quarta-feira, 14 de março de 2012

Sá Pinto, o Guardiola do Sporting?


"Sá Pinto pode ser o Guardiola do Sporting". A afirmação, curiosa, foi proferida pelo treinador do Légia e inevitavelmente despoletou o post que aqui deixo hoje. Obviamente que não pretendo com o presente artigo infirmar ou confirmar o que foi dito porque é de todo extemporâneo fazê-lo. Pretendo, isso sim, fazer uma reflexão mais lata sobre o futebol do Sporting.

O artigo está há muito “pronto” na minha cabeça mas gostaria de ir mais longe do que vou conseguir ao pô-lo no papel. Tinha decidido fazê-lo antes do final da eliminatória do City para que a reflexão não fosse contaminada pelo sentido do resultado, e a falta de tempo para a sua elaboração acaba por precipitar para hoje a sua publicação, sem que este surja como gostaria. Mesmo assim arrisco.

Convém desde já dizer que não me parece de todo inocente que o treinador do Légia se lembrasse do paralelismo. Barcelona e Sporting são dois clubes que fazem da formação uma bandeira. O Barcelona conseguiu dela retirar efeitos práticos, acumulando títulos atrás de títulos. O Sporting pouco mais tem conseguido do que seguir ao longe as carreiras meteóricas dos jogadores por si formados. 

Guardiola tem o mérito indiscutível de criar um modelo quase imbatível, tendo como base a prata da casa. O Barça hoje assemelha-se aos grandes impérios que, tendo crescido tanto, parece lutar tanto contra si próprio para se continuar a motivar como contra os seus adversários.

É igualmente importante perceber os diferentes contextos de Sá Pinto ou qualquer outro treinador que hoje chegue ao Sporting e Guardiola. O técnico catalão entrou na carreira actual como treinador de juniores, onde trabalhou dois anos, ascendendo em 2009 ao cargo principal. Em ambas ocasiões beneficiou de um trabalho de base e um ambiente favorável relativamente aos produtos de “La Masia” enquanto que em Alvalade a míngua de títulos provocou nos adeptos uma desconfiança generalizada nos produtos da Academia.

Provavelmente as realidades são demasiado distintas para poderem ser comparadas mas, no que ao futebol do Sporting diz respeito, parece-me inevitável constatar que, ao contrário do do Barcelona, não há hoje no futebol do Sporting uma matriz, uma identidade. E digo isto desde as chamadas camadas jovens até ao futebol sénior. 

Geralmente as discussões caem sempre no conceito básico de implementar o 4x3x3 com carácter mandatório e de forma transversal a todos os escalões, como se isso constituísse, per si, um factor de sucesso garantido. Não é preciso ir muito longe para perceber que, mais do que a geometria associada à disposição dos jogadores em campo, há uma infinidade de conceitos e princípios que são tão ou mais importantes: basta olhar para o 4x3x3 de Domingos e de Sá Pinto para o perceber.

O que é afinal jogar à Sporting? Quando comecei a acompanhar o futebol de perto associava-se o jogar à Sporting como  futebol de ataque. Nessa altura o conhecimento e as condições de treino eram radicalmente diferentes nos grandes e nos restantes clubes. Hoje facilmente percebemos que, seja de que forma for, não há nenhum campeão em Portugal que o consiga ser sem ser obrigado a ganhar uma percentagem muito elevada de jogos e para o conseguir tem que dominar grande parte deles. Mas quem jogue hoje de forma deliberada e descontraída ao ataque arrisca-se a acordar para um pesadelo antes de esgotados os primeiros 45 minutos.

Hoje alguém saberá dizer o que é jogar à Sporting? Dificilmente, e mesmo com muito boa vontade.

A última vez que o futebol do Sporting teve uma identidade reconhecida pela generalidade da opinião foi no tempo de Paulo Bento, através do seu famoso losango. É interessante constatar que nem nos tempos dos dois últimos títulos se pode identificar uma personalidade vincada na nossa forma de jogar. Quando a saída de Paulo Bento aconteceu o futebol do Sporting estava estagnado e foi essa a principal razão que o conduziu à porta de saída. 

O que se seguiu foi uma hecatombe generalizada, um desperdício de tempo e dinheiro, não conseguindo o clube manter uma pedra que fosse para reconstruir um novo edifício futebolístico. E assim andou durante 2 épocas consecutivas. Daí sempre ter considerado a época em curso como crucial e, embora ela tenha sido em grande parte marcada pelo fracasso, não é forçoso que se tenha partir outra vez do nada.

Se Sá Pinto será ou não o nosso Guardiola é ainda cedo para responder. O que é indubitável é que o Sporting precisa de um treinador que recrie e confira uma identidade ao nosso futebol através de um modelo de jogo que  retire proveito de algo que indiscutivelmente fazemos bem – formar jogadores -  não descurando o contexto em que se insere o Sporting e o seu estatuto de grande do futebol português. 

Dizê-lo é mais fácil do que fazê-lo mas esse parece-me ser o caminho para inverter o carácter excepcional com que chegamos ao titulo e lançar de novo uma história a verde-e-branco no campeonato português.

