Um ideal

ESFORÇO, DEDICAÇÃO, DEVOÇÃO E GLÓRIA, o lema que fez do Sporting um grande clube, tão grande como os maiores da Europa”

Receba o "ANorte" por e-mail

Mantenha-se a par

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Questões de tamanho

Sempre que o Sporting fica aquém dos objectivos a que está obrigado, surge de imediato a questão da "belenensização". Se me parece que a maior parte das apreciações são o fruto da amargura dos resultados e não são estribadas em análises devidamente fundamentadas, também entendo que, face ao que é o Sporting hoje, a questão da dimensão do clube deve ser olhada de frente e com coragem. Ao longo da minha existência vi ruir organizações, empresas, instituições e até países que pouco tempo antes aparentavam uma solidez e perenidade que a realidade havia de desmentir. Quase todos tinham como  característica comum o permanente estado de negação sobre si mesmas e a sua real situação.

Parece-me pelo menos indiscutível que este é Sporting mais pequeno que eu conheci. Não apenas por causa dos resultados do futebol ou por sermos menos abrangentes e ganhadores nas modalidades mas, acima de tudo pela atitude de resignação e conformismo de que falava ontem. É ai que se começa a definir o "tamanho" de um indivíduo ou de uma instituição: Na noção de si mesmo. E essa noção de dimensão surge inevitavelmente pela comparação com os congéneres. Um mercedes é maior que um smart. Portugal é mais pequeno que a Espanha e tem um PIB inferior,  "and so on". É aí que inevitavelmente comparo o Sporting de hoje com os nossos rivais. Se a história até hoje escrita não nos faz temer a confrontação, temo que o futuro possa ser diferente, para pior. Porque o presente revela um Sporting acomodado e talvez até pior: acha-se incapaz de fazer melhor. A situação vivida actualmente no nosso clube não poderia acontecer, sem consequências, em nenhum dos nossos rivais. Talvez comecem aí os nossos problemas e a nossa menorização.

Este é um problema que se instalou no Sporting há algum tempo e que escorre de cima para baixo, empestando o clube como um cano de esgoto roto num edifício.   Para justificar as suas próprias limitações e insuficiências, a nomenclatura que, legitimada de forma cega entre eleições e cooptações, se apossou do Sporting, quer-nos fazer crer que melhor é impossível e que os magros resultados são alcançados com grandes sacrifícios pessoais, que, diga-se, ninguém pediu. É esta a noção do uso que fazemos do cérebro que está neste atestado de menoridade intelectual que hoje nos passa Dias da Cunha, no "Jogo". O problema são sempre os mesmos que "só se querem servir do Sporting para benefícios pessoais e dar poucas horas ao clube". Nunca de quem toma decisões. Esses estão sempre "corajosos e determinados" uns pobres coitados, vítimas de facínoras que só escrevem, falam e têm mau perder.

É essa noção dos adeptos que tem também Bettencourt. Antes de viajar para Belgrado deixou as papas e bolos para os tolos. Como vem sendo costume, na Bola. JEB "reconhece que os resultados estão muito aquém do exigido mas é avesso a mudanças radicais. Compreende que não é fácil reverter a situação de um ano para o outro." Reconhece mais uma série de coisas, menos o essencial: antecipa receitas, gasta mais, coleccionando resultados miseráveis atrás de resultados miseráveis. E quem "reconhece mérito ao trabalho do treinador e do departamento de futebol, apesar dos maus resultados persistirem" revela a percepção e clareza de raciocínio de um náufrago em alto mar.

Mas deixou ficar os bolos. Isto, claro está, se o mercado for mais compreensivo do que os adeptos, os postes, etc, etc. O que Bettencourt devia reconhecer era que esta época já era, que este treinador não serve, e que, se não quer perder a próxima, já devia estar a pensar nela. E talvez deva reconhecer que não "jeito para a coisa", afastando-se antes de fazer ao seu sucessor o que lhe fizeram a ele: entregar um presente armadilhado sem tempo nem espaço para despoletar.

