF alguns factos: (uns mais importantes que outros):

A primeira final falhada em casa foi no seu antigo estádio da Luz, pelo SLB, ante o Anderlecht, fez ontem precisamente 28 anos.

A final da Taça UEFA a que se referiu foi em 2005, falha que até pode ser entendida, fez ontem precisamente 6 anos.

Já o que não é desculpável a um presidente da FPF é que utilize a expressão "oferecer a taça". O Sporting fez uma campanha absolutamente notável em 2004/05, realizando grandes exibições e jogou para ganhar na final. A taça custou muito a ganhar ao CSKA. Será que ele acha que o Braga também ofereceu a Taça ao FCP?

A confirmação ontem feita em directo por António Salvador de que Domingos será o novo treinador do Sporting foi tudo menos inocente. Pessoalmente entendo-a como uma vingançazinha, pequenina como o seu autor, retirando à direcção do Sporting o privilégio e o impacto do anúncio oficial.  E foi com certeza de uma deselegância face ao comportamento que a direcção do Sporting teve para com o seu clube, tendo em conta o facto de ambos estarem a disputar o terceiro lugar. As consequências não se fizeram esperar, veremos se, face aos antecedentes, não veremos o clube ser penalizado pela CMVM.

À atenção da direcção do Sporting.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

O Sporting joga logo?

Lansdowne Road um grande palco para uma grande final
Disputa-se logo a final da Liga Europa onde o Sporting não está. Mas isso não é o mesmo que dizer que não tenha interesse indirecto no que irá suceder em Dublin. Ocorrem-me 2 razões, uma delas amplamente debatida aqui anteriormente.

1- O facto do Sporting ser o clube com mais jogadores formados presentes na final não pode passar despercebido ao mundo do futebol, bem como deve merecer uma profunda reflexão por parte de adeptos e dirigentes a nível interno. Sabemos que não podemos formar e manter todos os jogadores, o que não faz sentido é que não só não aproveitemos devidamente o valor do que construímos como ainda reforcemos os adversários directos. Perdemos duplamente: quer na força competitiva quer na auto-estima. Couceiro diz no jornal do clube e com razão:
2- O facto de, ao que tudo indica, Domingos ser o próximo treinador do Sporting torna importante o desfecho da final de mais logo. Aos meus olhos o treinador não será melhor ou pior se ganhar ou perder. A carreira em ascensão contínua devia falar por si só. Mas sagrando-se vencedor Domingos não só anularia as vozes dos que dizem que "nunca ganhou nada", dos que o colam ao FCP, como lhe daria lastro e tempo para consolidar o seu lugar. Ser treinador do Sporting não é fácil e as dificuldades começam logo dentro de casa.

Já fora do âmbito da final, mas de alguma forma relacionado com os 2 parágrafos anteriores, faz sentido ler as palavras de Couceiro, na entrevista ao jornal do clube: "A nossa equipa sentiu durante muito tempo que jogar em Alvalade era jogar em campo neutro. Não posso aceitar e revolto-me que o Rui Patrício, o Yannick ou outro jogador qualquer tenha de passar o que passaram em Alvalade. Temos de saber proteger os nossos, temos de ajudar os nossos a crescer e a serem melhores"

terça-feira, 17 de maio de 2011

Como, quando, e onde serão gastos os 20 milhões

A Sporting SAD vai emitir um empréstimo obrigacionista de 20 milhões de Euros e para o efeito vai solicitar a autorização aos accionistas em AG. Como quando e onde vão ser gastos esses 20 milhões deve ser a pergunta que muitos Sportinguistas fazem por esta altura. Mas se a generalidade dos sócios e adeptos aparentam desconhecer qual a razão desta operação financeira e a sua ignorância até pode ser justificada o mesmo não se pode admitir aos jornalistas, cuja missão é informar e, para o poderem fazer, têm que saber do que falam.