Para isso daria muito jeito que Sá Pinto, ou outro no seu lugar, conheça a realidade interna do clube e a respectiva correlação de forças para se estabelecer e poder alavancar as alterações necessárias. Precisará para isso também de inteligência, cognitiva e emocional. Essa que certamente beneficia Guardiola e que o leva a perceber como conseguir retirar o melhor do talento dos jogadores, camuflando-lhes as imperfeições e carências, elevando-os à categoria de super-heróis da bola. 

Poucas vezes se referem as qualidades intelectuais de um treinador mas estas serão com certeza diferenciadoras. Nesse sentido, Guardiola está longe de ser o estereótipo do ex-futebolista que chega a treinador. É-o também,  e ainda por cima com um curriculum invejável, mas cuja vida social nunca esteve delimitada em exclusivo pela relva e o cheiro dos balneários.

Do lado do Sporting,  e uma vez descobertos os sinais de uma mudança de sentido positivo, será também necessário perseverança e convicções fortes, não confundíveis com birras obstinadas. Não há atalhos para o sucesso e muito menos garantias para lá chegar, sendo o caminho muitas vezes pontuado por paragens e retrocessos. 

Guardiola chegou ao Barcelona na sequência de uma mudança radical na gestão do clube pela mão de Joan Laporta, substituindo Frank Rijkard. Teve um começo duríssimo, dando muito lastro aos detractores de Laporta, quando dispensou de forma corajosa Ronaldinho, Deco, Samuel Eto'o. O camaronês acabaria por ficar mas quando o Barcelona perde o primeiro jogo da época com o recém-subido Numância foi o pescoço de Laporta que o aguentou. O resto da história está ainda a ser escrita, mas começaria aí uma série de mais de 20 jogos sem perder até triturar o Real Madrid com um histórico 2-6.

15 comentários:

  1. Acho muito acertada relacionar a comparaçao com o Guardiola, com a definiçao da identidade futebolística do clube. Afinal, uma forma possível de definir o êxito do Guardiola é considerá-lo o expoente máximo da identidade de jogo do Barcelona.

    Gostava de acrescentar um ângulo à excelente reflexao aqui colocada: o facto do Guardiola, para além de ser um agente de mudança e de potenciaçao da formaçao, é também ele um produto da formaçao do Barcelona. Como jogador, claro, mas também como treinador. A minha primeira interrogaçao quando soube que estavas a escrever o post foi "perguntamo-nos se o Sá Pinto pode ser o Guardiola do Sporting, mas será que o Sporting pode, neste momento, produzir um Sá Pinto como Guardiola?".

    Quando pensamos em formaçao, pensamos em jogadores, mas se há coisa em que o FCB é forte, neste momento, é em formar treinadores. Que o diga o Liverpool FC, que importou o know-how de Pep Segura e Rodolf Borrell (que treina a equipa da NextGen Series que defrontou o Sporting), a Roma que começa agora a colher alguns frutos da profunda mudança que escolheu operar através de Luis Enrique ou Albert Benaigues, ex director técnico da escola de futebol que coordina actualmente o Al Wasl, por exemplo. Só friso esta questao porque nao é costume incluirmos os treinadores entre os produtos da formaçao. E um clube forte, com uma identidade e um modelo definido é aquele que nao só produz jogadores capazes de singrar e obter êxito e reconhecimento mas também ser adoptado por treinadores que nao só o defendem convictamente como o melhoram e o levam para outras instituiçoes.

    No fundo, um sinal facilmente reconhecível é o de um clube escolher um treinador em funçao da adaptaçao das suas características ao trabalho desenvolvido no clube e nao em funçao das mudanças que poderá ser capaz de operar. Nesse sentido, o Guardiola inscreve-se numa continuidade que começou algures em princípio dos anos 80, com uma interrupçao para Terry Venables mas mesmo aí todos os escaloes menos a equipa principal funcionava da mesma maneira.

    Também concordo contigo quando dizes que a identidade de um clube nao é só usarem todos a mesma táctica desde os infantis. Quando questionados sobre os factores diferenciais do FCB que estao na origem do êxito, jogadores e técnicos costumam referir elementos de baixa visibilidade como por exemplo, os métodos de treino, a insistência em conceitos como paciência e repetiçao, ou o envolvimento social proporcionado aos jogadores e às famílias. Nalguns casos a coisa é particularmente notória, como por exemplo, na contrataçao de Iniesta, que nunca teria acontecido se o clube nao tivesse tido a preocupaçao de o trazer para acompanhar um dos seus melhores amigos, esse sim o craque da altura, um tal Jorge Troiteiro, hoje no Burgos.

    Para nao me desviar e porque só queria mesmo acrescentar essa ideia do treinador como produto, frisar que nao digo nada disto no sentido de afirmar que o Sporting nao o faz ou nao o quer fazer. Pelo contrário, acredito que se trabalhe bem melhor do que a maioria de nós sabe dos séniores para baixo e que o Sá Pinto, conhecedor do clube, observador próximo das várias mudanças operadas nos últimos anos e peça central no passado recente da formaçao, saiba fazer essa labor de definir e aperfeiçoar o modelo.