Dias da Cunha pede tempo para o "trio maravilha".  Tempo que não me importaria de dar se reconhecesse nele qualquer sentido estratégico, uma ideia condutora que ligue a letra com a caneta. Porque o coitado do presidente faz sacrifícios pessoais, porque o Costinha é um Sportinguista genuíno, ao contrário dos críticos, claro. Isto apesar de só agora ter querido o Sporting, que foi quem se lembrou dele, apesar de ter sido "fundamental no balneário do FC Porto e da Selecção Nacional". Paulo Sérgio precisa de ainda mais tranquilidade, apesar de esta lhe ter concedida desde o inicio da época, quer pelos adeptos quer pelo calendário, cuja sorte entretanto desperdiçou. Afinal o AVB é que tem de se acautelar, não nós que estamos 13 pontos, e perdemos com grandes e pequenos.

É este o tamanho da consideração que esta gente tem pela nossa inteligência.

28 Comentários:

Leão de Stª Engrácia disse...

Por mim JEB pode ter todo o tempo do Mundo, desdee que seja no fundo de um poço com a cabeça debaixo de água, que é justamente para onde ele vai levar o nosso clube.

A única forma que vejo de inverter o ciclo no imediato é mostrar de forma inequívoca a esta corja que são mal-queridos em Alvalade e que só não os corremos á pedrada porque ( aí sim ) somos diferentes.

Assim que - e desculpem a minha ousadia pois não sou ningúem para dizer por onde o vosso blog ou outros devem ir - acho que os maiores blogs sportinguistas se deviam unir e promover a campanha ALVALADE ZERO apelando aos sócios e adeptos para desertarem de uma vez por todas e deixarem o estádio ( ainda mais ) às moscas até esta gentalha entender que não tem condições para continuar em Alvalade.

Por isso digo ALVALADE ZERO ! Não há maior prova de amor que deixar de ir assisitir ao nosso grande Sporting. Do que ter o bilhete e as quotas paga e cumprir o doloroso dever de ficar em casa,mas é a única forma inteligente, pacífica e mesurável de mostrar aos cabeçudos a nossa profunda insatisfação.

ALVALADE ZERO !!!

www.pelomeusportingcp.blogspot.com

MM disse...

Palavras para quê?
Está aí tudo.

Sobre isso da tentativa que os nossos rivais e alguns de nós (cedendo) enjeitam de colocar muitas vezes na mesma frase Sporting e Belenenses rejeito por completo. Este Sporting está mais pequeno mas é este Sporting, não é o Sporting. O Sporting é o mais titulado Clube português, tem "apenas" menos 5 campeonatos de futebol do que o Porto e 10 do que o Benfica, tem de certeza mais de 2 milhões de adeptos espalhados pelo mundo, tem uma das melhores Academias de futebol do mundo, e mesmo no futebol conserva - este Sporting - algum poderio, ou não teríamos marcado presença numa final europeia há 5 anos. O Sporting, e não este Sporting, no futebol, é dos maiores Clubes da Europa: top 3 europeu em participações nas competições europeias da modalidade juntamente com Real e Barcelona, 22 campeonatos domésticos e 14 ou 15 taças de Portugal, 7 ou 8 supertaças, 2 finais europeias com 1 conquistada, 3 ou 4 recordes ainda vigentes no futebol europeu (marcas que os nossos rivais não possuem nem nunca possuirão) e claro, todo o conjunto armado de capacidades que acumulamos e que não têm em Portugal equiparação: a Academia. Há pessoas que dizem que não é bem assim mas eu sem conhecer arrisco dizer que é, porque se os outros tivessem só um bocadinho desta nossa competência futebolística ofereceriam decerto aos seus jovens futebolistas qualquer coisa que os levasse para patamares que os nossos não raramente atingem.
Voltando a este Sporting, na última década as nossas prestações no futebol superam claramente as de 1 dos rivais, o Benfica: nunca ficámos fora da Europa 1 vez que fosse (quanto mais 2) e apesar de (mais uma vez) ESTE SPORTING ter batido um recorde negativo em resultados europeus (eliminatória com o Bayern) não há adeptos de equipas gregas, israelitas ou do meio da tabela espanholas que se possam gabar de nos ter goleado.

Que os rivais falem em Sporting e Belenenses eu compreendo: é um desejo seu, desejo que no entanto nunca verão concretizado. É como o meu desejo que os benfiquistas e o Benfica desaparecessem do mapa ou que muitos portistas não tivessem de sentir vexame pelos desonestos dirigentes que têm mas é só isso mesmo, desejo.