Já me havia referido anteriormente (ver 2º parágrafo do post em link) sobre esta operação mas infelizmente continuo a registar com pena que o assunto continue a ser tratado com total ignorância dos que a ele se vão referindo. O actual empréstimo mais não é do que a renovação do anterior, lançado em 2008 e que agora chega ao seu fim. Assim ao Sporting restavam 2 alternativas: ou reembolsava esse valor aos investidores - os juros foram pagos semestralmente - dispondo de verbas próprias que não tem e que precisa para reforçar o plantel, ou recorria a novo empréstimo para saldar o anterior.

Por isso o dinheiro que entrar, ao contrário do que hoje é veiculado pelo CM, e por alguns espaços na blogosfera, não é para investir em nenhum jogador, antes sim para tapar um buraco aberto em 2008. E o fundo de que se fala também na mesma noticia dificilmente verá a luz do dia nos próximos 30 dias, pelo que os 35 milhões não passam de uma miragem. Assim como a pretensa declaração de Bobô, dando-se como jogador do Sporting, pode não passar de um embuste...

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Encerrada para balanço

A época que entretanto findou não deixará saudades a nenhum Sportinguista mas convém tê-la bem presente nos tempos mais próximos porque nela estão contidos muitos ensinamentos que, bem aproveitados, nos poderão evitar a repetição de alguns dos erros.



O erro crucial de toda a campanha 2010/11 centrou-se ainda na época anterior quando Costinha e Bettencourt decidem prescindir de Villas Boas e contratar Paulo Sérgio. Não há qualquer garantia de que AVB fosse tão bem sucedido em Alvalade como o está ser no Porto, mas o que há de mais lamentável nesta deriva é a total ausência de estratégia. O perfil dos dois técnicos é tão díspar que equivale a que alguém à procura de um carro novo entre num stand para comprar um Mercedes ou um BMW e saia de lá com uma pick-up. Seguramente que um comprador assim não sabe para que quer o carro… Um treinador sem nada que o recomendasse e que de seguida aceitou placidamente tudo e todos, - até Tales! – que lhe puseram à frente para construir um plantel ditaram os resultados que hoje se conhecem.



Mas há que reconhecer também que o futebol do clube esteve ao longo desta campanha completamente desprovido de uma estrutura que estivesse à altura da exigência da sua grandeza e por isso o êxito nunca passou de uma miragem. O terceiro lugar alcançado acaba por ser um mal menor perante o muito que o prestígio e o património do Sporting foram delapidados.



Seria quase masoquista lembrar hoje todas as peripécias que foram ocorrendo durante o ano, ao melhor estilo de uma tragédia grega, pelo que optei por me debruçar sobre alguns dados estatísticos que ajudarão a perceber alguns dos números com o Sporting encerra a Liga, mesmo que não revelem na plenitude o quanto foi desbaratado.



O clube tem hoje segundo plantel mais velho da Liga



Manteria o 3º lugar se houvesse um campeonato separado das primeiras e segundas partes



Seria o 6º classificado nos jogos disputados em casa e o 3º nos jogos fora.



O último classificado juntamente com a indesejável companhia do Marítimo, Beira-Mar e Académica das equipas que viraram resultados, isto é, nunca conseguiu virar um resultado desfavorável.



Ocuparia um desonroso 2º lugar nas equipas que deixaram virar um resultado a favor (por 2 vezes).



O mesmo 2º lugar, juntamente com SLB e Nacional, no número de golos sofridos, mas com quase o dobro da média dos golos consentidos pelo campeão: 1.03 por jogo.



4º classificado no campeonato dos golos marcados – 41 – atrás de FCP 73, SLB 61 e Braga 45.



O Sporting acaba por ser o 2º classificado no campeonato da posse de bola, com uma média de 28 minutos por jogo.



Os melhores marcadores da equipa são Postiga e Djaló com 6 golos cada.



O Sporting ficou em 3º lugar no campeonato das assistências com 393. 596 espectadores, com o SLB a liderar ( 657.550) seguido do FCP (601.436) e em 4º lugar o Braga com 231.281.