    E nao podia deixar de o dizer porque seguramente a tendência na reacçao a essa interrogaçao sobre se Sá Pinto poderia ser uma espécie de Guardiola vai-se centrar no Sá Pinto em si, nas suas capacidades, vontades, traços de personalidade, e pessoalmente acho que, mais que no Sá Pinto, a resposta está no clube e nas condiçoes que possa ter para receber "um" Guardiola.

    saudaçoes leoninas!
    tiago

    ResponderEliminar
  2. E eu relembro um pouco da história inicial de Guardiola no banco do Barça. Na primeira época, calha em sorte ao barça o Sporting no seu grupo da Champions. Os resultados iniciais foram, como já referido, abaixo das expecctativas e foi num clima de desconfiança total em Guardiola que o Sporting foi jogar a Camp Nou, falava-se até na antevisão desse jogo que se o Barça perdesse Guardiola estaria na porta de saída.
    Acabou por vencer por 3-1 e embalar para uma caminhada histórica que dura até hoje..

    Recuem lá um pouco na história e vejam se não é verdade.

    SL

    ResponderEliminar
  3. Leão de Alvalade, Tiago,

    Apenas uma nota para referir que é difícil caracterizar o Sá Pinto como um potencial "Guardiola do Sporting". Para já o seu percurso no clube, enquanto treinador, é curto - chegou há menos de 1 ano para os juniores - e, ainda que a(s) sua(s) equipa(s) sejam fortemente influenciadas pelas suas ideias para o futebol e mesmo admitindo que encontrou no Sporting o contexto ideal para as aplicar, parece-me que ainda estamos longe de poder concluir que está perto ou já se verificou uma mudança de paradigma transversal à estrutura do Sporting.

    Ficaria muito contente se procurasse, oferecendo ao mesmo tempo liberdade e responsabilidade aos treinadores, que todos os escalões do Sporting (dos seniores aos escolas) tivessem como critério orientador algumas das ideias fortes que já ouvimos do Sá Pinto. Mas é ainda muito cedo para perceber qual a direcção da revolução operada também a esse nível no Sporting. Só dentro de alguns anos poderemos olhar para trás e perceber se houve uma linha condutora subjacente às decisões tomadas e como se preparou o futuro, considerando todas as opções certas e erradas que viriam/virão a inevitavelmente a ser tomadas.

    Felizmente temos bons exemplos que podem oferecer-nos matéria para pensar qual o caminho que mais se adequa ao Sporting. A criação de uma Equipa B, ancorada numa geração que é muito boa (mas ainda muito inexperiente), poderá conferir um contexto favorável à procura de uma cultura própria que é fácil de identificar nas ideias fortes acima referidas ou nas opções de jogo de um Chaby.

    É verdade que o Sá Pinto tem muitos anos de casa. É também verdade que não é um produto da formação do Sporting, antes da do FCPorto e do Salgueiros. As suas ideias, a sua forma de ver o futebol não me parece provir dessa sua experiência formativa e, sendo certo que os muitos anos na casa o fizeram jogar com muitas gerações de jovens excepcionais formados no Sporting - desde Figo a Moutinho, todos foram num momento ou noutro colegas de equipa do Sá Pinto - parece-me que o Sá Pinto e o Sporting casam mais no contexto e na cultura por (feliz) coincidência, do que por ser o resultado de uma causalidade próxima (em que o Sá Pinto só poderia pensar assim por ter estado no Sporting).

    Essa era a discussão que pretendia promover de há uns anos para cá: para lá das pessoas, qual a cultura do clube? Desde a 1ª hora que referi que o Sá Pinto parece ter ideias de acordo com o que considero a cultura do clube... mas só (esperemos!) dentro de uns anos o poderemos verificar.

    ResponderEliminar
  4. Queria trazer à (excelente) reflexão a seguinte observação (isto até merecia agora uma rima a acabar em Xandão ou coisa que o valha):

    A orientação de cada um é definida pelo seu percurso de vida e pelas interações estabelecidas com outros. Existem aqueles que nos marcam de forma negativa, que nos mostram aquilo que não queremos vir a fazer. E aqueles que nos marcam de forma positiva e que guardamos como exemplo e modelo de conduta. Dito isto, queria apenas relembrar uma frase proferida por Sá Pinto há poucos anos atrás. Concretamente em 2005, perto do final daquela que ficou conhecida como a época do quase. Dizia o nosso treinador qualquer coisa como "Nunca me diverti tanto a jogar como neste ano".
    O treinador era José Peseiro.

    ResponderEliminar
  5. Dou os parabéns ao Leão de Alvalade e ao Tiago pelo artigo e comentário, respectivamente.

    Gostaria de emitir uma singela opinião que vai mais na direcção do comentário do Tiago, isto é, o centro da discussão deve estar na estrutura/Clube e menos nas personalidades que nele/para ele trabalham/deviam trabalhar.

    É neste contexto que me parece ser necessário mitigar significativamente a potencial comparação entre o Sporting e o Barcelona por terem, no fundo, pontos de partida similares ao radicarem a sua essência na formação. Sim, é este o ponto de partida mas tudo o que daqui decorre, desde a transmissão dos valores, a união em volta de objectivos de curto e médio prazo, a missão, a visão, entre outros porMAIORES do processo, até ao ponto de chegada que é a enorme distância entre os dois Clubes em termos de grandeza e, sobretudo, capacidade de gestão, organização, é que deve efectivamente constituir o tema de análise, de reflexão e de profunda reformulação.