Que nós falemos em Sporting e Belenenses também compreendo: porque vivemos uma fase muito negativa e da qual não vemos perspectivas imediatas de dela nos livrarmos mas, é só isso mesmo também, porque o Sporting felizmente tem também algo mais do que "somente" a maior quantidade de títulos em Portugal, um currículo riquíssimo no Futebol e o costumeiro hábito de viver de forma séria: temos também melhores adeptos do que os outros. E por toda a parte podemos ver isso. E não falo de bandeiras, bondade nos rituais ou um sentimento de fidelidade muito particular (e diferente daquele que os outros manifestam) para com o Clube, falo mesmo de termos um corpo de adeptos mais capaz, mais valioso em células cinzentas.

O Sporting que bata no fundo e se desmanche todo nos próximos meses ou par de anos porque teremos sempre a certeza que depois da queda vem o ressurgimento. É assim para as Estações, plantas e flores, ciclos alimentícios, é assim para a Vida (embriões, menstruações, ventres e tudo isso), e também assim será para o Sporting.
O Sporting inclui-se na categoria de elementos.

MM disse...

*
Nesta categoria de elementos.
E vós que sentem o Sporting sabem-no.

Mike Portugal disse...

"Parece-me pelo menos indiscutível que este é Sporting mais pequeno que eu conheci."

Por acaso não concordo com esta. O SCP de 1996 a 1998 foi o mais pequeno que já vi. Aí não ganhamos nada e nem sequer íamos longe na europa. Agora, que estamos a caminhar para lá, não haja duvida.

jvl disse...

Não sou particular adepto do jornalista em questão mas aborda o mesmo tema aqui.

LMGM disse...

LdA, bom post. Tenho discordâncias pontuais, por exemplo, concordo com Dias da Cunha quando fala dos criticos. O Sporting tem e sempre teve uma permanente critica, a determinado ponto se ela não evolui para algo concreto, não serve para nada.

Não basta enunciar problemas ou fazer análises, se há convicção por trás das criticas não pode continuar a não se detectarem alternativas para o Sporting. Para mim o conformismo resulta deste facto e aplaudo o anuncio de José Eduardo (que também já deve ter a sua dose de criticos a afiar as facas) em procurar soluções para as apresentar ao Sporting.

Num clube normal, o Presidente não estaria a pensar na próxima época, estaria a pensar para daqui a 5 ou 10 anos, no fundo é aquilo que retiro da frase do fundador "Ser tão grande como os maiores da europa", este pensamento é inútil para quem só dirige o dia-a-dia, este pensamento está reservado para quem constroi futuros.

Concordo quando dizes que há uma minorização do clube vinda das cupulas e acho isso inaceitável. O Sporting oferece aos seus profissionais condições de excepção para fazerem o seu trabalho e deve exigir resultados em conformidade. Paulo Bento nunca foi eliminado de uma taça com uma derrota em vários anos de trabalho, só quem não sabe o valor de construir esta capacidade de luta, de superação das dificuldades pode olhar hoje para o que foi desbaratado e ficar contente.

Temos de novo de construir tudo e a única coisa que sei é que vai ser com Sportinguistas, logo, com criticos injustos por vezes mas fieis sempre.

jvl disse...

LMGM,

A questão é que se o José Eduardo ainda tem direito a se encontrar com o JEB, quais seriam as possibilidades de um grupo de adeptos o fazer? Alguém levaria a sério as suas recomendações?

LMGM disse...

Jvl, aqui há uns tempos a Centúria convidou Rogério Alves (então Presidente da AGS) para responder a questões "da malta". A minha pergunta foi simples (no caso as perguntas), qualquer coisa como, "Qual é o papel dos sócios hoje na vida do Sporting? Como podem participar mais activamente junto da direcção?"

A resposta foi também simples, "Não podem.", claro que não foi com estas palavras secas, mas o resumo da resposta do então Presidente da AGS é este.

Tinha esta pergunta engasgada desde um texto que li no Jogo do Lauro António, na sua condição de sócio do Sporting que representava um conjunto de pessoas que eram referências nas suas diferentes áreas profissionais e que pretendiam a titulo gracioso participar nas comemorações do centenário do clube e não conseguiam que os seus pedidos fossem atendidos/respondidos.