Nota: dados da Liga de clubes.

Sporting Clube de Portugal

Sporting Clube de Portugal

Prémios

Sporting 160 - Podcast

Os mais lidos no último mês

Blog Roll

Leitores em linha


Seguidores

Número de visitas

Free HTML Counters

Ultimos comentários

Blog Archive

Temas

"a gaiola da luz" (1) 10A (1) 111 anos (1) 1ª volta Liga Zon/Sagres 10/11 (3) 2010-2011 (1) 2016 (1) 8 (4) AAS (7) ABC (3) Abrantes Mendes (3) Academia (15) Académica-SCP (1) adeptos (94) Adrien (18) AdT (1) adversários (82) AFLisboa (2) AG (19) Alan Ruiz (1) Alexander Ellis (1) alma leonina (59) ambição (10) andebol (34) André Geraldes (2) André Marques (2) André Martins (6) André Pinto (1) André Santos (5) anestesia (3) angulo (5) aniversário "A Norte" (3) Aniversário SCP (4) antevisão (41) APAF (11) aplausos ao ruben porquê? (2) Aquilani (1) aquisições (85) aquisições 2013/14 (16) aquisições 2014/15 (18) aquisições 2015/16 (17) aquisições 2016/17 (10) aquisições 2017/18 (5) arbitragem (92) Associação de Basquetebol (6) ataque (1) Atitude (9) Atletico Madrid (1) Atlético Madrid (1) atletismo (6) auditoria (4) autismo (1) AVB és um palhaço (1) aventureiro (1) Bacelar Gouveia (2) Balakov (1) balanço (5) Baldé (4) balneário (3) banca (2) Barcos (3) Bas Dost (3) Bastidores (70) Batota (18) Battaglia (1) Beira-Mar (2) Belenenses (4) Benfica (1) BES (1) bilhetes (2) binários (1) Boal (1) Boateng (1) Boeck (2) Bojinov (7) Bolsa (2) Borússia Dortmund (1) Boulahrouz (2) Brasil (1) Braz da Silva (8) Brondby (4) Bruma (18) Bruno Carvalho (100) Bruno César (3) Bruno de Carvalho (7) Bruno Martins (20) Bryan Ruiz (3) Bubakar (1) BwinCup (1) cadeiras verdes (1) Cadete (1) Caicedo (5) calendário (2) Câmara Municipal de Lisboa (3) Campbell (2) Campeões (2) campeonato nacional (21) campeonatos europeus atletismo (2) Cândido de Oliveira (1) Caneira (2) Cape Town Cup (3) Capel (4) carlos barbosa (4) Carlos Barbosa da Cruz (2) Carlos Carvalhal (5) Carlos Freitas (7) Carlos Padrão (1) Carlos Severino (4) Carriço (6) Carrillo (10) Carrilo (3) carvalhal (30) Caso Cardinal (1) Casos (6) CD Liga (3) Cedric (7) Cervi (3) CFDIndependente (1) Champions League 2014/15 (9) Champions League 2015/16 (5) Chapecoense (1) CHEGA (1) Ciani (1) Ciclismo (3) CL 14/15 (2) Claques (9) clássicos (8) Coates (4) Coentrão (1) Coerência (1) colónia (1) comissões (2) competência (2) comunicação (65) Comunicação Social (21) Consciência (1) Conselho Leonino (2) contratações (6) COP (1) Coreia do Norte (1) Corradi (1) corrupção no futebol português (2) Cosme Damião (1) Costa do Marfim (3) Costinha (45) Couceiro (13) crápulas (1) credores (1) crise 2012/13 (21) Crise 2014/15 (2) Cristiano Ronaldo (1) cronica (3) crónica (15) cultura (4) curva Sporting (1) Damas (3) Daniel Sampaio (3) debate (5) defesa dos interesses