    No contexto actual, mesmo que Sá Pinto fosse o "Guardiola do Sporting" estaria (e estará) votado ao insucesso, ainda que obtendo estrondosas vitórias pontuais como aconteceu com o City e, todos esperamos, se volte a repetir amanhã. E porquê?

    Simples, porque não são as iniciativas pontuais individuais que resolvem problemas ou fazem crescer de forma sustentada um Clube, uma organização. É necessário um esforço global, orientado, em comunhão, com uma liderança forte, congregadora, solidária, transparente que seja um exemplo para Todos. E ter as pessoas certas nos lugares certos dentro da estrutura com um respeito espartano pelos respectivos pelouros, sem ingerências ou assomos de protagonismo. Ferran Soriano esteve há pouco tempo em Alvalade e explicou-o de uma forma simples e acessível.

    Saudações Leoninas,

    Luís Rasquete

    ResponderEliminar
  6. Excelente, o texto e os comentários. Um prazer chegar aqui e ler coisas destas, aplausos a todos: LdA, Tiago, PLF, Luís R.

    PLF,

    As ideias e a identidade do Sá Pinto treinador não terão sido fortemente influenciadas, e até construídas, a partir das suas experiências no SCP?

    Não tanto enquanto jogador, mas a sua presença no Clube com a função de director de futebol não terá construído, ou pelo menos ajudado muito a construir, a sua identidade posterior enquanto treinador?

    Tanto ou mais que a sua carreira enquanto jogador...

    ResponderEliminar
  7. excelente reflexão..

    precisamos de um projecto estavel e com sentido, esperemos que o Sá o elabore junto com a direcção e o levem para a frente com coragem e convicção.

    ResponderEliminar
  8. infelizmente não pude até agora acompanhar e responder os comentarios por imprevistos de ordem pessoal mas conto fazer-lo na 1a oportunidade .

    Lda

    ResponderEliminar
  9. LdA,
    "Para isso daria muito jeito que Sá Pinto, ou outro no seu lugar, conheça a realidade interna do clube e a respectiva correlação de forças para se estabelecer e poder alavancar as alterações necessárias."
    Este é o trabalho que não deveria ter de ser feito, mas que infelizmente se impõe fazer com a máxima brevidade. Já nos bastam os adversários externos para nos preocuparmos, pelo que era dispensável ter de estar sempre a olhar por cima do ombro para ver de onde vem o "fogo amigo".

    Se todos tivessem a consciência do privilegio que é trabalhar para esta magnífica instituição do desporto português e mundial, isso não aconteceria. Tanto quanto pude alcançar, o Sá Pinto tem esse sentimento, conhece o clube na sua sede e em muitos dos seus núcleos, tem participado em várias confraternizações com sócios e adeptos, pelo que tem noção da história do clube e do seu pulsar actual.
    Não consigo olhar para o nosso treinador actual de forma imparcial, desde logo porque sempre tive uma enorme admiração pelo seu carácter combativo e porque senti que se havia alguém que podia interpretar um papel de relevo na organização do futebol do Sporting era o Sá Pinto.
    Penso que ainda é muito cedo para a comparação, mas que todos ficaríamos felizes se a resposta ao título do post fosse afirmativa, isso é inegável.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. Excelente artigo e excelentes os comentários do Tiago e PLF ( devia abrir o seu blog a todos os sportinguistas.
    Acho que todos devemos contribuir, com criticas sérias e positivas, para que as condições dentro do clube sejam propicias ao trabalho, sustentado, que queremos dos nossos profisionais, treinadores e atletas. Com o clube mais unido, adeptos, dirigentes, técnicos e atletas, os frutos vão, necessáriamente, aparecer. Eu acredito, assim como acredito que vamos passar o City.
    JJRibeiro

    ResponderEliminar
  11. LdA:

    "O artigo está há muito “pronto” na minha cabeça..."

    Desses post tb eu faço mts, amigo... LOL! O problema é passá-los pró papel cá do 'ANorte',

    Será que o mal é transmissível?... :)

    Pronto... agora que aproveitei a oportunidade para me desculpar, sp gostaria de dizer, mt rapidamente, o que penso sobre o Sá Pinto até ao momento. Tb eu quis dizer qlq coisa antes dos 5 a zero. Depois, s/ o q tinha para dizer, era bem capaz de ser acusado de profeta do passado e deixei passar.


    Comparando Sá com DP, há uma característica que sobressai, mt mais favoravelmente, no Ricardo: ao contrário de Domingos, Sá é um líder natural. Que se impõe pelo seu carisma, pela sua maior proximidade e, precisamente - e esta é uma gde vantagem que tem à disposição - pela a sua enorme inteligência emocional. A forma como ele se relaciona com os seus jogadores e os compreende, leva-o a conquistá-los, com palavras e atitudes, de uma forma natural, sem qlq imposição forçada ou meramente formal. Isso tem transparecido regularmente quer durante os jogos, nas suas reacções, nomeadamente nos incitamentos, mas tb mt no seu discurso, diametralmente oposto ao de Domingos... Aliás, não é à toa que agora se ouvem reiterados elogios ao treinador por parte de diversos jogadores, qd os mesmo jogadores eram tão parcos em elogiar o anterior 'mister'. E não me venham com as estórias da graxa que isso não pega. Mas afinal temos os nossos jogadores em boa conta e como pessoas com carácter, ou não? Eu tenho não só como tendo carácter, como sendo, mts deles pessoas inteligentes e já com alguma bagagem no futebol profissional... Daí que acredito que o que afirmam é sincero.