No caso especifico, Lauro António predisponha-se para realizar um ciclo de cinema.

Admito perfeitamente que existam justificações por parte da direcção da altura para não executar determinadas iniciativas. Não concebo que sócios do calibre profissional e militância leonina não tenham interlocutor e vias para apresentar as suas criticas ou soluções.

Principalmente numa estrutura profissional/empresarial, aprendi isso com americanos, nada é mais importante que a opinião e sugestão do meu público. São corporações do mais profissional que existe que permanentemente pedem sugestões ao seus clientes e avaliações do seu desempenho.

Leão de Alvalade disse...

LMGM:

Não posso estar de acordo com Dias da Cunha quando ele aproveita a oportunidade para ajustar contas como passado ao invés de olhar para o presente com a responsabilidade que se exige a quem já foi dirigente e presidente até. O Sporting não precisa disso agora, seguramente.

Não faltam análises como também não faltam boas propostas, falta quem tenha abertura para pelo menos as ouvir. Como certamente te lembrarás há ainda muita decisão tomada em congresso que estão por implementar. Se nem o que é determinada estatutariamente é cumprido, o que esperar do resto?

O Conselho Leonino é o que sabe e nem as poucas virtudes que o modelo organizacional permite são rentabilizadas.

Há muito que no Sporting "quem não é por nós é contra nós", perdendo-se assim a contribuição de muita gente que não tem outro interesse se não ver o clube avançar.

jvl disse...

LMGM,

Exactamente. É por isso que quando leio ou oiço alguém dizer, passem das críticas aos actos, apresentem propostas, etc. me interrogo: e para participar na vida do Clube, para além dos pagamentos que faço - a única coisa que parece interessar actualmente a esta Direcção - não haverá outra forma para além de me apresentar a votos? Pelo que sabemos e temos vivido, não há.

Neste momento, de modo a poder contribuir para o Clube, ou tenho alguma notoriedade pública - de modo a ter acesso à "cúpula" - ou então sou um mero número que serve apenas para pagar quotas.

Quanto aos americanos, também pude reparar nisso num projecto no qual estive inserido. Só gostava que o SCP desse 1/10 da atenção aos seus sócios/adeptos que eles davam aos seus clientes.

Virgílio disse...

“Alguém levaria a sério as suas recomendações?” JVL dixit.


Organizou-se um Congresso para esse efeito… Passados dois anos, que efeitos práticos é que tiveram as recomendações apresentadas em Santarém? À excepção de uma ou outra recomendação completamente pacifica, não se adoptou praticamente mais nenhuma. E daquelas que realmente seriam importantes, e como tal com implementação de carácter urgente, então nem vale a pena comentar… Entraram a 100 e saíram a 200 das mentes de quem de direito: os ‘poderosos chefões’. Resumindo, está tudo na mesma… como a lesma. O resultado do Congresso Leonino foi (é) confrangedor… Mas pior do que isso é chegar ao fim do Congresso e ficar com a nítida sensação, de que dificilmente muitas daquelas recomendações aprovadas vingariam. Bastava estar atento às reacções dos VIP’s e à discussão durante a apresentação de grande parte das recomendações para perceber que aquilo dificilmente daria alguma coisa. Os gajos estão lá no pedestal deles e quem não faz parte do grupelho é pura e simplesmente ignorado e tratado com desdém. Já as palmadinhas nas costas, o elogio fácil, a vaidade entre os membros do jet set leonino, foi bem notório. Nem havia cá misturas com o resto da malta… Infelizmente, passados que estão dois anos sobre tal evento, a minha sensação foi completamente confirmada. Por melhor que fossem as intenções por parte de quem avançou com a ideia da realização do Congresso Leonino (Blogue /movimento da Centúria Leonina) aquilo não passou de um mero show off… Uma feira de vaidades, coisa para inglês ver, como se diz cá no nosso Portugal profundo.

Meus amigos, entregamos o SCP a uma gente que se julga de uma casta superior e que, como tal, acha-se dona do clube e com direito a fazer o que bem entender. JEB, tal como ADC, FSF, e toda aquele grupelho que gravita em torno destes nomes, é td farinha do mesmo saco. Vão arrebentar com o SCP, mas vão arrebentar com estilo, com muita charutada, croquetes e dress codes à mistura. Pelo caminho lá têm que aturar os críticos, os terroristas, os ignorantes, os mal-dizentes, toda essa escumalha que não dá tranquilidade a sua Escelências… Não é à toa que somos adjectivados daquela maneira… Eles é que são os inteligentes, por isso, quem ‘deles’ discorda é desprezado e maltratado.