do SCP (7) Del Horno (1) delegações (1) depressão (1) Derby (42) Derby 2016/17 (1) derlei (1) Desespero (1) Despedida (2) despertar (3) dia do leão (1) Dias da Cunha (1) Dias Ferreira (6) Diogo Salomão (4) director desportivo (18) director geral (5) direitos televisivos (4) Dirigentes (28) disciplina (6) dispensas (22) dispensas 2015/16 (1) dispensas 2016/17 (2) dispensas 2017/18 (1) djaló (10) Domingos (29) Doumbia (1) Doyen (4) Duarte Gomes (2) Ecletismo (60) Eduardo Barroso (6) Eduardo Sá Ferreira (2) eleições (19) eleições2011 (56) eleições2013 (26) eleições2017 (9) Elias (5) eliminação (1) empresários (11) empréstimo obrigacionista (3) entrevistas (63) Épico (1) época 09/10 (51) época 10/11 (28) época 11/12 (8) época 12/13 (11) época 13/14 (4) época 14/15 (8) época 15/16 (5) época 16/17 (7) época 17/18 (1) EquipaB (17) equipamentos (12) Eric Dier (8) Esperança (4) estabilidade (1) Estádio José de Alvalade (4) Estado da Nação (1) estatutos (6) Estórias do futebol português (4) estratégia desportiva (102) Estrutura (1) Euro2012 (6) Euro2016 (1) Europeu2012 (1) eusébio (2) Evaldo (3) Ewerton (4) exigência (2) expectativas (1) expulsão de GL (1) factos (1) Fafe (1) Fair-play (1) farto de Paulo Bento (5) fcp (12) FCPorto (9) FIFA (2) Figuras (1) filiais (1) final (1) final four (1) finalização (1) Finanças (24) fiorentina (1) Football Leaks (2) Formação (88) FPF (14) Francis Obikwelu (1) Francisco Geraldes (2) Frio (1) fundação aragão pinto (3) Fundação Sporting (1) fundos (14) futebol (9) futebol feminino (1) futebol formação (1) futebol internacional (1) Futre (1) Futre és um palhaço (4) futsal (23) futsal 10/11 (1) futuro (8) gabriel almeida (1) Gala Honoris Sporting (3) galeria de imortais (27) Gamebox (2) Gauld (5) Gelson (1) Gent (1) geração academia (1) Gestão despotiva (2) gestores de topo (10) Gilberto Borges (2) GL (2) glória (5) glorias (4) Godinho Lopes (27) Gomes Pereira (1) Governo Sombra (1) Gralha (1) Gratidão (1) Grimi (4) Grupo (1) Guerra Civil (2) guimarães (1) Guy Roux (1) Hacking (1) Heerenveen (3) Hildebrand (1) História (18) Holdimo (1) homenagem (5) Hóquei em Patins (7) Hugo Malcato (113) Hugo Viana (1) Humor (1) i (1) Identidade (11) Idolos (3) II aniversário (1) Ilori (4) imagem (1) imprensa (12) Inácio (5) incompetência (7) Insua (2) internacionais (2) inverno (2) investidores (3) Iordanov (6) Irene Palma (1) Iuri Medeiros (1) Izmailov (26) Jaime Marta Soares (3) Jamor (3) Janeiro (1) Jardel (2) jaula (3) JEB (44) JEB demite-se (5) JEB és uma vergonha (5) JEB rua (1) JEBardadas (3) JEBardice (2) Jefferson (3) Jeffren (5) Jesualdo Ferreira (14) JJ (1) JL (3) Joana Ramos (1) João Benedito (1) João Mário (6) João Morais (5) João Pereira (6) João Pina (3) João Rocha (3) Joaquim Agostinho (2) joelneto (2) Jogo