    Não sei se Sá é melhor ou pior treinador que DP, mas não me restam dúvidas de que é mt melhor líder. RSP tem demonstrado ter boas ideias, resta saber se as consegue por em prática. A verdade é que os 5 a zero ao VSC foi o jogo mais conseguido do SCP esta época. Contra o City tb, mas num estilo diferente do habitual, mais na expectativa, qd o que é comum ao SCP é ter a iniciativa atacante do jogo.

    Amanhã, td pode acontecer, claro.. Qt mais tempo conseguirmos 'aguentar' o City, maior a probabilidade de os enervar e de alcançar um bom resultado. Não podemos é remeter-mo-nos a uma defesa continuada. Há que aproveitar para os assustar e para isso temos q sair em ataques com a maior frequência possível. Há que mantê-los receosos.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  12. Bem, acabei de ler os comentários e só me resta afirmar, depois de agradecer a excelente participação de todos, que é uma prazer debater o SCP assim... desta forma. Estão tds de parabéns.

    Amanhã, toca a sofrer tds juntos durante mais um jogo. Oxalá que no fim nos enconntrmos por cá a escever comentários cheios de alegria!

    SL e um gde abraço a tds.

    FORÇA SPORTING!

    ResponderEliminar
  13. Não valia a pena a precipitação!

    O Carlos Freitas quis fazer de Paulo Bento o mesmo na 1ª passagem por Alvalade, entretanto dançaram os dois!

    Guardiola é uma vitória a toda a linha do seu mentor e do clube catalão, Cruyft! O Sporting não tem quem pense o clube na globalidade, nem há muitos portugueses com essa capacidade. Queiroz, acima das chicotadas psicológicas, era uma boa aposta!

    Acima dos treinadores estão sempre os clubes e a tranquilidade que conseguem proporcionar para um projecto de tal envergadura! É impossivel comparar realidades tão dispares, como um clube que a realidade do futebol global dita vendedor, inviável financeiramente na actualidade e sem qualquer capacidade de influir no poder decisório e o Barcelona, um clube vendedor, alicerçado na aristocracia catalã, com poder decisório no futebol espanhol e europeu!

    Este tipo de comparações não passam de levianas! Não existe qualquer tipo de similariedade entre os dois clubes que permitam tal! Nem hoje, nem nunca!

    E nem vale a pena referir massas adeptas que não podiam ser mais diferentes!

    ResponderEliminar
  14. (tentando responder a todos)

    Como é óbvio todos os clubes gostariam de ter um Guardiola no sentido mais genérico da ideia: alguém com ideias muito próprias, com muita coerência e convicção consegue implementar uma ideia de jogo que marca decisivamente uma época e escreve um novo capitulo na história do futebol. Todos o quereriam mas também é verdade é que poucos o fazem por merecer.

    A ideia de associar o nome de um treinador do Sporting à “ideia Guardiola” tem obviamente a ver com a ideia da criação de uma cultura de clube de que fala o PLF há algum tempo. Isto porque existem muitas formas de criar projectos vencedores, isto porque não há projectos exequíveis sem vitórias. O método mais usado é a contratação de um treinador consagrado ou promissor capaz de chegar aos títulos muito rapidamente. O treinador trás as suas ideias, a sua equipa técnica e muitas vezes um núcleo de jogadores da sua confiança. Ganha, ou não e, terminado o ciclo, faz as malas e o clube é obrigado a recomeçar com outro treinador um novo e muitas vezes penoso processo.

    É seguramente essa a marca de Mourinho nos clubes que passou. É indiscutível a sua capacidade de ganhar e obter resultados. Mas o que fica depois? Veja-se o que sucedeu no FCP, Chelsea, Inter por exemplo. Essa era a ideia que julgo estar subjacente à contratação de Domingos, este ano, da qual eu fui defensor. Não porque entendesse que ele fosse capaz de criar o tal novo paradigma mas por ver nele capacidade na obtenção imediata de resultados porque o Sporting precisa de os alcançar com urgência.

    Concordo que no Sporting está muito, quase tudo até, por fazer. E obviamente que é ainda cedo para pensar se Sá Pinto “is the one”. A questão é que é preciso alguma vez dar o primeiro passo.

    ResponderEliminar

Este blogue compromete-se a respeitar as opiniões dos seus leitores.

Para todos os efeitos a responsabilidade dos comentários são de quem os produz.

A existência da caixa de comentários visa dar a oportunidade aos leitores de expressarem as suas opiniões sobre o artigo que lhe está relacionado, bem como a promoção do debate de ideias e não a agressão e confrontação.

Daremos preferência aos comentários que entendermos privilegiarem a opinião própria do que a opinião que os leitores têm sobre a opinião de terceiros aqui emitida. Esta será tolerada desde que respeite o interlocutor.

Insultos, afirmações provocatórias ou ofensivas serão rejeitados liminarmente.