(Cont.)

Virgílio disse...

(Cont.)

Convençam-se que só qd a malta da ganga voltar, se algum dia voltar e o fizer a tempo de poder resgatar o SCP deste lugar esconso onde se encontra, é que o SCP se endireita.

Só mais um pormaior: por mt que me custe a dize-lo (nc o fiz antes por, apesar de tudo, possuir um sentimento de ‘vergonha’ e auto-preservação que mts de nós ainda temos, mas que já não existe dentro do SCP) Paulo Bento estava (está) coberto de razão quando afirmou existir um complexo de inferioridade dentro do SCP relativamente às coquichas dos nossos vizinhos… Mt dos n/s dirigente e VIP’s do SCP sofrem desse mal. Contentam-se em estar por cima dos lamps, olham mais pró vizinho do lado do que pela própria casa… Independentemente dos problemas que nos afectam. Um ódio cego, que impede que exista dentro do clube um maior espírito autocrítico e permita um desenvolvimento e uma aumento de organização do e no SCP. Bastava estar atento a algumas discussões e comentários durante o já longínquo fim-de-semana do CNEMA para perceber isto. O gde problema é que esse sentimento tem contagiado mt de quem está fora… Apesar de tanta incompetência essa mensagem tem passado e colado junto da massa adepta do SCP. Infelizmente.

Ou seja, junte-se-lhe o complexo de superioridade perante a ‘populaça’ sportinguista, o ódiozinho mesquinho pelo slb e a tremenda incompetência na gestão do clube e SAD e temos o caldo de cultura que arrastou o SCP para a situação actual. Meus amigos, pode custar de ler, podem chover contra-argumentos, mas isto é a mais pura das realidades. E é por isso que esta gente não serve, não presta, e não conseguirá resolver os problemas do SCP.

Abraço a tds aqueles que, apesar de combater contra moinhos de ventos, não desistem.

LMGM disse...

Jvl, é que nem aqueles que têm notariedade conseguem...

Virgílio disse...

José Eduardo Sampaio tem notariedade e priva regularmente com 'eles'... Mesmo assim, vejam o que lhe aconteceu...

Dezperado disse...

Tirando a parte da "benelização" e de alguns pontos, excelente texto.

Na minha opinião, o JEB vai-se demitir quando acontecer uma das duas hipoteses:

- Ou a Juve Leo "faz-lhe" a cama como tem acontecido no passado.

- Ou tem de aparecer um rosto, uma equipa que se proponha já para ir a eleições.

SL

LMGM disse...

Virgilio, ao que percebi da rábula do José Eduardo, ele foi comunicar que vai preparar um programa e uma lista para eleições.

Dezperado, nunca fui apostador, gosto de arriscar não de apostar, mas era capaz de apostar que rosto já existe. Rogério Alves, que acenta que nem uma luva no perfil retratado pelo Virgilio.

Paulo disse...

Alvalade 0 é uma excelente proposta. Desde à 5 anos que não meto lá os pés. Ia fazer 25 anos de sócio e deixei de o ser enquanto estes ladrões por lá andarem. Saudações Leuninas de um VERDADEIRO LEÃO que muito sofre com toda esta situação!

Rui Coelho disse...

Assistir à morte do nosso clube enquanto grande sem que seja feita coisa alguma é demasiado triste.

jvl disse...

Virgílio,

O sentimento de superioridade que este grupelho, como lhe chamas, tem em relação aos outros, está à vista de todos.
O Sousa Cintra com todos os seus defeitos, conseguia mobilizar os Sportinguistas. Não ganhávamos mas havia um SCP pujante, unido e orgulhoso. Entraram os "gestores de topo" e em 15 anos tudo destruiram.
Quanto ao querer ficar apenas à frente do slb, foi possível constatar isso na AG. Quando se disse que estávamos apenas a 3 pontos do 2º, quem apoia esta Direcção ficou satisfeita e até palmas bateu. Todos os outros, os que não se contentam e conformam, protestaram. E não é só na AG. Basta navegar pela blogosfera para encontrares muitos que partilham essa opinião. Torcer para que o fcp não perca pontos porque nós já não somos campeões? Quero que o fcp e o slb se FODAM!!