de Apresentação (1) Jorge Jesus (44) Jorge Mendes (3) José Alvalade (1) José Cardinal (2) José Couceiro (1) José Eduardo Bettencourt (33) José Travassos (1) JPDB (1) Jubas (1) judo (6) Juniores (7) JVL (105) Kwidzyn (1) Labyad (7) Lazio (1) LC (1) Leão de Alvalade (496) Leão Transmontano (62) Leonardo Jardim (11) Liderança (1) Liedson (28) Liga 14/15 (35) Liga de Clubes (12) liga dos campeões (12) Liga dos Campeões 2016/17 (11) Liga dos Campeões 2017/18 (3) Liga Europa (33) Liga Europa 11/12 (33) Liga Europa 12/13 (9) Liga Europa 13/14 (1) Liga Europa 14/15 (1) Liga Europa 15/16 (11) Liga Europa10/11 (16) Liga NOS 15/16 (30) Liga NOS 16/17 (22) Liga NOS 17/18 (1) Liga Sagres (30) Liga Zon/Sagres 10/11 (37) Liga Zon/Sagres 11/12 (38) Liga Zon/Sagres 12/13 (28) Liga Zon/Sagres 13/14 (24) Lille (1) LMGM (68) losango (1) Lourenço (1) low cost (1) Luis Aguiar (2) Luis Duque (9) Luís Martins (1) Madeira SAD (4) Malcolm Allison (1) Mandela (2) Mané (3) Maniche (4) Manifesto (3) Manolo Vidal (2) Manuel Fernandes (7) Marca (1) Marcelo Boeck (1) Marco Silva (27) Maritimo (2) Marítimo (3) Markovic (1) Matheus Oliveira (1) Matheus Pereira (3) Mati (1) matías fernandez (8) Matias Perez (1) Mauricio (3) Meli (1) Memória (10) mentiras (1) mercado (41) Meszaros (1) Miguel Lopes (1) miséria de dirigentes (2) mística (3) Modalidades (25) modelo (3) Moniz Pereira (7) Montero (7) Moutinho (3) Mundial2010 (9) Mundial2014 (3) Mundo Sporting (1) Nacional (1) Naide Gomes (2) Naldo (3) naming (2) Nani (3) Natal (4) Naval (3) Navegadores (3) negócios lesa-SCP (2) NextGen Series (3) Noite Europeia (1) nonsense (23) Nordsjaelland (1) NOS (1) Notas de Imprensa (1) notáveis (1) nucleos (1) Núcleos (9) Nuno André Coelho (2) Nuno Dias (3) Nuno Saraiva (2) Nuno Valente (1) o (1) O Roquetismo (8) Oceano (1) Octávio (1) Olhanense (1) Olivedesportos (1) Onyewu (7) onze ideal (1) opinião (6) oportunistas (1) orçamento (3) orçamento clube 15/16 (1) organização (1) orgulho leonino (17) Oriol Rosell (3) paineleiros (15) Paiva dos Santos (2) paixão (3) papagaios (8) pára-quedista (1) parceria (2) pascoa 2010 (1) pasquins (7) património (2) patrocínios (5) Paulinho (1) paulo bento (19) Paulo Faria (1) Paulo Oliveira (3) Paulo Sérgio (43) paulocristovão (1) Pavilhão (11) pedrada (1) Pedro Baltazar (8) Pedro Barbosa (5) Pedro Madeira Rodrigues (3) Pedro Mendes (4) Pedro Silva (2) Pereirinha (6) Peyroteo (2) Piccini (1) Pini Zahavi (2) Pinto Souto (1) plantel (31) plantel 17/18 (3) play-off (2) play-off Liga dos Campeões 17/18 (2) PMAG (3) Podence (1) Polga (5) Pongolle (5) Pontos de vista (15) por amor à camisola (3) post conjunto (5) Postiga (7) PPC (7) Pranjic (2) pré-época (2) pré-época 10/11 (7) pré-época 11/12 (43) pré-época 12/13 (16) pré-época 13/14 (16) pré-época 14/15 (22) pré-época 15/16 (20) pré-época 16/17 (12) pré-época 17/18 (9) prémio (1) prémios stromp (1) presidente (4) Projecto BdC (1) projecto Roquette (2) promessas (3) prospecção (2) Providência Cautelar. Impugnação (1) PS (1) Quo vadis Sporting? (1) Rabiu Ibrahim (2) râguebi (1) raiva (1) RD Slovan (1) reacção (1) redes sociais (1) Reestruturação financeira (17) reflexãoleonina (21) reforços (15) regras (4) regulamentos (1) Relatório e Contas (11) relva (10) relvado sintético (4) remunerações (1) Renato Neto (3) Renato Sanches (1) respeito (7) resultados (1) revisão estatutária (5) Ribas (2) Ribeiro Telles (4) Ricardo Peres (1) Ricciardi (2) ridiculo (1) ridículo (2) Rinaudo (8) Rio Ave (2) Rita Figueira (1) rivais (6) Rodriguez (2) Rojo (4) Ronaldo (12) rtp (1) Rúbio (4) Rui Patricio (18) Rui Patrício (4) Sá Pinto (31) SAD (25) Salema (1) Sarr (4) Schelotto (2) Schmeichel (2) scouting (1) SCP (64) Segurança (1) Selecção Nacional (38) seleccionador nacional (5) Semedo (1) SerSporting (1) Shikabala (2) Silly Season2017/18 (2) Símbolos Leoninos (3) Sinama Pongolle (1) Sistema (4) site do SCP (3) SJPF (1) Slavchev (1) slb (21) Slimani (11) Soares Franco (1) sócios (16) Sócrates (1) Solar do Norte (14) Sondagens (1) sorteio (3) Sousa Cintra (1) Sp. Braga (2) Sp. Horta (1) Spalvis (2) Sporting Clube de Paris (1) Sportinguismo (2) sportinguistas notáveis (2) SportTv (1) Stijn Schaars (4) Stojkovic (3) Sunil Chhetri (1) Supertaça (3) sustentabilidade financeira (40) Taça CERS (1) Taça Challenge (5) taça da liga (11) Taça da Liga 10/11 (7) Taça da Liga 11/12 (3) Taça da Liga 13/14 (3) Taça da Liga 14/15 (2) Taça da Liga 15/16 (4) Taça da Liga 16/17 (1) Taça das Taças (1) Taça de Honra (1) Taça de Liga 13/14 (3) Taça de Portugal (12) Taça de Portugal 10/11 (3) Taça de Portugal 10/11 Futsal (1) Taça de Portugal 11/12 (12) Taça de Portugal 13/14 (3) Taça de Portugal 14/15 (8) Taça de Portugal 15/16 (4) Taça de Portugal 16/17 (4) táctica (1) Tales (2) Tanaka (1) Ténis de Mesa (2) Teo Gutierrez (5) Tertúlia Leonina (3) Tiago (3) Tonel (2) Torneio Guadiana 13/14 (1) Torneio New York Challenge (4) Torsiglieri (4) Tottenham (1) trabalho (1) transferências (5) transmissões (1) treinador (90) treino (4) treinos em Alvalade (1) troféu 5 violinos (5) TV Sporting (5) Twente (2) Tziu (1) uefa futsal cup (4) Uvini (1) Valdés. (3) Valores (14) Veloso (5) vendas (8) vendas 2013/14 (2) vendas 2014/15 (1) vendas 2016/17 (5) Ventspils (2) Vercauteren (5) Vergonha (7) video-arbitro (5) Villas Boas (8) Viola (1) Virgílio (98) Virgílio1 (1) Vitor Golas (1) Vitor Pereira (6) Vitória (1) VMOC (7) Vox Pop (2) VSC (3) Vukcevic (10) WAG´s (1) William Carvalho (13) Wilson Eduardo (2) Wolfswinkel (12) Wrestling (1) Xandão (4) Xistra (3) Zapater (2) Zeegelaar (2) Zezinho (1)