Não serão tolerados comentários com links promocionais ou que não estejam directamente ligados ao post em discussão.

Sporting Clube de Portugal

Sporting Clube de Portugal

Prémios

Sporting 160 - Podcast

Os mais lidos no último mês

Blog Roll

Leitores em linha


Seguidores

Número de visitas

Free HTML Counters

Ultimos comentários

Blog Archive

Temas

"a gaiola da luz" (1) 10A (1) 111 anos (1) 1ª volta Liga Zon/Sagres 10/11 (3) 2010-2011 (1) 2016 (1) 8 (4) AAS (7) ABC (3) Abrantes Mendes (3) Academia (16) Académica-SCP (1) adeptos (94) Adrien (19) AdT (1) adversários (82) AFLisboa (2) AG (19) Alan Ruiz (2) Alexander Ellis (1) alma leonina (59) ambição (10) andebol (34) André Geraldes (2) André Marques (2) André Martins (6) André Pinto (1) André Santos (5) anestesia (3) angulo (5) aniversário "A Norte" (3) Aniversário SCP (4) antevisão (41) APAF (11) aplausos ao ruben porquê? (2) Aquilani (1) aquisições (85) aquisições 2013/14 (16) aquisições 2014/15 (18) aquisições 2015/16 (17) aquisições 2016/17 (10) aquisições 2017/18 (5) arbitragem (92) Associação de Basquetebol (6) ataque (1) Atitude (9) Atletico Madrid (1) Atlético Madrid (1) atletismo (6) auditoria (4) autismo (1) AVB és um palhaço (1) aventureiro (1) Bacelar Gouveia (2) Balakov (1) balanço (5) Baldé (4) balneário (3) banca (2) Barcos (3) Bas Dost (3) Bastidores (70) Batota (18) Battaglia (1) Beira-Mar (2) Belenenses (4) Benfica (1) BES (1) bilhetes (2) binários (1) Boal (1) Boateng (1) Boeck (2) Bojinov (7) Bolsa (2) Borússia Dortmund (1) Boulahrouz (2) Brasil (1) Braz da Silva (8) Brondby (4) Bruma (18) Bruno Carvalho (100) Bruno César (3) Bruno de Carvalho (7) Bruno Martins (20) Bryan Ruiz (4) Bubakar (1) BwinCup (1) cadeiras verdes (1) Cadete (1) Caicedo (5) calendário (2) Câmara Municipal de Lisboa (3) Campbell (2) Campeões (2) campeonato nacional (21) campeonatos europeus atletismo (2) Cândido de Oliveira (1) Caneira (2) Cape Town Cup (3) Capel (4) carlos barbosa (4) Carlos Barbosa da Cruz (2) Carlos Carvalhal (5) Carlos Freitas (7) Carlos Padrão (1) Carlos Severino (4) Carriço (6) Carrillo (10) Carrilo (3) carvalhal (30) Caso Cardinal (1) Casos (6) CD Liga (3) Cedric (7) Cervi (3) CFDIndependente (1) Champions League 2014/15 (9) Champions League 2015/16 (5) Chapecoense (1) CHEGA (1) Ciani (1) Ciclismo (3) CL 14/15 (2) Claques (9) clássicos (8) Coates (4) Coentrão (1) Coerência (1) colónia (1) comissões (2) competência (2) comunicação (65) Comunicação Social (21) Consciência (1) Conselho Leonino (2) contratações (6) COP (1) Coreia do Norte (1) Corradi (1) corrupção no futebol português (2) Cosme Damião (1) Costa do Marfim (3) Costinha (45) Couceiro (13) crápulas (1) credores (1) crise 2012/13 (21) Crise 2014/15 (2) Cristiano Ronaldo (1) cronica (3) crónica (15) cultura (4) curva Sporting (1) Damas (3) Daniel Sampaio (3) debate (5) defesa dos interesses do SCP (7) Del Horno (1) delegações (1) depressão (1) Derby (42) Derby 2016/17 (1) derlei (1) Desespero (1) Despedida (2) despertar (3) dia do leão (1) Dias da Cunha (1) Dias Ferreira (6) Diogo Salomão (4) director desportivo (18) director geral (5) direitos televisivos (4) Dirigentes (28) disciplina (6) dispensas (22) dispensas 2015/16 (1) dispensas 2016/17 (2) dispensas 2017/18 (1) djaló (10) Domingos (29) Doumbia (1) Doyen (4) Duarte Gomes (2) Ecletismo (60) Eduardo Barroso (6) Eduardo Sá Ferreira (2) eleições (19) eleições2011 (56) eleições2013 (26) eleições2017 (9) Elias (5) eliminação (1) empresários (11) empréstimo obrigacionista (3) entrevistas (63) Épico (1) época 09/10 (51) época 10/11 (28) época 11/12 (8) época 12/13 (11) época 13/14 (4) época 14/15 (8) época 15/16 (5) época 16/17 (7) época 17/18 (1) EquipaB (17) equipamentos (12) Eric Dier (8) Esperança (4) estabilidade (1) Estádio José