LMGM,

Quanto ao José Eduardo, não foi essa a sensação com que fiquei. Pelo que li, ele ia preparar um documento acerca da organização e funcionamento do departamento de futebol, para que independentemente de quem se encontre a determinada altura à frente do mesmo, as regras, conduta, etc. sejam imutáveis.

No fundo, estamos fodidos. A continuar neste rumo, o SCP prepara-se para dar razão a Dias da Cunha que apesar do caminho sguido ser o mesmo de FSF e que lhe value tantas críticas, aparece agora a defender JEB.
Feira de vaidades, compadrio, vinganças pessoais e negociatas eis o Sporting actual.

MM disse...

Leão de Alvalade,
Não pretendendo desviar o tema da conversa queria apenas rebater algo que disseste no tópico anterior e que só agora li: prefiro sempre os do 2º grupo obviamente, a correcção ao comentário inicial está lá.
Nem poderia ser de outra forma.
Quanto à autoridade discordo por completo, para mim (visão estritamente pessoal e portanto uma que não pretende ser a verdade) a autoridade é tão importante quanto a competência técnica, e isto vale tanto para uma equipa de futebol, uma qualquer tropa, o tal grupo de escuteiros ou outra coisa qualquer. Onde quer que existam grupos terá 999 em cada 1000 situações de existir autoridade. Não autoritarismo, mas autoridade, e numa equipa de futebol esse papel cabe ao treinador e a ninguém mais não podendo nenhum adjunto ou director substitui-lo nesse papel. A autoridade do treinador percebida pelo seu grupo deve acontecer da forma natural e espontânea que dizes e é precisamente por isso que deve advir de um conjunto de características pessoais que o próprio deverá possuir enquanto ser humano. A autoridade do treinador serve sobretudo um propósito: consignar os seus pupilos a um objectivo comum, e não existe equipa alguma habituada a ganhar onde este elemento esteja ausente. Não bastam os métodos e um domínio técnico bem trabalhado. É preciso cometer todos a um objectivo, e não é por acaso que o José Mourinho ou outros bons treinadores alimentam a imagem que quase sempre tentam promover: uma de segurança, força, certeza. Isso conta muito ajuda-os no dia-a-dia, porque eles sabem que os jogadores estão a ver e vão reagir a isso. Os adversários estão a ver e vão reagir a isso. E o seu trabalho e os resultados que apresentarem semana após semana dependem muito disso. O Carvalhal não tem essa característica. O Carlos Carvalhal dá toda a ideia de ser um daqueles sujeitos muito valiosos, capacitados, estudiosos, que tentam sempre melhorar-se, decentes, humanos, sérios e que são muito bons naquilo que fazem mas que se comprometem sobretudo consigo próprios e não abdicam disso em momento algum, do seu processo: o Carvalhal domina a sua actividade e tenho a certeza que saiu do Sporting de consciência perfeitamente tranquila mas, não levou o Sporting aos resultados que eram pretendidos. O Carvalhal pode - e bem - saber e interiorizar que a culpa não foi sua, que fez o trabalho dele bem feito e tudo o mais mas, isso não chega. O Sporting não pode seja lá em que condições for perder hoje 1-4 em casa com o Benfica e daqui a 3 dias 2-5 com o Porto no Dragão e ver-se eliminado de 2 objectivos num ápice. Um treinador não pode aceitar isso e não pode no fim desses jogos falar sobre essas derrotas como se elas fossem naturais ou inevitáveis porque esse espírito passa para a sua equipa, e uma equipa forte mentalmente não perde por 5-2 e 4-1 num espaço de 3 dias nem empata em casa na última jornada quando precisa de ganhar.
A questão importa bastante: um treinador tem de fazer da sua equipa um grupo forte e empenhado a um propósito, ganhar, e tem por isso de ser líder, forte e ter autoridade. Isto não se aprende, pode-se fingir que se tem mas não se aprende. Foi por isso no outro dia disse que o Mourinho nesse aspecto nunca me impressionou, porque via-se que aquilo não era natural, nada mesmo. Compreende-se, vinha do Leiria, nunca foi um grande jogador e etc por isso ele tinha de forçar a sua presença ao mesmo tempo que fazia aquilo que semanalmente tão bem deve fazer. Hoje como é óbvio não precisa de nada disso e construiu já um currículo e uma imagem que falam por si e não precisam de elementos artificiais que os reforcem.
Autoridade, segurança, força, liderança, capacidade de colocar todos a investir de si próprios o máximo e o mesmo: não é uma coisa má, e não é autoritarismo, não é assustadora, não melindra ninguém, não impressiona ninguém negativamente e só ajuda, porque um individuo (jogador) evoluirá muito melhor e mais depressa se tiver quem o faça acreditar que é possível.
Um abraço.

MM disse...

Virgílio, LMGM, JVL,
Isso que falam sobre o complexo de inferioridade é uma treta pegada, perdoem-me a expressão. E digo que é uma treta porque há tanta gente a repetir essa noção que ela incomoda-me profundamente. O Paulo Bento se é complexado isso é lá problema dele, dizer que o Sporting ou os sportinguistas têm um complexo ridículo com o Benfica é falar para o ar só.
Antes tivesse. Os funcionários do Sporting, técnicos, dirigentes, quem lá anda dentro preocupam-se com o Benfica e ficam satisfeitos apenas por ficar à sua frente, acreditam mesmo nisso? Eles não se preocupam com ninguém nem tentam ficar à frente de ninguém, querem lá saber disso para alguma coisa e não desenvolvem em momento algum um espírito desse tipo.
Estão demasiado ocupados a ser incapazes, inúteis, a errar por todos os lados.

O Porto que esse sim tem complexos com tudo e mais alguma coisa vejam lá onde isso os levou. Tivéssemos nós uma coisa parecida com essa, sempre era melhor que nada ter.
Eu não desejo um Sporting complexado porque há uma coisa sempre melhor do que o complexo: a ambição. Agora se complexo significar quem serve aquela casa preocupar-se e fixar-se em fazer melhor e derrotar categoricamente todos os outros então venha de lá esse complexo, porque ele seguramente não existe.

Leão de Alvalade disse...

LMGM:
"ao que percebi da rábula do José Eduardo, ele foi comunicar que vai preparar um programa e uma lista para eleições."

Escrevi aqui sobre isso:

http://anortedealvalade.blogspot.com/2010/12/azia-de-costinha.html

Mas não foi assim. JE comunicou que vai organizar uma reflexão e não uma lista às eleições:

http://www.record.xl.pt/Futebol/Nacional/1a_liga/Sporting/interior.aspx?content_id=533048

Isso foi o que o comunicado do Sporting quis fazer crer, o que por si diz tudo sobre a receptividade e abertura do CD do Sporting:

http://www.record.xl.pt/Futebol/Nacional/1a_liga/Sporting/interior.aspx?content_id=539977

Se leres o comunicado do Sporting repara nesta preciosidade: "Por uma questão de lealdade, quero aproveitar para vos comunicar que vou assumir um projeto para liderar a SAD" é a citação que fazem de JE. Como alguém antes de mim assinalou ninguém se candidata à liderança da SAD, pelo que ou é mentira,(JE desmentiu) ou a intenção é bem clara.

Leão de Alvalade disse...

Dezperado:

"Tirando a parte da "benelização" e de alguns pontos"

Talvez não tenhas percebido bem.

O que eu digo com clareza é que em momento algum devemos deixar de enfrentar as questões de frente e nelas estão claro está a nossa dimensão e a vitalidade do clube como instituição. Quem passou o tempo a recusar fazê-lo desapareceu e aí podes incluir instituições centenárias,organizações e até países.

O Sporting vive mais da sua história do que do seu presente. Isso parece-me indiscutível e merece reflexão, parece-me.

Leão de Alvalade disse...

MM:

Quando escrevia o meu comentário fazias a correcção.Daí que..

No mais concordo com o que dizes e não pretendendo servir de advogado de CC digo o seguinte:

CC teve a sua liderança à prova e exerceu-a,mas de forma discreta, sem discursos inflamados, sem mãos a bater no peito. Só assim se entende que tenha conseguido,mais que uma vez nos seis meses que teve em Alvalade recuperar o ânimo dos jogadores, voltando, mesmo a espaços, a jogar bom futebol e nas condições que se sabem.