de Alvalade (4) Estado da Nação (1) estatutos (6) Estórias do futebol português (4) estratégia desportiva (104) Estrutura (1) Euro2012 (6) Euro2016 (1) Europeu2012 (1) eusébio (2) Evaldo (3) Ewerton (4) exigência (2) expectativas (1) expulsão de GL (1) factos (1) Fafe (1) Fair-play (1) farto de Paulo Bento (5) fcp (12) FCPorto (9) Fernando Fernandes (1) FIFA (2) Figuras (1) filiais (1) final (1) final four (1) finalização (1) Finanças (24) fiorentina (1) Football Leaks (2) Formação (89) FPF (14) Francis Obikwelu (1) Francisco Geraldes (2) Frio (1) fundação aragão pinto (3) Fundação Sporting (1) fundos (14) futebol (9) futebol feminino (1) futebol formação (1) futebol internacional (1) Futre (1) Futre és um palhaço (4) futsal (23) futsal 10/11 (1) futuro (8) gabriel almeida (1) Gala Honoris Sporting (3) galeria de imortais (28) Gamebox (2) Gauld (5) Gelson (1) Gent (1) geração academia (1) Gestão despotiva (2) gestores de topo (10) Gilberto Borges (2) GL (2) glória (5) glorias (4) Godinho Lopes (27) Gomes Pereira (1) Governo Sombra (1) Gralha (1) Gratidão (1) Grimi (4) Grupo (1) Guerra Civil (2) guimarães (1) Guy Roux (1) Hacking (1) Heerenveen (3) Hildebrand (1) História (18) Holdimo (1) homenagem (5) Hóquei em Patins (7) Hugo Malcato (113) Hugo Viana (1) Humor (1) i (1) Identidade (11) Idolos (3) II aniversário (1) Ilori (4) imagem (1) imprensa (12) Inácio (5) incompetência (7) Insua (2) internacionais (2) inverno (2) investidores (3) Iordanov (6) Irene Palma (1) Iuri Medeiros (1) Izmailov (26) Jaime Marta Soares (3) Jamor (3) Janeiro (1) Jardel (2) jaula (3) JEB (44) JEB demite-se (5) JEB és uma vergonha (5) JEB rua (1) JEBardadas (3) JEBardice (2) Jefferson (3) Jeffren (5) Jesualdo Ferreira (14) JJ (1) JL (3) Joana Ramos (1) João Benedito (1) João Mário (6) João Morais (5) João Pereira (6) João Pina (3) João Rocha (3) Joaquim Agostinho (2) joelneto (2) Jogo de Apresentação (1) Jorge Jesus (44) Jorge Mendes (3) José Alvalade (1) José Cardinal (2) José Couceiro (1) José Eduardo Bettencourt (33) José Travassos (1) JPDB (1) Jubas (1) judo (6) Juniores (7) JVL (105) kickboxing (1) Kwidzyn (1) Labyad (7) Lazio (1) LC (1) Leão de Alvalade (496) Leão Transmontano (62) Leonardo Jardim (11) Liderança (1) Liedson (28) Liga 14/15 (35) Liga de Clubes (12) liga dos campeões (12) Liga dos Campeões 2016/17 (11) Liga dos Campeões 2017/18 (6) Liga Europa (33) Liga Europa 11/12 (33) Liga Europa 12/13 (9) Liga Europa 13/14 (1) Liga Europa 14/15 (1) Liga Europa 15/16 (11) Liga Europa10/11 (16) Liga NOS 15/16 (30) Liga NOS 16/17 (22) Liga NOS 17/18 (2) Liga Sagres (30) Liga Zon/Sagres 10/11 (37) Liga Zon/Sagres 11/12 (38) Liga Zon/Sagres 12/13 (28) Liga Zon/Sagres 13/14 (24) Lille (1) LMGM (68) losango (1) Lourenço (1) low cost (1) Luis Aguiar (2) Luis Duque (9) Luís Martins (1) Madeira SAD (4) Malcolm Allison (1) Mandela (2) Mané (3) Maniche (4) Manifesto (3) Manolo Vidal (2) Manuel Fernandes (7) Marca (1) Marcelo Boeck (1) Marco Silva (27) Maritimo (2) Marítimo (3) Markovic (1) Matheus Oliveira (1) Matheus Pereira (3) Mati (1) matías fernandez (8) Matias Perez (1) Mauricio (3) Meli (1) Memória (10) mentiras (1) mercado (41) Meszaros (1) Miguel Lopes (1) miséria de dirigentes (2) mística (3) Modalidades (25) modelo (3) Moniz Pereira (7) Montero (7) Moutinho (3) Mundial2010 (9) Mundial2014 (3) Mundo Sporting (1) Nacional (1) Naide Gomes (2) Naldo (3) naming (2) Nani (3) Natal (4) Naval (3) Navegadores (3) negócios lesa-SCP (2) NextGen Series (3) Noite Europeia (1) nonsense (23) Nordsjaelland (1) NOS (1) Notas de Imprensa (1) notáveis (1) nucleos (1) Núcleos (9) Nuno André Coelho (2) Nuno Dias (3) Nuno Saraiva (2) Nuno Valente (1) o (1) O Roquetismo (8) Oceano (1) Octávio (1) Olhanense (1) Olivedesportos (1) Onyewu (7) onze ideal (1) opinião (6) oportunistas (1) orçamento (3) orçamento clube 15/16 (1) organização (1) orgulho leonino (17) Oriol Rosell (3) paineleiros (15) Paiva dos Santos (2) paixão (3) papagaios (8) pára-quedista (1) parceria (2) pascoa 2010 (1) pasquins (7) património (2) patrocínios (5) Paulinho (1) paulo bento (19) Paulo Faria (1) Paulo Oliveira (3) Paulo Sérgio (43) paulocristovão (1) Pavilhão (11) pedrada (1) Pedro Baltazar (8) Pedro Barbosa (5) Pedro Madeira Rodrigues (3) Pedro Mendes (4) Pedro Silva (2) Pereirinha (6) Peyroteo (2) Piccini (1) Pini Zahavi (2) Pinto Souto (1) plantel (31) plantel 17/18 (3) play-off (2) play-off Liga dos Campeões 17/18 (5) PMAG (3) Podence (1) Polga (5) Pongolle (5) Pontos de vista (15) por amor à camisola (3) post conjunto (5) Postiga (7) PPC (7) Pranjic (2) pré-época (2) pré-época 10/11 (7) pré-época 11/12 (43) pré-época 12/13 (16) pré-época 13/14 (16) pré-época 14/15 (22) pré-época 15/16 (20) pré-época 16/17 (12) pré-época 17/18 (9) prémio (1) prémios stromp (1) presidente (4) Projecto BdC (1) projecto Roquette (2) promessas (3) prospecção (2) Providência Cautelar. Impugnação (1) PS (1) Quo vadis Sporting? (1) Rabiu Ibrahim (2) râguebi (1) raiva (1) RD Slovan (1) reacção (1) redes sociais (1) Reestruturação financeira (17) reflexãoleonina (21) reforços (15) regras (4) regulamentos (1) Relatório e Contas (11) relva (10) relvado sintético (4) remunerações (1) Renato Neto (3) Renato Sanches (1) respeito (7) resultados (1) revisão estatutária (5) Ribas (2) Ribeiro Telles (4) Ricardo Peres (1) Ricciardi (2) ridiculo (1) ridículo (2) Rinaudo (8) Rio Ave (2) Rita Figueira (1) rivais (6) Rodriguez (2) Rojo (4) Ronaldo (12) rtp (1) Rúbio (4) Rui Patricio (18) Rui Patrício (4) Sá Pinto (31) SAD (25) Salema (1) Sarr (4) Schelotto (2) Schmeichel (2) scouting (1) SCP (64) Segurança (1) Selecção Nacional (38) seleccionador nacional (5) Semedo (1) SerSporting (1) Shikabala (2) Silly Season2017/18 (2) Símbolos Leoninos (3) Sinama Pongolle (1) Sistema (4) site do SCP (3) SJPF (1) Slavchev (1) slb (21) Slimani (11) Soares Franco (1) sócios (16) Sócrates (1) Solar do Norte (14) Sondagens (1) sorteio (3) Sousa Cintra (1) Sp. Braga (2) Sp. Horta (1) Spalvis (2) Sporting Clube de Paris (1) Sporting160 (1) Sportinguismo (2) sportinguistas notáveis (2) SportTv (1) Stijn Schaars (4) Stojkovic (3) Sunil Chhetri (1) Supertaça (3) sustentabilidade financeira (40) Taça CERS (1) Taça Challenge (5) taça da liga (11) Taça da Liga 10/11 (7) Taça da Liga 11/12 (3) Taça da Liga 13/14 (3) Taça da Liga 14/15 (2) Taça da Liga 15/16 (4) Taça da Liga 16/17 (1) Taça da Liga 17/18 (1) Taça das Taças (1) Taça de Honra (1) Taça de Liga 13/14 (3) Taça de Portugal (12) Taça de Portugal 10/11 (3) Taça de Portugal 10/11 Futsal (1) Taça de Portugal 11/12 (12) Taça de Portugal 13/14 (3) Taça de Portugal 14/15 (8) Taça de Portugal 15/16 (4) Taça de Portugal 16/17 (4) Taça de Portugal 17/18 (1) táctica (1) Tales (2) Tanaka (1) Ténis de Mesa (2) Teo Gutierrez (5) Tertúlia Leonina (3) Tiago (3) Tonel (2) Torneio Guadiana 13/14 (1) Torneio New York Challenge (4) Torsiglieri (4) Tottenham (1) trabalho (1) transferências (5) transmissões (1) treinador (90) treino (4) treinos em Alvalade (1) troféu 5 violinos (5) TV Sporting (5) Twente (2) Tziu (1) uefa futsal cup (4) Uvini (1) Valdés. (3) Valores (14) Veloso (5) vendas (8) vendas 2013/14 (2) vendas 2014/15 (1) vendas 2016/17 (5) vendas 2017/18 (1) Ventspils (2) Vercauteren (5) Vergonha (7) video-arbitro (5) Villas Boas (8) Viola (1) Virgílio (98) Virgílio1 (1) Vitor Golas (1) Vitor Pereira (6) Vitória (1) VMOC (7) Vox Pop (2) VSC (3) Vukcevic (10) WAG´s (1) William Carvalho (13) Wilson Eduardo (2) Wolfswinkel (12) Wrestling (1) Xandão (4) Xistra (3) Zapater (2) Zeegelaar (2) Zezinho (1)