Dos resultados que mencionas lembro as circunstâncias:

Com o SLB jogamos com a equipa deles em alta e em inferioridade numérica praticamente o jogo todo. Equipas inteiras foram goleadas o ano passado.

Contra o FCP jogamos na sequência do caso Izmailov. Assisti ao jogo e a equipa entregou-se completamente ao sofrer o golo do empate. Foi para mim o pior jogo do Sporting e onde senti que CC não conseguiu fazer nada para alterar o rumo das coisas.

E quando estávamos a jogar o melhor futebol dos últimos tempos, depois de devolvermos a goleada ao FCP e superarmos o Everton, fazemos um bom jogo em Madrid, em circunstâncias dificeis, e, quando parecíamos ter argumentos para passar, dá-se o caso Costinha / Izmailov.

No último jogo já se sabia que CC não contava e os plantéis normalmente não perdoam isso.

Mike Blitz disse...

Não querendo fazer publicidade ao blog onde escrevo mas como o sangue leonino e o norte têm primado pelas boas relações no post que fiz hoje está descrito numa perspectiva global aquilo que defendo para o SCP. Sendo que nem abordei o treinador , director desportivo e treinador. Mas sim as premissas que gostaria que fosse implementadas no nosso futebol.

Li varias das vossas opiniões e concordo com a maioria delas. Discordo apenas de 2 coisas. Rogerio Alves nunca poderá ser presidente do SCP. É uma personagem sombria que tem feito muito jogo de senado romano. Dias da Cunha é hoje o rosto dos esqueletos que não podem vir a lume fazendo uma defesa estupida e tentando lançar areia aos olhos dos socios. Gente como essa que até já foi presidente do SCP é tudo aquilo que eu quero longe de Alvalade. Uma autentica troika que se ofende quando está no poder e não há problemas mas que se defende quando finalmente parece que a dinastia chega ao fim.

SL

Miguel Damas

10A disse...

LdA,

Quanto ao pedido de Dias da Cunha, não há - para quem tem um padrão mínimo de exigência - mais tempo para o "trio maravilha". O desnorte em Alvalade foi e é por demais evidente, no caso do CC eu até acho que ele fez um trabalho meritório, além de que demonstrava uma capacidade técnica bem superior ao PS, o problema é que sempre foi encarado como um "temporário", mais ainda depois do FC ter sido contratado para director desportivo. Mas a fixação no tipo de treinador que PB tinha sido e a necessidade de arranjar alguém que "desse o corpo às balas" por ele/s só para não ter de lidar com questões maçadoras como arbitragens e justificações por más exibições ditou o seu afastamento. Apetece dizer a JEB e a FC que passem pelo site do clube e levem este passatempo a sério: http://2.bp.blogspot.com/_lsHzqrSZNHA/TQYtivYHmnI/AAAAAAAAAT8/1A0dOUW2gCk/s1600/Sem+T%25C3%25ADtulo-1.jpg

Quanto à equipa de futebol vejo-me obrigado a concordar com Paulo Torres (http://www.maisfutebol.iol.pt/opiniao---frases/sporting-paulo-torres-paulo-sergio-torreense-taca-de-portugal-manuel-fernandes/1217831-1447.html), com a ressalva que nós, que somos o Sporting, não merecemos isto.

Leão das Ilhas disse...

"este é o Sporting mais pequeno que eu conheci", concordo e vai tornando-se cada vez mais surpreendente o quão miserável isto pode ser. Quanto vale o nosso plantel de futebol? Quantos jogadores nossos são cobiçados por um clube estrangeiro de nomeada? Mas o que queria mesmo perguntar ao LdA, era como seria uma crónica aqui neste excelente blog, se o nosso SPORTING estivesse a 34 jogos sem perder, estamos no Natal que é tempo de ilusões e finge-mo-nos criancinhas e sonhemos com isso e no fim façamos uma reflexão que ela é urgente!

The Cure disse...

totalmente de acordo meu caro, LdA.

Enviar um comentário

Reservado o direito de admissão.(links também)
Comentários com insultos entre comentadores não serão tolerados

Comentários Recentes